Entre ser dois e viver como um

O amor, quando se revelado com amor, é cuidado contínuo, é dedicação sem cansaço, é entrega sem esperar nada em troca

É bem provável que você queira alguém para amar, para cuidar e ser cuidado. É bem provável que você queira uma companhia em uma noite fria, um bom filme, um cobertor quente e, com toda certeza, o calor do outro.
Nós buscamos e desejamos tudo isso. E quando acontece, quando encontramos a pessoa certa, nos baseamos em: cheiro, pele, o beijo quente, o abraço apertado, aquele olhar de desejo, o tesão, entre muitas outras coisas. E quanto tudo isso acontece, vivemos em um lugar confortável, onde apenas o prazer de estar juntos nos satisfaz. E então, como se fosse quase que uma explosão de libertação e aceitação, dizemos: eu te amo!
Ah, se o amor resumisse apenas nas boas venturas! Quantas lágrias seriam evitadas. Quantas ofensas seriam reprimidas. Quantos não haveriam corações partidos. Mas a magia do amor, em sua verdadeira essência, está justamente na dor. Não a dor que nos causamos, mas sim, na dor do outro em que suportamos e desejamos que fosse nossa.

O amor, quando se revelado com amor, é cuidado contínuo, é dedicação sem cansaço, é entrega sem esperar nada em troca. E com toda certeza, o amor desperta raiva, ciúmes, incoerências, e muitas vezes, dúvidas. Porque o amor tem o poder de se perdoar por si só. O amor perdoa o ódio. O amor perdoa o ciúmes. O amor perdoa! E por que? Justamente porque o amor de um, não sobrevive sem o amor de outro. Não há possibilidade de dois viverem como um se o mesmo amor não tiver a mesma proporção.
Ame. Ame de todo o seu coração .Deixe-se ser amado, porque só assim o amor de dois orações poderá se tornar apenas um!
ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento