O que eu não aprendi na graduação?
O que eu não aprendi na graduação?

O que eu não aprendi na graduação?

Mais do que uma lista de temas ignorados pela academia...

Antes de mais nada, esse não é um texto contrário ao papel das instituições de ensino superior (IES), que na minha visão contribui de forma relevante na formação de cidadãos com a capacidade de pensamento crítico.

Muito pelo contrário. Respeito muito as faculdades e até hoje tento extrair o máximo delas. Pois, me considero um eterno aprendiz.

Dito isso, irei mencionar, o que não aprendi nos cursos universitários que realizei e tive que buscar em outras fontes para complementar o meu conhecimento.

Então, vamos lá!

Excel

Não aprendi Excel em nenhum dos cursos de graduação que realizei (Administração e Contabilidade). Contudo, entendo que essa habilidade é uma das principais ferramentas de negócios e que pode derivar outras habilidades, como: dashboards (painel de controle), BI (business intelligence), VBA (visual basic application) e entre outros temas relacionados.

Educação Financeira

Não me foi ensinado na graduação nada a respeito de como eu devo lidar com o meu dinheiro. Na verdade, há teóricos que sugerem que esse conhecimento deve ser incorporado ainda na educação infantil. E eu comungo dessa ideia. Fico feliz em saber que o governo brasileiro desde 2010 vem desenvolvendo a Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF) visando contribuir para o fortalecimento da cidadania ao fornecer e apoiar ações que ajudem a população a tomar decisões financeiras mais autônomas e conscientes. Vide o Decreto Federal 7.397/2010. Ações como essa, contribui para que o cidadão entenda como deve lidar com o seu dinheiro, tome decisões mais inteligentes de investimentos ou financiamento, assim como saiba manter um comportamento de compra dentro do seu padrão de vida.

Declaração de Imposto de Renda

É fundamental que qualquer cidadão (mesmo os atuais isentos) tenha noções de como declarar o Imposto de Renda (ao menos uma declaração simplificada). Hoje no Brasil, as pessoas não têm a mínima noção de como isso funciona e no futuro próximo, quando começarão a receber um salário mais alto vão ter possivelmente dificuldades com o “Leão”.

Noções Práticas de Departamento Pessoal

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Na minha humilde opinião, é inconcebível um bacharel em ciências contábeis ou administração de empresas não saber calcular uma rescisão ou um salário líquido. Mesmo que atualmente existam software robusto que façam esses cálculos, entendo que nesses cursos de graduação isso deveria ser elementar. Principalmente, para os futuros empreendedores ou executivos.

Processo seletivo

Chegue cedo, pesquise sobre a empresa, não minta na entrevista, tenha uma rede de contatos, use o Linkedin (sem ser inconveniente), saiba elaborar um bom currículo (entre uma e duas páginas), não envie currículos para 1 milhão de empresas (foque), coloque o objetivo do cargo logo após as informações pessoais do seu currículo, cuidado com as roupas e o perfume, desenvolva a sua marca pessoal (sendo você). Eu até vi algumas dessas coisas na minha faculdade, mas nada tão elaborado como com o que eu aprendi com especialistas em artigos de revistas e sites especializados.

Direito do consumidor

Provavelmente os bacharéis em Direito tenham mais familiaridade com essa disciplina. Mas acredito que esse tema deveria está disponíveis para o cidadão entender os seus direitos e deveres como consumidores de serviços e produtos. Ou seja, entender que deve haver uma relação de equilíbrio e respeito entre ambas as partes.

O ambiente de trabalho é uma guerra

Não adianta. As pessoas são complexas e em sua maioria se sentem ameaçadas uma pela a outra. O que eu aprendi foi que eu devo sempre deixar o meu trabalho, através de resultados sólidos, aparecer primeiro. A inveja e a fofoca estão em alta no ambiente corporativo (infelizmente) e cabe ao profissional ter a capacidade de se comportar nesse ambiente sem perder o foco. Que é apresentar o seu melhor visando o seu crescimento.

Criatividade

Nas faculdades somos incentivados a aceitar as primeiras alternativas como resposta certa. Dificilmente somos incentivados a pensar em 5 ou mais opções para a solução do mesmo problema. Esse bloqueio no limita e diminui o nosso repertório de soluções que poderiam ser combinadas entre si para o desenvolvimento de uma nova solução inovadora e quem sabe rentável e escalável.

O gerente do seu banco pode ser bacana, mas...

Ele tem interesses e metas como qualquer outro profissional. Portanto, não comprem títulos de capitalização. Também não aceite a dica de investimento dele “às cegas”, busque informações adicionais com outros especialistas, provavelmente você vai achar uma opção melhor e com liquidez, como por exemplo em alguma corretora.

Tenha um plano B (e C, D .... Z)

O mercado de trabalho muda constantemente e você tem que ter a capacidade de se adaptar a essas mudanças. Portanto, não estranhe se no final da jornada, quando você receber o canudo e tirar a foto oficial da placa de formatura, a sua profissão não mais existir. Busque habilidades que os outros não tenha (se possível as que você gosta em ter). Abra o seu leque de opções. Crie um repertório. Tem a ver com ser generalista e especialista. Busque um equilíbrio entre estes.

Não delegue a sua carreira a empresa

A carreira é sua. Cada vez mais sua. A empresa te dar a oportunidade de você poder desenvolver a sua carreira nela. Mas é você que é o dono do processo (ou deveria ser). Tenha o seu plano de carreira. Decida onde quer trabalhar (independente das crises). Coloque no papel o que você quer desenvolver, atribua metas, prazos e custos (não só financeiros, mas também tempo e energia mental) para realização de cada etapa.

Não existe “terminar os estudos”

Na verdade, eu aprendi isso ainda fazendo faculdade. Entendi que eu nunca devo pensar que vou parar de estudar. Estudar no sentido mais amplo (não necessariamente na faculdade). Mas, sempre buscar curso complementares, palestras, livros, seguir especialistas no assunto que me identifico. Ou seja, quem pensa que quando se forma vai terminar os estudos está enganado. É preciso manter a pegada e ritmo. Pois, existem um milhão de pessoas melhores e mais capacitados que a gente, loucas por uma oportunidade para tirar a nossa vaga. Contudo, continue estudando para ser uma referência para você, sua família e a sua rede em um determinado tema ou vários. Eu penso que é gratificante poder ajudar as pessoas através do conhecimento adquirido. Compartilhar sempre.

Raridade x Importância

No mundo trabalho as pessoas recebem pela sua raridade e não pela sua importância. Isto é, se você não tiver diferenciais, seja médico ou professor (profissões importantes), ficará para trás. Pois, a capacidade de prestar um serviço que encanta o outro (e não apenas entregar de qualquer jeito) é raro, e a raridade normalmente é sempre mais bem remunerada e reconhecida.

Mesmo com a ausência parcial ou total de todas esses temas (e tantos outros), penso que a faculdade foi fundamental em minha vida, por abrir portas que eu não imaginava que conseguiria. Digo sempre que a faculdade foi algo que me credenciou para começar a competir no ambiente de trabalho tão disputado. E coube a mim, buscar vantagens competitivas para tentar me diferenciar dos demais, principalmente em cursos tão generalistas e com muita gente fazendo, como é o caso de Administração e Ciências Contábeis.

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.