Café com ADM
#

O desenvolvimento chinês

Muito tem-se falado do verdadeiro espetáculo do crescimento que a economia chinesa tem vivenciado. Em percentual do PIB foram 9,1% em 2004, cerca de 9,0% em 2005 e previsão de 8,2% em 2006. Porém, com PIB per capita de apenas US$ 1462 o do Brasil está em torno de 3,3 mil dolares - o que, numa população de aproximadamente 1,3 bilhões de habitantes não é nada mal. Esse mercado fantástico tem aumentado significativamente suas trocas comerciais com o Brasil. Em 2005 foram exportadas mercadorias no valor de US$ 6,834 bilhões (aumento de 25,6% em relação a 2004) e importadas de lá US$ 5,353 bilhões (aumento de 44,3% em relação a 2004), obtendo um superávit de US$ 1,480 bilhão, o menor dos últimos três anos. Vendemos aos chineses soja e minério de ferro, em torno de 43% das exportações e compramos produtos tecnológicos para eletro-eletrônicos e telecomunicações. Mas qual a importância de atentar-se a estes números ? Bem, isso é realmente preocupante. A competitividade chinesa está sendo construída com a gradativa substituição de suas importações, fórmula já adotada pelos famosos tigres asiáticos, principalmente pela Coréia. Mas, além disso, as empresas chinesas capitaneadas pelo Governo, estão investindo como nunca em pesquisa e desenvolvimento incrementando tecnologicamente o país ao mesmo tempo que tem à disposição aquilo que Marx chamava de exército industrial de reserva quase inesgotável, e, por isso, podem praticar salários a níveis muito baixos, o que resulta em baixos custos. Em um dos meus cursos sobre empreendedorismo discuti com alunos a possibilidade de criar gabinetes de computador na forma de personagens de desenho animado, destinado ao público infantil. Montamos um plano de negócios completo e liguei para o diretor de uma empresa do setor. A resposta dele. Idéia excelente, mas inviável, pois o custo de implantação do projeto aqui seria em torno um milhão de reais, o que eu posso bancar, mas isso já está disponível no mercado pelos chineses, então posso apenas importar deles e colocar minha marca. Fazer maquiagem, sabe ? Procure saber mais sobre a China e seus produtos. Verifique realmente o impacto que esta ameaça/oportunidade poderá trazer para seu negócio. Eles não devem estar muito preocupados com sua empresa, mas você deve preocupar-se muito com eles. Claudio Marlus Skora é administrador, economista e mestre em Administração de Empresas. Entre em contato com suas colaborações, críticas e dúvidas: claudio_skora@hotmail.com Publicado originalmente na coluna Gestão Empresarial do Jornal Hora H de Curiitba, página 16.
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.