Desemprego: como substituir sentimentos de impotência por ações concretas de mudança?

Podemos fazer algo a mais quanto ao nosso desemprego?

Aqui na minha cidade (Jundiaí), estão rolando algumas notícias que particularmente me preocupa. O índice de tentativas de suicídio subiu drasticamente nas últimas semanas. Bem resumidamente, o suicídio é a tentativa de por fim a um problema que você não sabe mais como resolver, uma dor que você não vê solução. Na tentativa de ver essa dor terminar, a pessoa tira sua própria vida. Claro, existem muitos problemas que afetam a nossa vida e que podem ser o motivo, cada um tem um motivo em particular, mas problemas financeiros, como perda de patrimônio, endividamento e desemprego são situações críticas que podem levar o ser humano a se ver sem saída.

As contas chegando, os credores ligando sem parar, a família cobrando uma posição. O banco e todos os seus credores não querem saber o motivo do seu atraso no pagamento: eles querem receber. Essa notícia me tocou muito. Não podemos ficar de braços cruzados diante do sofrimento das pessoas e pensar que ‘não tenho nada a ver com isso’. Não resolveremos o problema de todos, mas podemos dar nossa contribuição.

Se você está desempregado há tempo suficiente para que a sua conta já esteja no vermelho e seu sono desaparecido, seguem algumas dicas que podem te ajudar na sua vida financeira:

  • Pare agora de gastar. Trave todas os gastos. Nem o cafezinho fora de casa vale mais.
  • Analise seus bens e pense em vender algo.Normalmente, vende-se o carro pois mesmo fazendo muita falta no dia a dia, é um bem relativamente fácil de vender e que, assim que as coisas começarem a melhorar, você compra pode comprar outro.

  • Reflita sobre seus relacionamentos e veja se tem alguém com quem você pode abrir essa situação e pedir ajuda. Não abra sua vida para todos, mas sim para quem pode realmente te ajudar. Que seja uma pessoa que, mesmo que ela não tenha como te ajudar financeiramente, ela poderá te ajudar te ouvindo e pensando contigo numa saída.
  • Negocie com cada credor. Explique sua situação, tente tirar o máximo de juros que conseguir, faça contra-propostas, mas não demore a acertar isso, principalmente se sua dívida por em banco, pois a cada dia o juros sobre astronomicamente.
  • Depois que conseguir quitar suas dívidas, reveja seus gastos. Avalie todas as extravagancias que fazia, reveja gastos bobos e que não tem nenhum retorno, a não ser o prazer momentâneo. Viva conforme sua renda lhe permite. Ah, sua renda é pouca para todos seus prazeres? Estude mais, se aperfeiçoe, saia da zona de conforto e procure um emprego que lhe pague mais.

Se você está desempregado, em paralelo você deve estar procurando emprego, certo? Vão aqui dicas simples e objetivas para você atingir seu alvo sem se perder no meio do caminho. Em tempos de crise, sai ganhando quem está mais bem preparado e que não perde tempo com assuntos supérfulos:

  • Faça um bom currículo.
  • Atualize seu LinkedIn e o use a seu favor.
  • Procure sites de empresas que você gostaria de trabalhar, que sejam o seu ramo de atividade. Acesse o “Trabalho Conosco” no site da própria empresa e se cadastre.
  • Se cadastre em sites de empregos que tenham grande visibilidade. Comece pelos gratuitos, como vagas.com.br ou www.curriculum.com.br . Depois, vá para os pagos, como www.catho.com.br (Está em dúvida se deve pagar ou não? Se cadastre em sites de consultorias e agência de empregos. Cada cidade tem as suas principais, faça uma busca no Google. Levar o cv pessoalmente não é muito eficaz, hoje em dia os cadastros online são a base de dados de praticamente todas as consultorias e agências.

E lembre-se: toda situação é passageira, toda crise passa. A sua obrigação é se esforçar para ser cada dia melhor, para acertar suas dívidas e procurar um novo emprego. E sua obrigação, pensando nas pessoas que te ama, é se manter firme e com fé. Nunca pense que seu problema é maior que sua vida, que vale a pena você desistir. Pense que logo as coisas passam. E você vai olhar para trás e ver como você cresceu com tudo isso.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento