Fuja das compras desnecessárias

Ter consciência sobre a sua atual situação financeira é a melhor saída para você não consumir por impulso. Confira

Para que você tenha um controle sobre os seus gastos, cujo o objetivo é saber para onde está indo o seu dinheiro, comece já a adotar a iniciativa de anotar gasto por gasto onde você achar melhor, pode ser em uma planilha, em um caderno ou até mesmo em um bloco de notas.

Isso se deve ao fato de que quando você sabe qual é a sua atual situação financeira que você está passando naquele exato momento, você acaba se sentindo mais responsável em relação ao atual sofrimento dos outros.

Se você está endividado saiba que existe sim um jeito para sair das dívidas, mas para isso você vai ter que fazer por onde batalhando e arregaçando as mangas, independente de qual for o seu volume de dívidas e de qual for o tamanho da sua renda.

As compras compulsivas são causadas por uma forte ansiedade, uma vez que sermos educados por uma cultura consumista.

Em decorrência do fato sermos cada vez mais motivados a aumentar o consumo e as dívidas por propagandas que nos incentivam a comprar, onde o que prevalece é o desejo de comprar para aproveitar as liquidações, pare de culpar o marketing, pois, quem define se a compra será efetuada com o seu dinheiro é você mesmo.

Antes de comprar pergunte-se: é uma necessidade ou é um desejo? Se for um desejo adie a compra até que você consiga ficar com a consciência mais limpa para se livrar das dívidas que podem ser descartadas da sua lista de compras, pois se essa for a sua situação vale a pena abrir mão do conforto e adiá-lo.

Muitas pessoas costumam se endividar de forma tão prejudicial pelo costume de consumir pelo desejo imediato, uma vez que o incentivo é causado pela forte ansiedade do consumismo que é atraído pelas emoções e não pela real necessidade da utilidade do consumo.

Por isso, para que você faça o seu dever de casa em vez de esperar uma fórmula mágica para se livrar das dívidas, tudo começa com um bom planejamento, uma boa organização, um bom controle e principalmente um orçamento bem organizado, porque todo custo pode ser reduzido.

Acimade tudo, essa é a primeira medida que deve ser levada em conta para que você consiga melhorar a sua situação financeira e sair do endividamento que é causado pela falta de proposta de vida.

Uma vez que você já sabe que é possível sair das dívidas e que para que esse fato ocorra é preciso que haja mudanças nas suas relações de consumo, você deve conhecer muito bem a sua renda e onde você a está gastando.

É fundamental que você conheça as suas contas pessoais com detalhes, e além disso leve em conta aquilo que você retira para pagar as suas contas.

Reduzir custos é uma necessidade, e a primeira coisa que deve ser levada em conta na redução de custos é encarar todo custo como algo desnecessário, um mal a ser vencido de forma a ser banido o máximo possível, uma vez que não faz sentido você pagar por algo que não será útil para você e isso se chama desperdício.

Pensar duas vezes se realmente precisa daquela mercadoria é uma boa dica para sair das dívidas e conseguir passar do saldo negativo para o saldo positivo.

Para que tal medida seja tomada, o primeiro passo é começar a organizar os seus gastos revendo as despesas do mês atual para que você identifique aquelas já foram úteis um dia, não estão sendo mais aproveitadas e podem ser eliminadas da sua lista de compras.

Para isso, faça uma lista daquilo que é indispensável em suas despesas atuais para que você não tenha dificuldade em saber separar aquilo que é imprescindível, daquilo que é descartável.

Para que você consiga quitar as suas despesas necessárias, reconheça que você está endividado e adote uma nova postura em relação ao uso do seu dinheiro, pois, estar endividado é o resultado da consequência da desorganização do seu consumismo.

O consumo exagerado é causado por estar acima do atual padrão de vida e do efetivo poder de compra, além é claro, dos atuais limites de gastos que precisam ser respeitados.

Eis a importância de fazer um diagnóstico financeiro com frequência e de preferência todo mês para que você analise o tamanho do seu atual problema financeiro que você passa no momento e possui em relação às dívidas que você já contraiu.

A vantagem aqui é que você consegue rever e avaliar a justificativa de você continuar pagando pelos seus gastos daquele mês atual, e com isso consiga saber para onde está indo o seu dinheiro, e quais são as suas dívidas prioritárias.

Com certeza, esse fato te ajuda no balanceamento do seu equilíbrio financeiro e, entretanto, comece quitando as dívidas que são mais caras e que possuam os juros mais elevados.

Aos poucos, a tendência é que você consiga ir ajustando a organização do seu orçamento.

Quem não consegue administrar pouco dinheiro, jamais conseguirá administrar muito dinheiro e essa é a principal razão do desequilíbrio financeiro.

Essa mudança radical que te incentiva a mudar o seu comportamento de consumo, é necessária no processo de recuperação da sua vida financeira, pois, a razão para que essa modificação seja feita é que faz bem para o seu bolso, faz bem para o seu bem estar e em pouco tempo tende a trazer resultados satisfatórios.

Agindo assim, fica mais fácil pra que você comece a enxergar e descubra onde você pode mexer até que a sua atual situação financeira se normalize, mas lembre-se que esta empreitada deve envolver todos os membros da sua família.

A contratação de alguns serviços e a compra de alguns produtos, por exemplo, nem sempre é bem vinda e tudo isso depende de como andam as suas reais necessidades de gastos, pois, toda compra que você pretende efetuar tem que justificar a sua real utilidade e os benefícios que serão proporcionados em troca do pagamento a ser efetuado.

A redução de custos tem o seu lado positivo, porque, se você gastar demais seu dinheiro nunca voltará e, por isso, a recomendação aqui é que você reduza os seus custos demais e comece a ter diversas oportunidades de corrigir os seus erros.

Na verdade, toda pressão é no sentido de gastar demais e pela lógica do consumo, as pessoas tendem a encarar todo custo como algo necessário, mas o que acontece na prática é que todo custo deve ser encarado como um mal desnecessário, pois, um custo maior significa uma organização maior a ser gerenciada.

Muitas vezes, a gente tende a jogar dinheiro fora sem pensar duas vezes e que tal antes parar e pensar?

O ideal é que as suas compras sejam planejadas antes de serem efetuadas para que você não fuja da sua lista de compras.

Com o passar do tempo, a tendência é que você comece a perceber onde você está usando mal o seu dinheiro e com isso consiga eliminar os custos irrelevantes, estabelecendo um corte certo nos gastos injustificáveis.

Mas para que você consiga acertar na escolha dos custos que podem ser cortados, você tem que ter um olhar bem afiado, e aí sim, você conseguirá compreender quais gastos podem ser evitados e quais assinaturas não precisam ser repetidas.

Por trás de tudo isso, está um trabalho para que aos poucos você comece a perceber onde você usa mal o seu dinheiro e não insista no erro.

Quando você tiver vontade de fazer compras além do que o orçamento lhe permite, adie o consumo por alguns dias e deixe a sua consciência te responder com sinceridade se aquela determinada compra faz falta.

Agindo assim, fica mais fácil para que você respeite os seus limites de gastos.

Mas tome cuidado pra que você tenha certeza de onde pode mexer e em vez de começar a cortar custos necessários.

Uma estratégia bem funcional para que você consiga separar os custos necessários dos custos desnecessários com o objetivo de saber quais os custos podem ser cortados, é antes de efetuar qualquer compra questionar o verdadeiro objetivo da compra que você pretende fazer.

Em vez de começar a cortar os custos necessários, antes de comprar pare e pense no seguinte: se eu banir esse custo, perderia qual tipo de benefício a ser agregado? Como e onde?

Se você não conseguir imaginar como e onde, então é porque o custo pode ser cortado.

Dinheiro é poder e se não foi fácil juntar, também não pode ser fácil gastar; mas para isso é preciso estar sempre atento a esse detalhe.

Mas se mesmo assim a primeira estratégia não funcionar para você e não der certo nas suas relações de consumo, a outra estratégia é que na primeira vez que você tiver contato com o produto ou com o serviço que você pretende adquirir, não compre e em vez de efetuar a compra volte pra casa.

Se durante a noite você não conseguir dormir e pensar muito no produto que não foi adquirido, é sinal de que tudo indica um forte indício de que você precisa mesmo daquela determinada mercadoria que não foi comprada e aí no dia seguinte você volta lá e faz a compra que não foi efetuada no dia anterior.

