O pequeno príncipe - Uma lição para toda vida

Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos

Eis um dos melhores livros já escritos e que emociona muitas pessoas até hoje. Não existe nenhuma pessoa que tenha lido e pelo menos, pensasse um pouco de como estava sua vida, esse livro provoca isso em tudo mundo.

O Pequeno Príncipe, nos deixa cheio de comoção, alegria, tristeza e acima nos dá uma oportunidade de mudar, de sermos pessoas melhores, mas cabe a nós desejarmos essa mudança. Para termos essa mudanças primeiramente têm que interpretar essa belíssima historia.

Quando iniciamos a leitura, nas primeiras paginas o autor já nos adianta que o livro é para pessoas adultas, no momento que ele pede desculpas a todas as crianças. Nesse momento, devemos ter a consciência de que, devemos o ler com uma atenção ainda maior, pois a mensagem que o autor desejar nos passar, é importante e essencial.

De inicio, vemos uma criança pedindo para desenhar simples figuras e ela fica feliz quando as vê. Claramente vemos que, devemos sempre cultivar a alegria de uma criança, que se encanta com tudo o que é simples. Nós quando, tornamos adultos, esquecemos-nos de tudo, pensamos que a felicidade está naquilo que é belo, atraente, que possui valor econômico. Mas estamos totalmente errados. O que de fato precisamos ter é cultivar, tudo aquilo que és simples, pois tudo o que é simples dinheiro não compra e durará para sempre.

Durante a leitura, percebemos que o Pequeno Príncipe, questiona muitas coisas, as atitudes das pessoas e como essas atitudes podem de certa forma auxiliarem-las ou em grande medida, atrapalhar a vida delas.

Ele conversando com o Rei que só mandava, não se importando com as pessoas e nem com as ordens que dava. Nesse ponto, devemos parar e pensar, como é nosso convívio com as pessoas, no ambiente de trabalho ou qualquer atividade, da qual estamos inseridos.

Será que estamos tendo a simplicidade, saber falar de um modo certo, sem parecer ser uma pessoa autoritária? Muitas vezes agimos com certo grau de autoridade, pelo simples fato, daquele “gostinho” de estar mandando em alguém.

E quando a pessoa chefia várias outras, agindo somente como chefe, mandado e mandado, só falando e principalmente não sabendo ouvir as pessoas que estão ao vosso lado.

Se a pessoa esta num cargo de chefia, primeiramente ela deve ser líder dos demais. Líder é totalmente diferente de chefe. Líder primeiramente escuta as pessoas, motiva seus liderados e delega funções e assim o convívio entre todos é melhor. Mas para ser líder devemos ser humildes, no sentido de saber, se colocar no lugar do outro e desse modo, seremos pessoas melhores. O livro nos ensina isso, mostrando que, sem humildade e simplicidade, não seremos nada e ninguém.

Em nossas ações quaisquer que sejam, devemos agir com humildade, devemos agir por agir, sem esperar aplausos. Muitas vezes tais aplausos, poderão aumentar nosso ego e assim, com o ego em alta, não seremos pessoas simples, pois onde há ego, não há simplicidade.

Quando estivermos trabalhando ou desenvolvendo alguma atividade, jamais devemos ter, como finalidade, somente o dinheiro, somente riqueza. Se estivermos atrás de riqueza, trabalharemos como “louco” e muitas vezes, não iremos alcançar a tão sonhado dinheiro em abundância e desse modo, ficaremos frustrados e só reclamaremos da vida.

O trabalho deve ser algo prazeroso, trabalhar naquilo que gostamos, nos empenhar por aquilo. Jamais devemos “ver” o trabalho como uma obrigação chata e sim, como algo que gostamos de fazer. Se encararmos o trabalho ou nossos afazeres dessa forma, seremos excelentes profissionais e assim, seremos prósperos e teremos sucesso na carreira.

Logo tendo tudo isso, podemos conseguir algum dinheiro na carreira, mas com certeza teremos sucesso. O sucesso e dinheiro não são sinônimos. Muitos acreditam que para ter sucesso é preciso ganhar muito dinheiro ou sem dinheiro, a pessoa não é bem sucedida.

Infelizmente essas pessoas, não sabem o que, de fato é ser alguém sucedido na carreira. Sucesso é quando você está feliz naquilo que está realizando, e que vier posteriormente desse sucesso, será consequência de sua felicidade, que lhe auxilia em tudo o que, estará realizando.

Mas nada disso adianta se não soubermos como conviver com as pessoas, como cativa-las, tornando-as únicas no mundo. No livro nos ensina algo perfeito, único e acima de tudo valioso, quando chegando à parte da rosa e do dialogo do Pequeno Príncipe com a Raposa.

A rosa é algo valiosa, porem é simples, pois qualquer pessoa poderá possuir. Mas o que difere é o modo de como iremos dar atenção a ela, proteger, demonstrar que ela é única para nós.

