MEDO DE EMPREENDER

Muitos medos nascem da solidão e do cansaçoMax Erhmann, Filósofo Americano O medo é tão antigo quanto o próprio homem. Desde que Deus criou o mundo e criou, também, o homem o medo existe. É fato que o medo garantiu a sobrevivência da espécie humana trazendo-o ao topo da cadeia alimentar e vem protegendo a espécie humana desde seus ancestrais mais remotos. Acontece que nos primórdios da existência humana o medo impulsionava o homem a agir. Como o animal que, acuado, deixa que seu medo vire sua melhor arma e ataca para defender-se do agressor. O medo nos animais e o homem se enquadra nesta categoria produz um hormônio chamado adrenalina que atua no sistema nervoso simpático e estimula no homem uma poderosa reação de luta ou fuga. Com a evolução do homem, o medo foi transformando-se em algo perigoso para o próprio homem, pois muitos povos se deixaram dominar pelo medo. Deixavam de lutar e passavam a fugir. Homens astutos perceberam que ao amedrontar seus adversários a reação poderia ser de passividade e submissão. O medo passou a ser, para os mais fortes, uma arma contra os que se julgavam mais fracos. E assim, a história da humanidade se rendeu a guerras e dominações absurdas. No processo de evolução humana, o homem foi se condicionando a temer. Muitos desses medos, inclusive, nasceram da solidão e do cansaço. Homens corajosos que, sentindo-se sozinhos e cansados, passaram a temer os possíveis perigos reais e até mesmo imaginários. No processo de empreender não poderia ser diferente. É muito natural sentir medo ao iniciar um empreendimento, seja ele um projeto empresarial ou pessoal. Não há como fugir deste sentimento de viva inquietude ante a noção de perigo real ou imaginário, de ameaça (...) segundo o Aurélio. O medo de empreender, entretanto, pode ser facilmente controlado apenas com algumas pequenas mudanças de atitude! Sim, a velha e boa atitude. Através de um reposicionamento poderemos aprender a dimensionar nosso medo, transformando-o em uma ferramenta de luta e não de fuga. O medo, inerente ao homem, nunca deixará de existir enquanto houver ameaças e perigos. Portanto, o empreendedor nunca se livrará do medo. Mas, haverá sempre uma forma de ameniza-lo ao máximo através de algumas medidas importantes que ressaltamos: 1. O conhecimento pleno e progressivo do mercado com suas ameaças e oportunidades; 2. O autoconhecimento, ou seja, seus pontos fortes e fracos; 3. A clara definição de onde se quer chegar; e, 4. Conhecimento de todas as suas necessidades para levar o empreendimento ao sucesso. Assim, chegamos a conclusão que o medo (de empreender) é algo natural, inerente e necessário ao homem. É, no entanto, incompatível com a natureza humana o recurso da fuga, uma vez que a adoção das medidas mencionadas acima conduz o homem a reagir com luta e determinação. Por isso, ao empreender, não se intimide pela solidão, pois sempre existirão pessoas que compreenderão onde você quer chegar e cabe a você encontrá-las! Não se deixe dominar pelo cansaço, pois as conquistas sempre custam caro e não existe outro modo vencer sem que se pague o preço e nunca desista do intento! O medo é um mal necessário à sobrevivência humana; mas não pode ser, em hipótese alguma, um entrave ao desenvolvimento dos povos e das nações. Cabe aos empreendedores, transformar a sociedade que se paralisa pelo medo, em uma sociedade que se mova por ele. . . .
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.