Despertar para a solução

Ano novo, vida nova. Será? <br /> Milhões de pessoas aproveitaram da melhor maneira possível o período de férias entre o natal e a virada de ano, e retomaram o trabalho renovadas em suas esperanças e mentes. Mas bastou uns poucos dias na velha rotina para alguém perceber que só o calendário mudou.

DESPERTAR PARA A SOLUÇÃO
Por Roberto Vieira Ribeiro



Ano novo, vida nova. Será?
Milhões de pessoas aproveitaram da melhor maneira possível o período de férias entre o natal e a virada de ano, e retomaram o trabalho renovadas em suas esperanças e mentes. Mas bastou uns poucos dias na velha rotina para alguém perceber que só o calendário mudou. Foi deitar exausto mas não dormiu. Fritou na cama, vendo as imagens do que passou, ansioso pelo que não fez ou errou, com medo de não ter tempo para resolver os problemas a tempo: contas, trabalho, metas, compromissos, filhos, saúde, amor, amigos, etc... Caminhos e sonhos que no momento mais parecem pesadelos. E como se não bastasse isso, ao desperdiçar o presente lamentando o passado, dá uma rasteira no futuro. Porque a noite insone fará com que já inicie o novo dia atrasado, cansado, irritado, estressado. E se continuar assim, será só uma questão de tempo para ficar enfartado ou outro "ado" desagradável qualquer.



Não sei se este é o seu caso, mas se for, desperte! porque a vida não precisa ser assim.


É verdade que há momentos em que as dificuldades são tantas que não vemos saída. Mas elas existem. Enxergá-las ou não pode ser tão somente uma questão de hábitos. Sim, hábitos, que são formados por aquelas pequenas coisas que vamos incorporando ao nosso modo de pensar e agir, sem maiores compromissos. Porque podemos nos livrar delas facilmente sem sentir falta. Mas se descuidamos, decorrido algum tempo entranham suas raízes em nosso jeito de viver, e arranca-las é trabalhoso e provoca dor. Por isso, mesmo sentindo-se incomodado há quem prefira deixa-las ficar, acomodado. Não seria preferível mudar?

O início do ano costuma ser propício para novos planos e mudanças, como decorrência natural do inventário que essa época inspira nas pessoas. E os dias de férias que possibilita faz bem, mas não é a cura para todos os males. E pouco resolve só fazer listas de intenções, melhorar a dieta, programar atividades físicas, limpar gavetas e preparar a nova agenda, com seus 365 dias em branco, como que a nos desafiar: o que vai ser? A mesma programação de sempre ou desta vez vai mudar?
Também é inútil tomar um banho de loja e lustrar o visual, trocar de emprego, casa ou país, sem mudar o essencial: a própria pessoa. Porque sejam quais forem as suas metas ou problemas, a solução sempre principia em você. Constatar isso é amadurecer e um convite para cultivar outros hábitos, que exigem coragem porque mexem com o jeito de viver. Por exemplo: parar de parar, de encontrar desculpas e buscar culpados, desenvolver a atitude de focar nas soluções, de ousar, criar e assumir a responsabilidade pelos resultados, de fazer a diferença, de ter esperança, de estender a mão para ajudar, de ouvir mais do que falar, de melhorar o mundo, de sorrir, de chorar, de vergar e agüentar, de saber a hora para gritar, sussurrar ou calar, de agir, de saltar, de se indignar, ceder quando for o caso, de fazer acontecer e comemorar.

Quanto as situações da vida que podem espantar o nosso sono, eu aprecio especialmente a simplicidade das perguntas, - o que? e - como? E outras expressões que abrem os caminhos, arejam e iluminam ao invés de colocar lente de aumento no que está a incomodar. E em se tratando de encontrar soluções o "porque?" é uma questão a se evitar. Pois, uma lista de porquês tende a alimentar sentimentos de "coitadinho de mim", inúteis para ajudar.
É mais produtivo responder questões como: o que eu quero fazer? Que hábitos quero mudar? Como sair desta enrascada? Quais são as alternativas? A quem posso recorrer? Quem pode me ensinar e aconselhar? Que livros eu devo ler? Quais audios escutar? De que eventos participar? Como posso melhorar? Com quem me associar? Como negociar? Como ganhar mais dinheiro? Em que economizar? O que as pessoas querem comprar? Como eu posso ser mais útil? O que eu faço melhor? Como me diferenciar? Como aproveitar melhor o tempo? O que eu devo aprender? Como me organizar?

Aproveite as que achar úteis e formule suas próprias perguntas, no local e momento certos. Afinal, o que alguém poderá resolver de madrugada na cama, cansado, ansioso e pulando de problema em problema?
Desperte para a solução! Cultive um novo hábito: faça o que tem que ser feito. E relaxar será natural então.


ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.