Empreendedoras In Foco

O número de mulheres empreendedoras no Brasil, vem crescendo de uma forma avassaladora. Isso se deve em parte, ao grande movimento de empoderamento feminino, com a sede de independência financeira aliada à flexibilidade de horários e o prazer de estar a frente do próprio negócio.

Atualmente, o mercado empreendedor brasileiro conta com quase 8 milhões de mulheres, ou seja, elas estão a frente de praticamente metade das micro e pequenas empresas no Brasil. Diante da desigualdade salarial e social dentro das empresas, as mulheres tem optado por abrir seu próprio negócio, onde tenha uma flexibilidade maior de horários, ganhos além do que o mercado oferece e o prazer de estar a frente de uma empresa.

Por outro lado, há alguns ponto cruciais para o sucesso do negócio que muitas dessas mulheres deixam passar, como por exemplo: criar uma rede de networking, elaborar o planejamento de negócio, buscar um nicho de mercado ao invés de generalizar, planejamento financeiro (sem ele, a chance do negócio ir pra frente é quase zero), entender o gerenciamento de mídias sociais, etc. Muitas apenas se deixam levar pela maré, e embora em alguns poucos negócios essa atitude tenha dado certo, em muitos outros simplesmente pode afundar a empresa.

Para empreender, não basta querer! Nem todo mundo tem habilidades para entrar nessa área, que requer muito estudo e um mínimo de habilidades. Tem que ter tino para liderança, ter paciência e porque não dizer "estômago" para lidar com vários problemas que possam aparecer no percurso. Saber lidar e atender o cliente de forma adequada, paciente e humana também é o mínimo que o empreendedor pode fazer. Pois como bem disse Bel Pesce: "O chefe perdoa, vê que você deu o seu melhor. Já o cliente é mercado: não entregou, está fora do jogo."

Mas quais habilidades mínimas devo ter ou desenvolver? Uma resposta curta seria: Saber negociar com os fornecedores; Lidar com o seu público alvo (clientes e potenciais clientes); Saber vender o seu produto ou serviço de maneira a mostrar para o cliente porque ele deve comprar de você e não do seu concorrente; Transformar a resiliência em um hábito, etc.

Um conselho simples, mas digno de uma medalha de ouro: Não empreenda apenas por dinheiro! Em qualquer área de atuação, há profissionais bem sucedidos e fracassados. Então, tire um tempo para se conhecer melhor e definir qual o seu objetivo principal. Algumas perguntas vistas como clichês, acabam colaborando para o autoconhecimento, e consequentemente guiando a uma direção: Como eu quero transformar a vida ou o dia de alguém? Como eu quero ser lembrada? Com o que realmente eu me identifico, ou simplesmente, Qual é a minha praia?

Pensou, pensou e decidiu ir pelo caminho do empreendedorismo? Então vale a pena dedicar alguns minutos do seu dia ao processo de autoconhecimento e posteriormente ao planejamento dessa nova fase, que exigirá paixão, fôlego, força de vontade e uma boa dose de criatividade para se diferenciar nesse mercado tão competitivo.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    Suyanny Viana

    Suyanny Viana

    Cearense, Administradora de Empresas, apaixonada pela boa música, viciada em livros e fã do cinema francês. Apaixonada pelo mundo corporativo e apoiadora do empoderamento feminino no mundo corporativo e na vida.
    café com admMinimizar