A rosa nada mais é do que, o ser humano. Somos pessoas, como quaisquer outras, temos qualidades e defeitos. Mas é difícil nos “possuir” ou nos “ter” de certo modo. Esse “ter”, consiste em, a pessoa estiver ao nosso lado, mas para termos isso deveu fazer algumas coisas, mas todas essas coisas são simples de serem feitas ou executadas, mas infelizmente nós, não compreendemos fazer o fácil e complicamos as coisas.

Uma dessas “coisas simples”, que nós complicamos é o fato de darmos atenção a pessoa, sem esperar que ela faça o mesmo para conosco. Devemos tomar a iniciativa de demonstrar carinho, amor, atenção para a pessoa, que gostamos, amamos.

Porém, nos dias atuais as pessoas não fazem nada disso, elas infelizmente esperar que o outro faça e daí, posteriormente elas irão fazem algum gesto de carinho, amor.

Vivemos num mundo egoísta, onde somente pensamos no “eu” e depois o “outro”. Logo num mundo desses, não há espaço para que possamos tornar alguém precioso, porque no egoísmo, só a pessoa que importa.

Para termos nossa preciosa rosa, tenhamos a consciência de que, devemos fazer um exame de consciência e ver se, estamos agindo como pessoas egoístas para com nosso próximo. Se estiver, ainda a tempo de mudar e assim, podemos conquistar alguém e esse alguém se tornará único.

Mas conquistar é algo extremamente difícil, pois para que isso ocorra, devemos Cativar esse alguém, e não sabemos o que é de fato, Cativar.

A passagem da raposa é algo único, pois nos mostra seres diferentes, raposa e pessoa, e ela nos ensinando que é importante. No inicio do dialogo, já temos uma clara lição de que, devemos jamais ter preconceito com as diferentes raças que existem no mundo. Como havia dito, um dialogo entre raposa e uma pessoa, ainda mais uma criança, veja a riqueza disso.

Muitas vezes julgamos as pessoas, por ser diferente de nós, por conta da cor da pele, crença religiosa, se mora numa certa localidade da nossa cidade. Nós temos o péssimo habito de julga as pessoas e assim, elas se afastam de nós, pois ninguém gosta de ser julgado. Nesse ponto, nós começamos errado, como poderemos tentar cativar se, já temos muitos preceitos.

Devemos nos libertar desse preceito, devemos enxergar a pessoa, como de fato ela é um ser semelhante a nós. Partindo disso, poderemos tentar cativar ela, pois cativar é um processo e já posso adiantar a vocês, esse processo não tem fim.

Após nos libertarmos desse preconceito, devemos ter atos para começar, uma aproximação para com a pessoa que estamos gostando. Como o raposo, disse, primeiro você ficará de longe, só me olhando e eu também. Depois de certo tempo começarei a ficar mais próximo de ti e depois iremos conversar.

Precisamos ter a mesma atitude que a raposa, ensinou o pequeno príncipe, devemos agir com calma. Em nenhum momento a raposa disse, para agir com pressa, pois ela sabe que, fazer algo apressada de nada adianta.

Nos dias de hoje, infelizmente são poucos as pessoas, que não agem com pressa. Todos estão numa agitação sem fim, numa “correria”, sem se preocupar com as outras. Muitos acham de devemos terem atos com a mesmo velocidade da internet, mas isso é um erro grave.

Se pararmos para analisar essa situação, como podemos dar atenção a alguém se ficamos nessa agitação? Se ficarmos agindo assim, seremos egoístas.

Um dos exemplos, que muitas vezes não damos atenção a alguém, quando ficamos tempo demais nas redes sociais. As pessoas acham que a “vida” é estar sempre conectado. E daí, como alguém que vive no celular, deverá demonstrar atenção, carinho, amor a outrem?

Se analisarmos novamente esse fato, vejamos: se estivermos num barzinho ou num restaurante com a pessoa que gostamos, é impossível não mexermos no celular, uma vez se quer durante, ainda mais, se chegar alguma notificação de mensagem para ti ou ate mesmo pela pura e simples curiosidade e mania de, estar sempre conectada, a rede social.

Isso também, podemos analisar quando estamos numa roda de amigos, num barzinho, é inevitável, se um, dos que estiverem na mesa pega o celular, o restante também pegará, parece efeito dominó.

Mas nessas situações, devemos parar e pensar, qual é nosso foco hein? Se estivermos com alguém, num determinado lugar, a atenção é totalmente para ela, ou se estivermos com amigos, à atenção deverá ser para todos, uns para com os outros.

Lamentavelmente falhamos nesse ponto, ficamos presos de certa forma, em coisas que nos distraem e assim, perdemos algo que poderíamos fazer para a com a pessoa que gostamos, ou seja, perdemos a oportunidade e muitas vezes, não teremos outra.

A raposa diz que, se a cativar, ela escutará seu barulho “seu pisar” no meio de uma multidão, a pessoa será única para ela.

Agora vejamos como poderemos nos tornar único para alguém, se não damos atenção para essa pessoa? A atenção, conversar com esse alguém é o primeiro passo para cativar e depois assim, demonstrar os reais sentimentos que temos.

Tristemente, fazemos isso e depois cobramos atenção de alguém, brigamos quando alguém não nos responde uma mensagem ou ate mesmo se ficamos tempo demais no celular e mal falamos com os outros. Ficamos tão bravos, se os outros fazem isso conosco, mas esquecemos de que fazemos isso com eles também. Ai vem uma indagação: quando eu faço com outros é normal, mas se fazem comigo, ai não pode e posso ficar bravo.

Se não damos atenção para alguém, não temos o direito de cobrar isso. Somente podemos cobrar aquilo que fazemos, em primeiro lugar. Como havia dito no inicio desse texto, fazer as coisas, sem esperar que o outro faça.

Mas não pensamos desse modo, esquecemos-nos de pensar no outro e pensamos somente nas nossas vontades, desejos e o que importa para nos, sem a menor consideração para com o próximo. Novamente o “ego” toma conta de nos.

Necessitamos nos libertar de tudo que alimentar nosso ego, para que assim possamos ser felizes, ou seja, cativar alguém.

Não estou dizendo aqui que, não devemos mais usar as redes sociais, mas sim ter a consciência de como e onde usa-las. As redes sociais são importantes sim para nosso cotidiano, mas devemos ter a prudência em usar, pois tudo em excesso atrapalha nossa vida.

Se adquirirmos essa consciência, podemos cativar alguém e essa alguém será único no mundo. Poderemos ser felizes do modo certo, na simplicidade, pois é na simplicidade que mora a felicidade.

Mas infelizmente há algo que o livro também nos ensina, sobre a morte, a partida, a dor da partida.

No momento que o pequeno príncipe diz que irá partir e nada poderá evitar isso, o aviador se sentiu só, pois não iria mais encontrar com aquela pessoa que lhe cativou, na sua simplicidade e o fez feliz. Como perder alguém que nos feliz? Essa é a pergunta que todos têm medo da resposta.

Na vida temos somente uma verdade, que iremos morrer um dia, mas não sabemos qual é esse dia, não é mesmo?!

Logo devemos viver a vida, com toda a sua intensidade, mas devemos saber o que essa intensidade.

Hoje muitas pessoas vivem a vida, de um modo ao extremo, ir às festas, beber muito, “ficar” com várias pessoas. Mas tudo isso, é realmente viver a vida? Ou é mais um modo de realizar seus desejos e nada mais?

A vida deve ser vivendo na sua simplicidade, aproveitar todos os momentos, eternizar momento. Não estou dizendo, que não devemos ir a festas, mas devemos saber, que festas ir e como se portar nelas, ou seja, nossas atitudes.

São nossas atitudes que nos determinam, se queremos cativar alguém, viver a vida, nossas atitudes, deve demonstrar isso, senão nada adiantará.

Se nossas atitudes não demonstrarem isso e no futuro quando, gostarmos de alguém verdadeiramente e por ocasião do destino, esse alguém partir, ficaremos com remorso, com aquele pensamento: deveria ter feito isso ou aquilo para ela ou ele.

A pessoa teve a oportunidade de demonstrar amor, carinho, atenção, ou seja, cativar, mas não o fez. Somente pensou nela. E para ela, infelizmente, restara só remorso.

Mas para a pessoa que, desejou cativar alguém e o fez, essa será feliz. Mesmo se a outra partir restará à lembrança dos momentos felizes juntos e nada irá apagar isso.

Essa foi à lição que o livro deixou, momentos felizes serão eternizados. Sempre se lembrará da risada e dos cabelos do pequeno príncipe, pois foram cativados por ele.

Devemos cativar as pessoas, esse é nosso propósito na vida, saber que gestos simples podem proporcionar felicidade a alguém. A felicidade não precisa de grandes coisas, de coisas valiosas. Ela é feita na singeleza e nenhum dinheiro do mundo compra isso.

Cative alguém, mostre a ela que és única no mundo, torne-a tua rosa. E lembre cativar é algo diário, todos os dias deveremos, dar atenção, carinho e demonstrar amor a alguém.

“Amar não é olhar um para o outro, é olhar juntos na mesma direção.”

Antoine de Saint-Exupéry

Antoine nos deixou uma obra prima, que cativou muitas gerações, com sua simplicidade nas palavras nos ensinou e muito e devemos sim aplicar tudo isso na nossa vida e assim sermos pessoas melhores e capazes de cativar alguém.

Tenho certeza que essa obra ainda cativará muitas e muitas gerações, pois algo que é feito na simplicidade, cativa as pessoas, demonstra amor e se eternizará.

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento