Existe carreira à prova de crise?

Será mesmo que existe uma carreira que seja imbatível e consiga vencer a tão temida crise?

Em um cenário cada vez mais complicado é possível perceber que a economia do país não vai dar trégua para o brasileiro nem tão cedo. Os preços aumentaram, o consumo caiu e muitas medidas, por vezes desesperadas, estão sendo tomadas para tentar reverter este quadro.

Consequentemente o consumidor perde a confiança na economia e prefere ser conservador neste momento. E se o consumidor não compra, como ficam os profissionais por trás de cada empresa?

Acontece que essa conta será paga por nós. E não estamos falando apenas de preços mais altos.

Tudo parte de um racional lógico. Aumentam-se os impostos e as empresas só têm dois caminhos: ou sacrificam suas margens de lucro (que, em alguns casos, já são extremamente apertadas) ou cortam custos. Diminuem o volume de produção, fecham fábricas, reduzem a verba de marketing e fazem aquele samba para conseguir garantir uma sobrevivência sustentável.

Mas uma hora essa conta (ainda) pode não fechar e o temido "corte de pessoas" é um fato que irá acontecer mais cedo ou mais tarde. E nesse momento, meu caro, pessoas são apenas números em uma tabela de Excel onde há uma célula nomeada como "Total" que precisa ter seu valor reduzido.

Triste realidade. Dói, aperta, mas é o que é no final das contas.

Porquê justo eu?

Primeira pergunta: quem custa mais, diretores, coordenadores ou analistas? Com essa, outras tantas perguntas começam a surgir: "Em um ano de recessão, preciso ter 3 ou mais diretores?" Um só não conseguiria absorver duas áreas? Será que a área precisa ter 4 analistas mesmo ou 2 coordenadores já dão conta?" e por aí vai. Acredito que esta é uma das principais linhas de pensamento que conduzem a um provável corte, acompanhado de uma avaliação de performance individual.

Nesta, que deve ser alinhada também aos objetivos da empresa, são analisados quais funcionários tiveram a melhor performance e estes tem maior probabilidade de continuar empregado. Simples e óbvio. Em tese, quem sempre tem uma performance muito boa ficará eternamente empregado, certo? Errado!

Neste racional não podemos descartar em hipótese alguma um fator que pode mudar completamente a maneira de pensar em um corte: o objetivo da empresa.

Meu foco é vender e nada mais.

Quando afirmo que o objetivo da empresa pode definir um racional inteiro cheio de variáveis e que não é necessariamente apenas uma questão matemática, me refiro ao fato de que é possível ser um profissional caro e não necessariamente ser cortado, como inverso também pode ocorrer. No exemplo a seguir vocês conseguirão entender claramente esta situação.

Conheçam o Rodrigo, um profissional em nível de coordenação. Ele cuida do relacionamento com promotores de venda espalhados por todo o Brasil e coordena uma equipe de mais de 300 pessoas há 3 anos de forma excelente, segundo sua última avaliação de performance. A empresa decidiu dar foco em apenas 10 redes de varejo que são mais rentáveis e em canais online. Com isso, essas 300 pessoas viraram apenas 25, pois o custo das CLTs era extremamente elevado. Ele sabe que essas pessoas restantes podem ser gerenciadas por uma agência especializada e o seu salário alto não justifica sua carga de trabalho, que foi bastante reduzida. Ele foi cortado.

O Rodrigo era ruim? Não! Sua performance era excelente. Ele contribuía para o resultado financeiro pra empresa? Sem dúvida. Seus pares adoravam trabalhar com ele? Sim! Super querido. O salário dele era o maior da equipe? Nunca. Mas então, porquê justo ele?

O fato é que a empresa mudou o foco e esse profissional não estava mais alinhado a essa nova realidade.

Estranhe quando o foco permanecer, mas você não.

O problema nunca esteve no Rodrigo, nem em seu salário. O corte ocorreu por uma mudança de foco e ele não mais se enquadrava no novo cenário. Mas se houvesse uma Mariana que também cuidasse de promotores e a empresa fosse cortar apenas um?

É aí que a performance vai contar bastante. A qualificação educacional, a conduta, postura, a organização, a proatividade, liderança e todos aqueles pontos que são requeridos na função passam a ser critérios definitivos para a escolha entre um e outro. E a pergunta agora passa a ser: o que eu como profissional fiz ANTES da crise?

Infelizmente pensar nisso agora será um pouco tarde. Trabalhar pensando no dia de amanhã deve ser um mindset básico de todo o profissional que quer ter uma carreira com mais segurança

Trabalhar visando o longo prazo, na maioria das vezes, não é um pensamento comumente considerado. Mostrar resultado no curto prazo é excelente, mas são em momentos como esse em que o seu histórico de carreira conta e muito. Olhar para trás neste momento só serve para refletir, e não mais para mudar o que já passou.

Ação hoje pensando no amanhã.

Por isso, quando você agir, planejar, sugerir ideias e se esforçar para ter o seu devido reconhecimento, não pense apenas em ser promovido em 6 meses ou em ganhar um aumento. Dedique seu tempo para construir um legado (pensar assim NÃO é muita pretensão da sua parte) e garanta, pelo menos, uma carreira com bases sólidas e com o mínimo de argumentos possíveis para um possível corte porperformance.

Se você já foi cortado, se perdeu um pouco nos pensamentos e até cogitou questionar o quão bom profissional você é, pare por um momento após ler esse texto e reflita. Sonde até onde você poderia ter ido na sua antiga empresa, veja os pontos que você deixou de investir com o passar dos anos e aprenda com cada um deles. Nunca se deixe levar pelo sentimento de culpa, pois ele não te fará sair de onde você está para o seu próximo passo. Acredite.

Lembre-se: jamais você terá uma carreira à prova de crises, afinal, o controle de todas as coisas ao seu redor não está em suas mãos, mas aquilo que estiver, por favor, faça o seu melhor e não olhe apenas para o hoje.

Conte comigo para desabafar, dar dicas de como melhorar o seu perfil no LinkedIn e até compartilhar um pouco da minha experiência com entrevistas. O importante agora é estar junto de quem as vezes só precisa de uma palavra de apoio. Se você quiser, comente esse post com sua dúvida que eu respondo.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento