Motivo versus Motivação: a geração confusa

Ainda se fala muito em motivo vs motivação e quais são os motivos reais nos quais as pessoas ainda não persistem no que querem. Você sabe qual é a diferença entre motivo e motivação?

A falta de motivo da nossa geração tem me assustado: na verdade, temos aparentemente muitos "motivos" para continuar, mas que na verdade são motivações passageiras. Isso acontece porque a disciplina é resultado do motivo e não da motivação e o que reside por trás é o que chamamos de "propósito". Veja, a motivação por si só é um terreno instável, uma vez que leva em conta todos os nossos fatores emocionais e psicológicos internos/externos. Depende, portanto, do processo da longa busca e uma árdua insistência que geralmente cai por terra. Já o motivo é focado essencialmente no resultado final e com uma carga altamente principiológica. Logo, independente da sua motivação, haverá motivos para continuar independente da situação em que se encontre.

Atualmente, há o esteriótipo: vivemos em um cenário que diz que se temos um chefe, somos subordinados e por conta disso, somos automaticamente “escravos” do sistema. Em contrapartida, se não temos um chefe, somos profissionais visionários que prospectam um futuro empreendedor e com uma visão arriscada, talvez idealista. A verdade é: o que me faz feliz? o que não me faz? Entendi recentemente que há um método para entender se estou no caminho certo ou não, baseado em duas simples perguntas:

– Por que isso me faz continuar? Qual o real motivo de eu ficar?
– Por que isso me faria desistir? Qual seria o real motivo para eu desistir?

Eu, por exemplo, precisei ponderar algumas coisas em minha vida, momentos decisivos nos quais precisei entender se o que eu queria estava de acordo com o que eu desejava pra mim, e percebi que eu estava bem enganada a respeito dos motivos e motivações: muitas coisas me fariam desistir rápido, e então vi que até tinha algumas motivações, mas com o meu desejo real eu independente disso teria reais motivos pra chegar aonde quero chegar e isso, muda tudo.

A vida também é feita de motivações, mas o que realmente me faz ficar ou ir embora são os propósitos que são os resultados dos motivos, independente (ou deveria independer) das motivações.
É como a academia: tenho várias motivações, como estética, um corpo melhor, mas o verdadeiro motivo é para ganhar saúde e em como me sinto no momento que termino o meu treino - missão cumprida. É esse o motivo que me faz ir todos os dias, independente das condições que estou e das motivações frívolas e passageiras.

Logo, o que mais importa é se o seu objetivo se sustenta ao longo do tempo e se aquilo começa a se tornar inegociável, mesmo em um mundo com tantas opções. As motivações são mais condicionais e impulsivas, os motivos, são os reais propósitos que turbinam a vida com o senso constante.

ExibirMinimizar
Digital