Descentralizar para crescer

Às vezes nos pegamos cobrando dos outros nossos conceitos de certo e errado, esta atitude limita as possibilidades de criação. O líder de uma equipe consegue agregar valor ao grupo quando passa a confiar na capacidade criativa das pessoas. Delegar exige coragem e auto-confiança, é surpreendente observarmos a fluência de uma realização em equipe, a partir de idéias e atitudes individuais trazidas para o objetivo comum do grupo. A liberdade de expressão, além de elevar a auto-estima, proporciona melhor desempenho e produtividade. As pessoas se sentem felizes quando descobrem que são capazes. Uma das formas de construção de uma equipe feliz é conduzir seus componentes a esta certeza. Tenho visto em muitas empresas situações que costumo chamar de efeito Torre de Babel. Ninguém se entende, ninguém sabe o que, quando, onde ou para que. A vida nestes ambientes se transforma em uma eterna interrogação. As pessoas se irritam com facilidade e desistem simplesmente por não saber para onde estão indo, sem direção e sentido, trava tudo, muito trabalho e pouco resultado. A comunicação é um dos principais requisitos para o bom desempenho de uma equipe, a mesma, depende do perfil de quem dirige para que flua sem obstrução. O gerente centralizador retém conhecimento e apenas libera informações fracionadas para os membros do grupo, ou seja, dados. Estes dados desencontrados causam desequilíbrio e insegurança no meio; causa sensação de impotência, sensação de esforço não compatível com os objetivos. A tendência destes modelos de gestão é desenvolver ambientes hostis, onde o principal objetivo passa a ser a procura de culpados para tudo. Em outro plano, o líder descentralizador, distribui informações de forma constante, linear e completa; dirige, coordena, checa se as informações atingiram o destino e valoriza a capacidade criativa individual. Com esta postura do gestor, os componentes do grupo interagem e se completam em torno do objetivo. Neste cenário não há espaço para culpados, e sim, para pessoas pró-ativas e assertivas, cenário este, onde o sucesso é uma conquista natural. Controlar é diferente de centralizar. O controle é necessário para monitorar o desenvolvimento do planejamento e as relações de causa e efeito durante o percurso em busca de metas e resultados. A centralização é nociva, normalmente se respalda em uma montanha de normas criadas pelo próprio gestor, limita a expansão da criatividade e desenvolve uma equipe sem opinião e voz que expresse as idéias. O poder é um exercício que só se estabelece a partir do consenso. O gestor conquista a equipe através de ações técnicas, criando cenário e alternativas para a solução dos problemas, para isto é preciso que tenha conhecimento e domínio sobre a área em que atua; e através da abertura para um conjunto de regras claras e transparentes, que o conduz também a uma relação de confiança diante da equipe. A liberdade de criação, opinião e sugestão, transformam indivíduos em multiplicadores e propagadores do conhecimento. Se o grupo sente a segurança de que está sendo conduzido pelo caminho mais racional, as soluções passam a ser uma rotina e surgem espaços naturais para novas idéias, que levarão equipe a outros níveis e a outras conquistas.
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.