Foque no que você já tem e não no pouco que falta

Quando os desejos começam a se tornar realidade o ser humano tem a tendência ou a necessidade de criar novas metas.

Desde criança sonhamos em ter aquela bicicleta que passou na tv, queremos o mesmo brinquedo que o coleguinha levou para o colégio e quando crescemos nossos desejos acompanham esse evolução. Na adolescência nossos desejos se transformam em metas e elas são perseguidas no decorrer da vida até se tornarem realidade.

Podemos fazer uma lista extensa de desejos e metas, onde as mais comuns são: casar, fazer uma faculdade, conseguir um bom emprego, comprar um carro novo, ter a primeira casa, etc. A ordem da lista pode não ser igual para todos, mas os desejos ou metas são os fatores motivacionais mais elementares do ser humano. Não importa se a meta é uma viagem para fora do Brasil ou investir em uma carreira nova. O desejável é traçar meios que levem à realização pessoal e ou profissional e que estejam de acordo com o seu eu interior.

Quando os desejos começam a se tornar realidade o ser humano tem a tendência ou a necessidade de criar novas metas. A utilização de metas é uma prática positiva, mas precisa ter foco nas necessidades internas do seu criador. Na atualidade o grande problema da sociedade é a substituição de metas por desejos externos.

O mercado está gerando pessoas que tem como meta possuir objetos de pouca relevância como um Iphone, fones de ouvido gigantes, tinta de cabelo de uma cantora famosa ou boné de um jogar de futebol. Isso pode até ser um desvio do que é importante na vida, mas esses consumidores estão seguindo o livre arbítrio.

O pecado que todos nós estamos realizando neste momento é conseguir 80% do que desejámos de relevante na vida e só gastar energia nos 20% finais. Essa atitude gera uma grande insatisfação e sentimento de derrota quando não chegamos aos 100% das metas, pois mesmo com grandes conquistas o ser humano perde o interesse pelo conquistado e começa a almejar o que não conseguiu ainda. Muitos não vão entender como eu escrevi tão bem sobre criar metas e agora estou falando em pecado, mas o que não nos ensinam é que devemos parar durante o percurso e reavaliar as conquistas e acima de tudo aproveitá-las.

Dale Breckenridge Carnegie, escritor e orador norte americano, tinha uma frase para definir o pecado que a maioria das pessoas está realizando: “Sucesso é conseguir o que você quer, e felicidade é gostar do que você conseguiu. ”. Estou escrevendo esse texto porque recentemente a minha ficha caiu sobre esse tema e queria compartilhar com o maior número de pessoas.

A mensagem final é, temos que parar de gastar toda a energia para conquistar o pouco que nos falta e começar a cuidar mais dos sonhos que viraram realidade. Faça sua estatística e veja o quanto já conquistou e calcule o tempo que gasta cuidando dessas coisas. O conteúdo desse texto terá mais impacto nas pessoas que estão no meio do trajeto. Para as pessoas que ainda estão no início do percurso o texto pode servir de alerta sobre criação de metas e reavaliação das mesmas durante a caminhada.

ExibirMinimizar
aci baixe o app