Estabeleça indicadores de desempenho e meça seus resultados

Muitas empresas não possuem indicadores para avaliar sistemicamente o seu desempenho ou até possuem, mas não são utilizados ou não são os mais adequados

Uma pesquisa recente da FNQ com micro e pequenas empresas brasileiras apontou que a maioria dos empresários e líderes de organizações deste porte tem dificuldade no atendimento do Critério Resultados do Modelo de Excelência da Gestão (MEG) no seu sistema de gestão.

Esse critério orienta as empresas a possuírem um conjunto de indicadores que permite avaliar seu desempenho e, consequentemente, a efetividade das estratégias e dos planos adotados. Possibilita, ainda, estabelecer metas e compará-las com informações internas, para verificar em quais itens a empresa está melhorando ou piorando, bem como comparar com os resultados de outras organizações, facilitando a avaliação sobre a sua competitividade no mercado.

O fato é que muitas empresas não possuem indicadores para avaliar sistemicamente o seu desempenho ou até possuem, mas não são utilizados ou não são os mais adequados. Há aquelas que, mesmo possuindo um conjunto de indicadores pertinentes, não medem seus resultados, dificultado a tomada de decisão, o planejamento e o estabelecimento de metas baseadas na realidade da empresa e do cenário futuro em que está inserida. O alcance de resultados consistentes assegura a perenidade e sustentabilidade de um negócio pelo aumento dos valores tangíveis e intangíveis, de forma sustentada para todas as partes interessadas.

Conheça algumas dicas elaboradas de acordo com o Critério Resultados do MEG para que sua empresa consiga medir seus resultados e atingir objetivos consistentes e sustentáveis:

- Defina indicadores de desempenho com base em cada uma das partes interessadas ao seu negócio: clientes, mercado, sociedade, colaboradores, fornecedores e indicadores econômico-financeiros.
- Estabeleça indicadores que sejam adequados ao perfil da sua empresa e forneçam informações que apoiem o acompanhamento das ações e sirvam para medir a efetividade das estratégias. Por exemplo: o indicador produtividade, que para um comércio pode ser a quantidade de itens vendidos, tíquete médio ou as receitas por funcionário no mês; para uma indústria pode ser itens produzidos por uma máquina ou funcionário; para um laboratório, o número de exames realizados ou pessoas atendidas.
- Defina metas para os indicadores e acompanhe os resultados em relação a elas. Compare-os quanto ao atendimento das necessidades e às expectativas de todas as partes interessadas. Esse acompanhamento faz com que a empresa obtenha sucesso de forma sustentada e assegura o valor para todas as partes.
- Estabeleça indicadores de desempenho que possam ser acompanhados de acordo com a sua evolução ao longo do tempo. Eles constituem um elo entre as estratégias e o resultado das atividades. Indicadores que normalmente são utilizados e monitorados por uma MPE: lucratividade, absenteísmo, inadimplência, índice de satisfação de clientes, de reclamações recebidas, de acidentes, entre outros.
- Os indicadores devem estar claramente definidos e facilmente entendidos nos diversos níveis em que ele é utilizado. Devem estar sempre atualizados e acessíveis àqueles que o utilizam.

Inseridas em cenários cada vez mais voláteis, competitivos e globalizados, é fundamental que as empresas, para que se estabeleçam em meio à concorrência e atinjam as expectativas de seus clientes e partes interessadas, consigam estabelecer metas e avaliar o quanto estão preparadas para responder aos desafios constantes do ambiente onde atuam.

Portanto, a medição e a análise de desempenho para obter resultados consistentes é essencial para todas as empresas, independentemente do seu porte.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    Silva

    Silva

    É graduado em Engenharia Eletrônica pelo ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica, com Especialização em Marketing e Propaganda pela FAE-CDE-Curitiba - Brasil, e MBA em Gestão de Negócios, pela Duke University – North Carolina – EUA. Começou as suas atividades profissionais na Siemens na Área de Telecomunicações, onde ocupou várias posições, no Brasil e na Alemanha. Atualmente é o Superintendente Geral da FNQ – Fundação Nacional da Qualidade e Professor Visitante da BSP-Business School São Paulo e da Münchener Volkshochschule, em Munique – Alemanha.

    Mais artigos da FNQ: http://www.fnq.org.br/informe-se/artigos-e-entrevistas/artigos\

    café com admMinimizar