Empreendedorismo é um estilo de vida
Empreendedorismo é um estilo de vida

Empreendedorismo é um estilo de vida

O mito de que empreender é apenas abrir um novo negócio foi rompido. Resumidamente, empreender é fazer acontecer!

Nos últimos anos, o termo empreendedorismo ganhou novas proporções nas discussões corporativas e na sociedade de forma geral. Tem-se descoberto que empreender não é apenas interesse do empresário, ou daqueles que desejam abrir seu próprio negócio. A sociedade deve discutir o empreendedorismo como uma ferramenta econômica capaz de trazer competitividade ao país inteiro, como é o caso dos EUA, que há anos investe na abertura de novos negócios e na educação empreendedora, principalmente nas áreas de tecnologia, e ao longo do tempo tornou-se referência em inovação de produtos e serviços.

O legado desse país, que investiu maciçamente em desenvolvimento humano, inicia-se com o surgimento das empresas mais inovadoras do mundo como Microsoft, Apple, Tesla, Counsyl, Google, Amazon, Facebook, Uber e tantas outras que mudaram radicalmente nossa forma de trabalhar e pensar o trabalho, mostrando ao mundo que só o conhecimento realmente é capaz de agregar valor. Você está lendo este artigo através de uma plataforma web, do seu celular ou tablet, e isso só se tornou possível devido ao trabalho árduo de empreendedores que tiveram a coragem de arriscar-se e ir além do convencional. Interessante ressaltar que, em alguns casos, todo o processo de criação e desenvolvimento do projeto foi realizado nas garagens de suas próprias casas.

O Brasil ainda tem uma educação bastante incipiente quanto à formação empreendedora. Falta incentivo tanto governamental quanto empresarial, prelúdio para a criação de uma cultura de manutenção do status quo. Em geral, quando as pessoas chegam ao mercado de trabalho não possuem competências necessárias para laborar sob a égide da inovação, pois a linha de pensamento dominante nas academias de ensino superior é a busca por estabilidade que cargos públicos provêm. Em suma, falta coragem, autoconfiança, visão, autoconhecimento e competências que são necessárias para empreender.

Nas últimas décadas, a expressão empreendedorismo sofreu arguciosas modificações em sua abrangência. Houve, contudo, uma expansão dos estudos e descobertas e passou-se a entender que empreender não é apenas abrir um novo negócio, é um estilo de vida, um comportamento, uma atitude, uma cosmovisão.

Tecnicamente, empreendedorismo é o processo em que se faz algo novo, com o objetivo de gerar riqueza para a sociedade. Veiga (2006) diz que ser um empreendedor é uma forma estratégica de contribuir para o crescimento econômico e social e de se obter sucesso no mercado e na sociedade em geral.

Dentro do empreendedorismo ramificamos os objetivos: pode-se empreender socialmente (empreendedorismo social), a exemplo de alguns professores da rede pública que, ao criar um projeto extracurricular, geram valor à sociedade, ou um grupo de pessoas que criam ONGs e associações sem fins lucrativos, colocando em prática uma ideia com primordial objetivo de contribuir com o desenvolvimento social e sentem-se vocacionadas a cumprir essa missão.

Hoje também existe o que denominamos de intraempreendedorismo ou empreendedorismo corporativo, que são ações empreendedoras desempenhadas por indivíduos em uma organização já existente, uma nova lógica corporativa fundamental para a sobrevivência e progresso das organizações contemporâneas.

Carneiro (2013) diz que o empreendedorismo tornou-se um estado de espírito, baseado em um conjunto de comportamentos e atitudes que levam as organizações a inovar e evoluir constantemente. Ele relata ainda que os limites agora são mais amplos e o empreendedor passa a ser qualquer pessoa que atua de forma inovadora, que transforma sonhos em realidades viáveis onde esteja, até mesmo na sua própria vida como protagonista de sua carreira.

Normalmente, o empreendedor consegue enxergar além do que a maioria das pessoas enxerga. Nizan Guanaes citou uma frase bastante conhecida que diz que ‘Empreendedor é aquele que tira de onde não tem e põe onde não cabe’, para demostrar que a visão do empreendedor vai sempre além, que ele tem uma ‘obsessão’ pela oportunidade. Já Fernando Dolabella resume dizendo que empreendedores são pessoas que fazem acontecer, seja qual for a sua profissão ou atividade.

Algumas vezes, enxergar uma nova oportunidade não consiste em estar em um lugar novo, mas ver o mesmo lugar com novos olhos, até mesmo com escassez de recursos e incentivo. O empreendedor cria, recria, planeja, desenvolve, realiza, institui estratégia, estabelece novas maneiras de se relacionar com clientes e stakeholders, funda novas estruturas, aprimora e simplifica processos burocráticos, questiona padrões e crenças de impossibilidade, quebra paradigmas amplamente aceitos pela sociedade, e vislumbra novas necessidades nas pessoas.

Foi em uma praia que Steve Jobs percebeu que as pessoas tinham necessidade de escutar música enquanto praticavam atividades físicas. Então teve a ideia do iPod e, mesmo após a Apple já estar consolidada no mercado, não parou de empreender, demonstrando que o objetivo de empreendedor não está unicamente ligado ao lucro e que normalmente essas pessoas são motivadas pelo poder de realização.

O fundador da Apple deixou essa questão clara quando disse a seguinte frase: ‘ser o mais rico do cemitério não é o que mais importa para mim […], ir para a cama à noite e pensar que foi feita alguma coisa grande é o que mais importa’. Esta frase emblemática nos faz compreender que empreender não tem somente objetivos financeiros, eles são realmente impulsionados pela possibilidade de realização, é um comportamento constante de inquietude.

Os empreendedores possuem necessidade de realização, motivação, impulso de melhoria, insatisfação, valorização da independência, desejo de superar padrões de excelência. São capacitados emocionalmente para enfrentar adversidades, pois empreender – seja em um novo negócio, dentro de uma empresa, ou socialmente, criando novas coisas e aprimorando as existentes – requer uma série de competências que são adquiridas também com as experiências.

É preciso capacitar-se para exercer o empreendedorismo, e com a concorrência exacerbada, não há muito tempo para cometer erros no mercado – muito embora os erros sejam parte das tentativas de sucesso e também façam parte do processo de aprendizagem. Para empreender é preciso pesquisa, conhecimento em marketing, gestão, tecnologia… Empreender envolve exposição, medo, resiliência, conhecimento, incertezas, habilidade em lidar com as pessoas e convencê-las a abraçar a sua ideia. Envolve foco, disciplina, vontade, sacrifício e uma série de situações tanto positivas quanto negativas que se permutam.

O mito que empreender é apenas abrir um novo negócio foi rompido. Resumidamente, empreender é fazer acontecer.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento