Cuidados na hora de escolher uma franquia

Uma abordagem comportamental, sobre os risco na hora de escolher uma franquia. Esta abordagem é extensiva a todo tipo de empreendimento

É unanime entre os especialistas em franquias, os apontamentos sobre os principais cuidados, que o empreendedor deve ter, no momento da escolha de uma franquia. Há bons artigos sobe estes apontamentos, alguns até repetitivos. Exatamente por este motivo, pretendo abordar este assunto sob a ótica do comportamento do empreendedor durante o processo tão importante.

O principal cuidado que o empreendedor deve ter, é com seu ego e com o excesso de confiança. Digo isto porque, já presenciei diversos negócios, que tornaram-se inviáveis, ou já eram inviáveis desde o início; mas por uma questão de “honra” (excesso de confiança) o empresário insistiu em investir, e pior que isto, continua insistindo e investindo seus recursos em um projeto inviável. No caso das franquias, este argumento serve tanto para franqueadora, quanto para o franqueado, cito isto e dou exemplo:

É caso do pai que dá uma franquia de presente para o filho ou filha, após sua graduação, para que este por sua vez, tenha uma atividade econômica.

- Filha forma em Odontologia, ganha uma franquia de consultório odontológico.

- Filho forma em Administração, franqueia-se a uma Hamburgueria. Um Food Truck… é tendência de mercado, por que não?!?

Pecado capital… Neste caso a franqueadora é a principal culpada, pois deixou se levar pelo “ego da expansão” e preferiu correr o risco (excesso de confiança) ao colocar um negócio que tem por natureza, o perfil arrojado, nas mãos de um neófito. Cabe aqui a ressalva de que, não estou generalizando os recém formados, apenas dando foco a uma das mazelas deste segmento.

Há também o caso, do candidato a franquia, que já no início percebeu que falta algo mais na negociação com a franqueadora, mas fica acanhado para questionar, porque não tem tanto argumento para conversar com o consultor da franquia. E quando a dúvida é com a bendita DRE (Demonstração de Resultado do Exercício), nem todos empreendedores conhecem finanças e dominam Excel e outras ferramentas; daí, como ele não entende, acaba aceitando; neste caso é a falta de confiança que manifesta e cega a tomada de decisão. Depois quando o negócio está em funcionamento, e os resultados financeiros destoam completamente do que foi projetado no Plano de Negócios (DRE) da franquia, começa a confusão que em diversos casos, vai parar na justiça.

Falando em comportamento, o sentimento neste momento é de frustração mútua…

Por isso, antes da análise de mercado; da avaliação profunda da franqueadora; de visitar franqueados atuais; de avaliar sua capacidade de investimento; de procurar um advogado para estudar a COF – Carta de Oferta de Franquia, o contrato da franquia. Você deve fazer uso constante da razão. Deixa o emocional o ego, a teimosia, o excesso de confiança, para outra ocasião, pois os equívocos em qualquer tipo de investimento, resulta em grandes desembolsos financeiros regado à frustrações, que podem gerar sérios bloqueios e afetar sua capacidade de fazer novos negócios.

Em seu livro A Lógica do Mercado, John Nofsinger adverte sobre o reflexo do excesso de confiança nos investimento:

“Investir é um processo difícil. Envolve coletar informações, analisa-las e, com base nisso, tomar uma decisão. Contudo, o excesso de confiança nos faz interpretar erroneamente a precisão das informações e superestimar nossa habilidade de analisa-las. Isso pode levar a decisões medíocres de investimento, que normalmente se manifestam em excesso de transações, assunção de maiores riscos e ainda prejuízos no portfólio.

Sendo assim, cuidado com o ego de empresário; cuidado com os excessos ou ausência de atitude!

Creio que agora você pode buscar uma franquia, que tenha sinergia com seu perfil; e colocar em prática os principais pontos, que devem ser observados no processo de filtragem e escolha de deste negócio.

  1. Autoconhecimento;
  2. Entender o mercado e o segmento que pretende atuar;
  3. Capacidade de investimento
  4. Seu perfil tem que ter sinergia com a franquia que está analisando
  5. Avalie, questione sobre todos os aspectos a Franqueadora
    • Plano de Negócio e DRE – Demonstração de Resultado do Exercício
    • COF – Carta de Oferta de Franquia
    • Contrato da Franquia
    • Forma de pagamento dos Royalties
    • Taxa de publicidade e outras taxas
  6. Além do consultor da franqueadora, é prudente você buscar outro profissional de sua confiança, que tenha conhecimento e experiência em franchising, para auxiliá-lo na análise do material da franquia. Isto dará maior assertividade à sua tomada de decisão.

Você tem direitos, mas um investimento em franquia; traz consigo muitos deveres para operar uma unidade de negócio, cuja finalidade é gerar “Rentabilidade” (é um conceito que vai além de gerar lucro), e é isto que coloca dinheiro no seu bolso.

E claro, você está comprando muito trabalho, não um sonho! Se prepare para suar a camisa, levantar cedo, dormir mais tarde, negociar o tempo todo, ficar de olho nos resultados, na operação do negócio, nos colaboradores, principalmente nos clientes, e inovar sempre! Não existe outra fórmula para fazer sua empresa ser rentável.

Se te oferecerem algo diferente… Cuidado com seu ego e como excesso de confiança!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento