O Estudo a Distância com Apoio da Internet

RESUMO A preocupação da sociedade com a qualidade do ensino, o crescimento da demanda por formação continuada e a constante evolução das tecnologias da informação e da comunicação, colocam o Ensino a Distância no centro das atenções. O aperfeiçoamento das metodologia de aplicação e avaliação desta modalidade de ensino tem sido o foco de vários pesquisadores. Este trabalho tem por objetivo definir os conceitos básicos da Metodologia de Estudo a Distância com o Apoio da Internet. Palavras Chave: Metodologia de Estudo e EAD com apoio da Internet. 1- INTRODUÇÃO Uma visão parcial sobre a tecnologia nos leva a pensar somente nos seus aspectos tangíveis (instrumentos) e tendemos a considerar perigosos aqueles instrumentos que desconhecemos. No entanto, atualmente tem crescido o uso de tecnologia na educação, o que tem permitido a otimização dos recurso disponíveis, possibilitando multiplicar o acesso ao conhecimento. Porém, segundo Litwin (1997), é de suma importância, na hora de pensar em inovações, reconhecer a necessidade de criá-las nos contextos educacionais específicos a fim de que sua implantação seja significativa. A tecnologia posta à disposição dos estudantes tem por objetivo desenvolver as possibilidades individuais, tanto cognitivas como estéticas, através de múltiplas utilizações que o docente pode realizar nos espaços de interação grupal. (Litwin, 1997:10) Associada à proposta de mudança, surgem resistências em função da insegurança e medo do desconhecido. O novo representa uma ameaça à ordem instituída, ao que já está acomodado, ao status quo. Assim, é considerado um intruso que vem desorganizar/desconstruir a harmonia do sistema já conhecido e com isso abalam uma certa tranqüilidade existente. Essa tranqüilidade abalada pelas possibilidades de mudanças, não se relaciona apenas ao desconforto provocado ou ao trabalho que significa rearranjar toda a superestrutura vigente, a fim de acolhê-las. Mas também à exigência de reestruturar a "nossa" organização interna para absorvê-las. No entanto, segundo Rosa, 1994: "A originalidade do homem está no seu poder de sonhar... e porque é racional, mas também é sensível, é que o homem percebe, na relação direta de seus desejos, as insuficiências do mundo em que vive. Sua insatisfação não é, assim, um vício, mas a virtude que o faz ser construtor de projetos". Segundo Lewis Platt, presidente da Hewlett-Packard em 1997, empresa considerada campeã em inovação permanente: Nesta época de mudanças intermináveis, a regra de ouro é sempre molhar os pés, porque só se aprende fazendo... Acredito que hoje a causa principal do fracasso seja a incapacidade de assimilar mudanças... A boa notícia é que a mudança sempre traz oportunidades. Sempre há muitas oportunidades para compensar as ameaças... Geralmente o tipo de pessoa que contratamos prospera com mudanças, procura mudanças. Tentamos sempre escolher gente assim". (Platt,1997) A Educação a Distância (EAD) é um processo educativo sistemático e organizado que exige não somente a dupla via de comunicação mas também a instauração de um processo continuado, onde os meios devem estar presentes na estratégia de comunicação. Assim, a escolha do meio deve satisfazer o público alvo, nesse caso profissionais graduados, e deve ser eficaz na transmissão, recepção, transformação e criação do processo educativo. O EAD tem uma característica própria que pressupõe uma grande ênfase no auto-aprendizado. O aprendiz deve ser incentivado a estudar e pesquisar de modo independente e o aprendizado colaborativo, dinamizando a comunicação e a troca de informação entre os alunos, deve ser intensificado de modo a consolidar a aprendizagem através de atividades individuais ou em grupo. Essas atividades em grupos virtuais podem ser feitas em espaços de reuniões on-line (chats) ou off-line (e-mail), disponíveis no ambiente virtual de aprendizagem. 2 - A ABORDAGEM TEÓRICA CONSTRUTIVISTA Pensar, não se reduz, acreditamos, em falar, classificar em categorias, nem mesmo abstrair. Pensar é agir sobre o objeto e transforma-lo. Piaget Construtivismo é uma "concepção teórica que parte do princípio de que o desenvolvimento da inteligência é determinado pelas ações mútuas entre o indivíduo e o meio. A idéia central é a de que o homem não nasce inteligente, mas também não é passivo sob a influência do meio. Ao contrário, responde aos estímulos externos, agindo sobre eles para construir e organizar seu próprio conhecimento, de forma cada vez mais elaborada", (LOPES, 1996). O construtivismo procura demonstrar o papel central do sujeito na produção do saber. Não apresenta uma metodologia ou sugestões de técnicas de como ensinar, sua preocupação científica é com a aprendizagem/como o indivíduo aprende. A aprendizagem começa com uma dificuldade/problema e com a necessidade de resolvê-la. Ao perceber essas dificuldades, o próprio sujeito desencadeia um movimento de busca de novas soluções no mundo externo. Entram em ação uma série de operações mentais visando voltar ao estado de equilíbrio (conhecimento). Dentro da concepção construtivista é essencial que os alunos desenvolvam a flexibilidade operatória de seus esquemas mentais e não um repertório de respostas aprendidas. Dessa forma, rui toda a Pedagogia da exercitação e do cultivo das faculdades mentais através de repetições e fixação de soluções. O aprendiz passa de uma situação de receptor passivo e, numa nova postura de busca participativa e reflexiva, constrói seu conhecimento a partir do contato, da interação com os mais variados objetos e possibilidades de novos conhecimentos. 0 aprendiz, numa proposta de EAD, interage com o assunto focalizado observando, analisando, levantando hipóteses, aplicando estratégias, que poderão confirmar ou não as hipóteses levantadas. Assim, partindo do encadeamento de idéias e das inferências realizadas, maior será a capacidade do aprendiz em comparar, contrastar, verificar e concluir. Dessa forma a aprendizagem é repensada. O aprendiz deixa de ser aquele a quem se ensina e passa a ser um sujeito que aprende a aprender. No entanto, assumir essa nova proposta requer preparação, estudo e disposição para mudar paradigmas. 3 CIRCUNSTÂNCIA DA APRENDIZAGEM 3.1 - Perfil do aluno O aprendiz que optar por se atualizar através de um programa de EAD deverá estar pronto para mudar paradigmas. Mesmo em cursos que oferecem sistema de tutoria ele necessitará de uma nova postura, diferente daquela adotada na maioria dos cursos ministrados em sala de aula tradicional. Estará diante de uma nova possibilidade de aprendizagem, onde será o ator principal, e isso exige o desenvolvimento de atitudes imprescindíveis ao seu sucesso, como adquirir hábitos de estudo sistemáticos e eficientes através da utilização de métodos e técnicas adequadas. É preciso estar consciente da necessidade de se utilizar uma metodologia de trabalho especialmente voltada para o ensino individualizado e fundamentada em técnicas de estudo. Essa atitude ajudará a desenvolver estudos com mais racionalidade, sistematização e aproveitamento. Em programas de EAD onde o seu processo de aprendizagem ocorre, na maioria das vezes, de maneira solitária esta postura torna-se mais do que recomendável, é imprescindível no seu processo de construção de conhecimento. De acordo com Matos (1994) estudar é ir à procura da verdade. Trata-se de um processo dinâmico de saber, buscar, saber de novo e recomeçar para buscar ainda mais. A meta é chegar a aprender, a ver com os próprios olhos, a expressar-se com as próprias palavras..... As características comportamentais necessárias ao desenvolvimento do aprendiz são: estar motivado para aprender; ter constância, perseverança e responsabilidade; ter hábito de planejamento; ter visão de futuro; ser pró - ativo; e ser comprometido e auto-disciplinado. 3.2- Recursos tecnológicos Uma visão parcial sobre a tecnologia nos leva a pensar somente nos seus aspectos tangíveis (instrumentos) e tendemos a considerar perigosos aqueles instrumentos que desconhecemos. No entanto, atualmente tem crescido o uso de tecnologia na educação, o que tem permitido a otimização dos recursos disponíveis, possibilitando multiplicar o acesso ao conhecimento. Porém, segundo Litwin (1997), é de suma importância, na hora de pensar em inovações, reconhecer a necessidade de criá-las nos contextos educacionais específicos a fim de que sua implantação seja significativa. A tecnologia posta à disposição dos estudantes tem por objetivo desenvolver as possibilidades individuais, tanto cognitivas como estéticas, através de múltiplas utilizações que o docente pode realizar nos espaços de interação grupal (Litwin, 1997:10) A tecnologia da informação como elemento facilitador da aprendizagem, oferece uma amplitude de recursos com exigência de amigabilidade, performance, integridade e segurança. O ambiente de estudo do aprendiz quer seja no trabalho ou em casa, requer os atributos de disponibilidade de máquina com acesso seguro e contínuo a redes de comunicação, atualização técnica permanente, softwares de comunicação e interação configurados e suporte técnico de manutenção. A utilização de tais recursos exige do aprendiz noções básicas de informática das ferramentas cognitivas (Struchiner,1999) tais como: hipertexto/mídia; aplicativos em geral ( banco de dados, planilhas, etc...) e simulações; e navegação em ambientes virtuais. 3.3- Suporte ao aluno No EAD o professor assume um novo papel, surge a função do tutor, que apoiado em diferentes ferramentas pedagógicas irá propiciar a interação do aprendiz com os diversos objetos de estudo/conhecimento, colocando-o como sujeito participativo da sua aprendizagem. Segundo Struchiner (1999) o tutor nesta nova modalidade aparece como uma figura desvinculada do modelo tradicional e que no modo de pensar sob o âmbito do construtivismo, tenha um novo perfil seria um potencializador, que no processo do E.A.D. atuaria como mediador, utilizando todos os espaços como forma de objetivar a participação coletiva, a independência, possibilitando a plena ação dos sujeitos no processo ensino-aprendizagem. O EAD, utilizando-se dos variados recursos pedagógicos e tecnológicos e de todo o apelo motivador intrínseco à mídia eletrônica, possibilita uma interação dinâmica que pode tornar-se bastante produtiva se corretamente direcionada. Assim, o tutor deve atuar junto ao aprendiz como facilitador, incentivador dessa constante interação com os diversos objetos de conhecimento, numa atitude de co-autor nesse processo de construção/produção do conhecimento. 4 - INTERATIVIDADE DO ESTUDO A interação professor-aprendiz na EAD se faz intermediada por um meio, recurso ou material estrategicamente elaborado, que estimule a auto-aprendizagem no aprendiz, suprindo a ausência física dos participantes do curso. A metodologia utilizada deve permitir a comunicação ativa entre todos os participantes do ambiente, fazendo com que toda a informação necessária ao desenvolvimento e aquisição do conhecimento seja acessível a todos. Além disso, é indispensável que esse ambiente virtual permita a realização de questionamentos coordenados pelos tutores (professores) que gerem discussões permitindo a comunicação a qualquer hora entre alunos e professores. Em um ambiente virtual de aprendizagem (AVA), os alunos costumam participar do aprendizado de um modo mais ativo pois é decisivo que haja uma atuação pessoal para obter informações dos outros alunos participantes, recuperar material de apoio na rede, estudar um assunto e discuti-lo com os colegas, tirar dúvidas com os professores, fazer trabalho em conjunto ou mesmo expor o próprio conhecimento ou obter o dos outros (Barros,1994 e Lander, 1997). Os métodos de EAD devem buscar reduzir a distância interpessoal promovendo a interação entre professor-aprendiz e aluno-aluno, garantindo a aprendizagem e a transferência de mensagens. A Internet é um espaço de troca e produção coletiva de conhecimento e informação que propicia uma maior interação entre os professores e alunos. Essa interação se dá através de um Site WWW disponível para todos os indivíduos envolvidos no curso. Nesse Site devem estar disponíveis as ferramentas necessárias para o aprendiz se comunicar com os professores e com os outros alunos; questionar e discutir temas relacionados ao curso; enviar sua produção ao professor; acessar biblioteca virtual e outras informações importantes ao curso. O e-mail, chats e fóruns de discussões são outras ferramentas importantes que devem estar disponibilizadas afim de promover discussões entre todos os indivíduos do curso. A interatividade é uma função absolutamente crítica do processo de aprendizagem em EAD e um fator importante a ser considerado, pois trata-se não só da interatividade entre tutor-aluno, aluno e material didático de apoio, alunos entre si ou alunos e instituição de ensino, mas sim da cultura grupal no que se refere às dificuldades individuais de cada um. A interação constante reforça significativamente a aquisição de conhecimentos, na medida que o aprendiz é também estimulado pelas interações sociais. 5- MATERIAL DIDÁTICO O Material Didático deve ser uma ferramenta básica de aprendizagem e como princípio ser necessariamente auto-explicativo - permitindo a auto-aprendizagem, motivador - incentivando e estimulando ao estudo e variado - sendo adequado aos vários estilos de aprendizagem. Deve o material didático ter como características, interatividade - permitindo ao aprendiz um papel ativo e proporcionando-lhe uma construção do seu aprendizado em nível de sensibilização diferenciado, praticidade - possibilitando-lhe encontrar as informações para entender qualquer ponto que porventura não tenha compreendido, autonomia - que permite que o aprendiz navegue livremente pelo material proposto implicando numa estruturação própria do seu conhecimento, consistência - sendo coerente com o plano proposto para o curso e com as metas propostas. Podemos ter vários tipos de mídias e recursos como parte do material didático, que devem ser utilizados de acordo com o contexto de cada curso. Deve-se observar as necessidades do curso e a possibilidade de utilização de diferentes recursos e mídias, tendo em mente que as atividades devem estar contextualizadas de tal maneira que o aprendiz tenha uma visão geral do conteúdo a ser adquirido. As mídias utilizadas num curso em EAD podem ser do tipo: Texto impresso, livros, revistas e texto virtual trazem a informação de maneira clara, interessante, seqüencial e no formato adequado ao meio de divulgação. Ilustração (figuras) enfatiza, exemplifica e reduz a quantidade de texto. Animação dinamiza, simula, exemplifica, motiva e reduz o texto. Áudio capta a atenção contextualiza e reforça a integração. Vídeo permite uma melhor observação da realidade, ajuda a compreensão, motiva o estudo e reduz o texto. Software permite uma interatividade, tem acesso aleatório, integra e é criativo (ex: CD-ROM) Hipermídia instiga a pesquisa permitindo o acesso aleatório a outros sites e outras mídias. Os recursos metodológicos, segundo Sangrá 2000 podem ser classificados em 6 grupos: (1) Aplicações de aprendizagem (Ex.: estudo de casos, jogos e simulações). (2) Grupos de discussão (Ex.: Chats, fóruns). (3) Perguntas abertas (Ex.: Questionários). (4) Perguntas fechadas (Ex.: Provas com múltipla escolha, ordenação). (5) Apresentação de informação (Ex.: Exemplo, leituras, gráficos). (6) Síntese (Ex.: Glossários, resumos). 6 - CONSTRUÇÃO DO PLANO DE ESTUDOS: O Plano de Estudos deve ser uma ferramenta utilizada tanto pelo professor como pelo aprendiz. Para o professor, o Plano de Estudos é o planejamento da ação formativa.Para o aprendiz, o Plano de Estudos deve ser uma ferramenta que lhe permita conhecer todo o conteúdo do programa, para que ele possa organizar os estudos e dividir o tempo que deve gastar em cada etapa. A qualidade do Plano de Estudos é um fator fundamental para a qualidade do ensino. Um plano de Estudos de qualidade deve conter uma definição precisa do produto educativo que se pretende chegar e conter os elementos fundamentais que orientem o processo educativo requerido. As características dos estudantes enquanto agentes da aprendizagem devem ser consideradas, necessariamente, como dados de partida na elaboração do Plano de Estudos. (Tirados e Isquierdo, 1994). O Plano de Estudos é o plano de trabalho que o aprendiz deve ter como ferramenta integradora de sua ação formativa. 6.1 Elementos Básicos do Plano de Estudo Um Plano de Estudos deve compreender alguns elementos básicos tais como: as metas que o aprendiz deve atingir; o tempo de dedicação médio; os conteúdos; exemplos; atividades; quais os materiais que serão usados (textos, imagens,vídeo, hipermídia); os critérios de avaliação; sugestões para o estudo; A partir da análise do objeto de estudo, deve-se escolher quais os elementos que farão parte do Plano de Estudos, ou seja, que materiais serão utilizados. O autor teve em mente, ao elaborar o Plano de Estudos, a carga de trabalho que está propondo em cada etapa. 6.2 - Fatores condicionantes São os seguintes os fatores condicionantes do bom rendimento do estudo: programar atividades de estudo e a divisão adequada do tempo; organizar um ambiente favorável (iluminado, silencioso e arejado, mesa organizada, dicionário e material de pesquisa à mão etc...); estabelecer intervalos para descanso a cada 50 minutos de estudo; planejar seu tempo - segundo Galiano (1986) essa é a forma correta para ganhar tempo para o estudo: programar a utilização de períodos vazios em suas atividades; substituir o horário de uma ou mais atividades não-essenciais para obter tempo de estudo; reservar um período para estudar todos os dias; fazer uma programação semanal incluindo um horário para trabalhos a serem realizados a longo prazo; avaliar o plano semanal, fazendo as alterações necessárias. Para Severino (1994) o ensino superior exige autonomia no processo de aprendizagem e postura de auto-atividade didática rigorosa, crítica e criativa.projeto de trabalho intelectual individualizado, apoiado em material didático e científico que se constitui, basicamente, na bibliografia especializada. 7- CONCLUSÕES O método de estudo em EAD permite diferentes abordagens metodológicas e diversos enfoques, suscitando no aprendiz um desenvolvimento criativo, flexível a sua realidade, facilitando o seu crescimento pessoal diferenciado por regiões e classes sociais. A natureza multidisciplinar da EAD tem levado profissionais de diversas áreas a se envolverem com este método de ensino, por vezes sem metodologias especificadas. Essa questão merece uma maior reflexão com definição de critérios, objetivos e enfoques, de modo que os produtos desenvolvidos atinjam nível de qualidade alcançando os reais objetivos do processo educacional. 8 - REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BASTOS, C. - Aprendendo a Aprender. Introdução a Metodologia científica, Petrópolis, Vozes, 1995. COELHO, M. L. M. - Vanguardas Pedagógicas, Rio Grande do Sul: GEEMPA, 1993. DELVAL, J. Crescer e pensar - A construção do conhecimento na Escola, São Paulo: Artes Médicas, 1992 DRUCKER, P. - E-DUCAÇÃO Exame, 690/ 14/jun/00. IZQUIERDO,F. e TIRADOS,R.M. - La Calidade de la enseñanza superior y otros temas universitarios, Universidade Politecnica de Madrid, 1994. LITWIN, EDITH Tecnologia Educacional: Política, Histórias e Propostas, Porto Alegre, Artes Médicas, 1997. LOPES, J. - Piaget. A lógica da criança como base do ensino, Nova Escola, São Paulo, Abril editora, agosto, 1996. MATOS, H. - Aprenda a estudar: Orientações metodológicas para o estudo, Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. PLATT, L. - Aprendendo a assimilar mudanças, HSM Management 2, mai./jun. 1997. ROSA, S.- Construtivismo e Mudança, São Paulo: Cortez Editora, 1994. SALOMON, D. V. - Como fazer uma monografia, São Paulo: Martins Fontes, 1994. SANGRÁ, A. - EAD - Universitat Oberta de Catalunya (UOC), 2000. STRUCHINER, M. - Elementos Fundamentais para o Desenvolvimento de Ambientes Construtivistas de Aprendizagem à Distância, Tecnologia Educacional V.26 (142) - 1998. VYGOTSKY, L. S. - A Formação Social da Mente, São Paulo: Martins Fontes, 1988.
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.