Da gentileza ao voluntariado: Mais uma forma de contribuir para o desenvolvimento do Brasil

O voluntariado é antes de mais nada uma forma de gentileza

No mês de julho publicamos aqui no Administradores o artigo: “8 maneiras de contribuir para o desenvolvimento da sociedade brasileira” (Yagi, 2014). E, continuando a reflexão, decidimos discutir aqui mais duas formas importantes: a gentileza e o voluntariado.

Diversos são os problemas socioambientais em nosso país e é necessário e urgente o fortalecimento de ideias e métodos para o processo de sustentabilidade de todos os meios de vida existentes no planeta: seres humanos, animais e plantas. Neste contexto, tanto a gentileza quanto o voluntariado são métodos transformadores. A palavra “gentileza” (1) vem do latim gentilis ou “da mesma família ou clã”, traz uma ideia de bem-tratar os outros. Já “voluntariado”(2) vem de voluntarius ou própria vontade; de voluntas, vontade, desejo, velle, querer.

Talvez podemos definir, então, que o voluntariado, quando direcionado para outras pessoas, é ação de gentileza motivada pela própria vontade, de forma organizada e que traz benefícios tanto para o voluntário quanto para o beneficiário.

Muitos acreditam que o fenômeno do voluntariado é algo moderno, porém data de eras antigas,“desde os tempos mais remotos era o grupo familiar que cuidava dos membros pequenos, enfermos, deficientes, velhos, viúvos e órfãos” (AEDB, 2014). A Organização das Nações Unidas (ONU, 2014) defende o voluntariado e afirma que é uma ação inclusiva e universal, é ação que fortalece a confiança, a solidariedade e a reciprocidade entre as pessoas e cria oportunidades de participação. Atualmente é comum tanto formas individuais quanto coletivizadas de voluntariado, muito utilizadas para fortalecer os impactos da atuação de Organizações Não Governamentais como também bastante difundida como voluntariado corporativo, quando realizadas por empresas.

No Brasil, o tema foi regulamentado pela Lei.9608/1988. Em seu artigo 1º define o trabalho voluntário como a atividade não remunerada prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza, ou a instituição privada de fins não lucrativos, que tenha objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social. Já o parágrafo único do citado artigo dispõe que: o serviço voluntário não gera vínculo empregatício nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim. Para a formalização do processo de voluntariado é obrigatório a assinatura de um termo de adesão entre a instituição e o voluntário, onde deverão constar expressamente o objeto do trabalho e as condições de seu exercício (art. 2º).

Tanto uma simples gentileza como desejar um bom dia, quanto uma ação mais organizada como o voluntariado são formas positivas de construção do bem estar. Comece hoje com uma gentileza! E, neste exato mês, dia 28 de agosto é celebrado o Dia Nacional do Voluntariado. Faça você também um trabalho como voluntário e multiplique o bem!

Exibir