Talvez no início você pode achar que não vale muito a pena se importar em cortar um custo desnecessário que seja pequeno porque você estará economizando pouco, mas depois de somar todos os custos pequenos que foram eliminados da sua lista de compras, você verá a diferença da grande economia que você fez.

É com os pequenos custos que se faz uma economia excelente, porque, são esses gastos que poucos preocupam em levá-los em conta e refletir a sua utilidade.

Portanto, não deixe de lado nenhum gasto a ser ignorado porque mesmo os menores custos podem fazer uma grande diferença no final do mês ao se acumularem.

Para isso tenha consciência e seja coerente onde você usa o seu dinheiro, pois, todo custo precisa ter uma razão óbvia que nos leve a um motivo que justifique o pagamento da sua compra.

Todo custo deve ser eliminado o máximo possível porque a verdade, é que na prática, nós devemos excluir os custos irrelevantes do nosso dia a dia o máximo possível, com o objetivo de guardar dinheiro para gastar com o que realmente for necessário.

Agindo assim, uma boa grana que iria para o lixo pode se transformar em um belo investimento para o seu amanhã em vez de ser usado em um custo desnecessário, e olha que o prazer de guardar dinheiro para investir no seu futuro pode virar um vício.

Este é obviamente um dos fatores que contribuem para que você alcance a sua liberdade financeira e com muita independência financeira no futuro porque quem consegue livrar-se das dívidas, consegue construir um belo futuro financeiro.

Mas infelizmente, o que acontece na realidade é que diversas despesas costumam passar despercebidas e fazem o dinheiro escorregar da sua mão de maneira rápida e sem fundamento, demonstrando serem necessárias, mas nós não podemos deixar que isso aconteça em hipótese alguma.

Por isso, nossa atitude inicial deve ser eliminar todo custo que vier pela nossa frente, pois diminuir consideravelmente os seus gastos te ajuda e muito em sua saúde financeira e principalmente no seu bem estar e na sua qualidade de vida.

Para isso, se você tem o prazer de ir às compras, torra o seu dinheiro e é viciado em moda, em calçados, em livros, em tecnologia ou em qualquer outra categoria de produtos, fuja das vitrines dos estabelecimentos comerciais que te levam a efetuar compras por impulso e jamais pense em comprar algo que não for necessário no momento e poderá ser necessário um dia só porque o preço está bom e é atraente.

Não se deixe levar pelas emoções, antes de efetuar qualquer compra avalie a real necessidade de consumo primeiro com o objetivo de combater os desperdícios e se possível, programe as compras com antecedência para que você não fuja da sua lista de compras que foi planejada.

Proteja o seu dinheiro e lembre-se que você é o único responsável pelo destino financeiro do uso do seu dinheiro.

Nenhum custo é tão pequeno que não mereça análise e por isso você não deve ignorar nenhum gasto, pois o seu dinheiro sempre estará em jogo.

Pense nisso e reflita sempre que você pensar em efetuar qualquer compra.

Nunca deixe nenhum vendedor interferir nas suas decisões de compra porque esses vendedores são treinados para convencer os clientes.

A estratégia do comércio para vender, é informar apenas os pontos positivos e não mencionar os pontos negativos, pois, o fato de dizer tudo pode atrapalhar suas campanhas de marketing e acabar resultando em redução nas vendas, gerando prejuízo ao fornecedor.

Proteja o seu dinheiro para não prejudicar o seu orçamento e jamais comprometa em pagar por algo que não for útil para você só para ajudar algum vendedor a bater metas e aumentar as vendas, mesmo que eles chorem para vender.

Isso ocorre porque se eles não estiverem vendendo nada, a empresa manda eles irem embora, uma vez que, para nenhum comércio não faz sentido manter algum funcionário que não esteja apresentando resultados positivos e satisfatórios para o fornecedor.

Para isso tenha em mente que cada centavo é sagrado e, portanto, o fornecedor é que se cuide porque dinheiro é poder, e isso, os consumidores entendem devido ao fato de compreenderem a real importância de proteger o seu dinheiro.

Gostou desse artigo ? Deixe o seu comentário abaixo.

ExibirMinimizar
aci baixe o app