Design Thinking para mudar o mundo

Porque usar design thinking nos negócios

Design Thinking é uma abordagem inovadora e visionária que tem realmente o potencial de transformar o mundo. Mas vamos com calma, começaremos mudando a nossa empresa. Pode ser?

Este é o primeiro artigo de uma série de 5 que desenvolvemos para ajudar as pessoas a verem possibilidades de resolver problemas complexos dentro do seu ambiente de trabalho utilizando Design Thinking. Vamos iniciar com uma breve introdução ao assunto e nos próximos posts o conteúdo será aprofundado, ao final preparamos um desafio aos leitores para implantação do Design Thinking em seus negócios.

Esperamos contribuir na construção de empresas aptas a enfrentar as mudanças que vão ocorrer no futuro, e ajudar profissionais a desenvolverem a criatividade, a qual será uma das habilidades mais valorizadas na próxima década (acesse este link e saiba mais sobre o Futuro do Trabalho).

Nos últimos anos o Design Thinking tem ganhado destaque como uma solução para as empresas tornarem-se mais inovadoras. De uma hora para outra todo mundo viu no Design Thinking a resposta que todos esperavam. Mas vamos esclarecer aqui neste post que o design thinking não fornece respostas para os problemas ligados à inovação, pois o design thinking está posicionado ao lado das perguntas.

Design Thinking não dá respostas, mas ajuda você a fazer as perguntas certas que vão permitir à sua organização encontrar soluções e desenvolver produtos, serviços e processos inovadores.

Geralmente quando se ouve a palavra ‘design’ logo se relaciona ao conceito de ‘desenho’, mas a tradução de design é muito mais abrangente que isso e faz muito mais sentido quando utilizamos o conceito de projeto, que é uma das traduções aplicáveis ao termo. Conceber o design como projeto permite ver as possibilidades desta disciplina de forma mais abrangente e mais estratégica.

Criar projetos é planejar e planejar é definir estratégias. Então o design thinking pode ser visto como um método para construção de estratégias e solução de problemas. Mas deixamos bem claro que design thinking não tem o papel de gerenciar um projeto, mas unicamente de descobrir as necessidades do seres humanos e construir soluções capazes de resolver os problemas com criatividade e colaboração.

O design thinking possui o foco no ser humano, ele privilegia a abordagem interativa e integrativa e busca a compreensão ampla dos problemas humanos para então encontrar as soluções.

Muitas vezes as pessoas constroem ferramentas magníficas que solucionam um problema específico e a partir daí saem atrás de outros problemas que esta ferramenta resolve, quando na verdade cada problema precisa ser amplamente investigado para então buscar as ferramentas e soluções que lhe cabem.

O design thinking busca harmonizar as necessidades humanas com os recursos técnicos disponíveis e as restrições práticas do negócio, por isso que é uma metodologia visionária e poderosa com potencial de transformar as empresas. As pessoas que utilizam este método, os chamados design thinkers são muito mais do que pessoas que conduzem projetos com um conjunto de técnicas e métodos. Mas são indivíduos que trabalham constantemente para reinventar seus modelos mentais e conectar os conhecimento de maneira única e inovadora.

Ao iniciar uma jornada de produção de inovação com uso do Design Thinking os indivíduos precisam sair da zona de conforto e mudar o modelo de pensamento em que estão habituados a operar. Além de deixar de lado (momentaneamente) o modelo analítico em função do pensamento criativo é preciso também abandonar o comportamento competitivo para atuar com foco na colaboração.

“O modelo mental deve ser ampliado para as possibilidades, para a re-significação, para a criação e inovação. A complexidade e a velocidade dos problemas e oportunidades não é suportada pelo pensamento analítico como era no Século XX” (Álvaro Gregório – Igov/SP)

Design Thinking é baseado em 6 etapas de abordagem que buscam a compreensão ampla do problema a criação de soluções e a implantação no negócio.

Estas 6 etapas não devem assumir a visão rígida e sequencial como ocorre em alguns processos e metodologias, devem ser encaradas como espaços sobrepostos no decorrer do projeto, alguns ligados à inspiração e coleta de insights, outros relacionados à idealização no qual os insights são traduzidos em ideias e por último na fase da implementação onde as ideias são traduzidas em projetos e planos de ação para sua implantação.

Um projeto de design thinking muitas vezes parece caótico e desordenado para quem não está acostumado com a dinâmica, isto ocorre justamente devido ao modelo de trabalho que geralmente as pessoas e empresas adotam, baseados na linearidade e previsibilidade. Contudo o design thinking propõe uma abordagem diferente para construir soluções disruptivas e com aderência às necessidades dos seres humanos.

Nos próximos textos vamos abordar passo a passo estes três campos de desenvolvimento do processo de design: Inspiração, Idealização e Implementação.

ExibirMinimizar
aci baixe o app