Coragem: competência que faz parte de um profissional com potencial para ser feliz

Quando um profissional tem coragem, primeiro ele tem algo que é a força que vem do coração, e portanto, é transparente em suas possibilidades e limitações

Quando comecei a estudar a felicidade no ambiente corporativo, e o quanto ela é um fator de resultado e de pessoas mais eficientes e formadores de novos profissionais, uma das competências que se destacou foi a coragem.

Talvez pareça, num primeiro momento, um tanto estranho falar de coragem sem associar a independência ou impulsividade, duas formas prematuras de associação ou quem sabe, uma forma superficial para pensar em coragem.

Descobri que os executivos temem falar de coragem. Lembro que outro dia, em uma empresa cliente, durante uma reunião com o CEO, quando falei de coragem, ele sabiamente me indagou o que eu estava considerando coragem para um segmento tão formal e que presa pela segurança onde a coragem tem um “ tom “ possivelmente na nossa cultura corporativa de ações repentinas, ou uma ousadia sem planejamento.

E nessa mesma reunião tivemos uma bela conversa sobre coragem, o que me ajudou a compor este texto!

Quando um profissional tem coragem, primeiro ele tem algo que é a força que vem do coração, e portanto, é transparente em suas possibilidades e limitações.

Para uma empresa que valoriza a transparência em sua cultura e forma de atuar no mercado, a coragem poderia ser mais importante que o jargão da transparência.

Um profissional que tem coragem, tem como meta interna manter a sua felicidade e ser honesto primeiro consigo mesmo, pilar básico para ser virtuoso com o outro e transparente.

Muitas empresas em suas culturas deixam de considerar este ponto, pois acreditam que transparência é algo óbvio, assim como parte da sua cultura.

Percebi que, ao estudar a felicidade, existe muita confusão entre coragem e ausência de limites. O profissional com coragem e feliz sabe quais são os seus limites e sabe também falar dos seus receios e temores. Porém, busca alternativas e caminhos e sabe trabalhar em equipe com quem tem aptidões complementares para as suas limitações, sem sentir que é menos ou mais.

A coragem faz o profissional entender que somos capazes porque ele lida com os desafios encarando tudo de frente, sem buscar subterfúgios, e sim estratégias que valorizam o time, pois tem consciência que a soma agrega muito mais.

Outro comportamento que percebi nos profissionais felizes e corajosos é a vontade de aprender e a espontaneidade para falar o que ainda desconhece, vi profissionais na posição de CEO’s falarem com clareza: isso eu desconheço, quero aprender ou compreender!

E também vi colaboradores em posição de média gerencia falar o que sabiam sem a menor confiança, mas com a obrigatoriedade de saber tudo! E com a ausência de coragem para assumir suas fortalezas e fragilidades.

Profissionais felizes, e com coragem, tem a total abertura para se colocar e demonstrar a sua capacidade para aprender, inclusive constantemente.

Então, um profissional que tem a coragem como prática em sua vida irá falar com naturalidade o que sabe e o que ainda desconhece, sempre com segurança.

A coragem é um grande facilitador para formar sucessores, pois a consciência de que existe um ciclo é mais percebida pelos profissionais dotados desta competência.

A ausência de coragem faz o profissional achar que é eterno e insubstituível, como se para perpetuar o seu legado ninguém pudesse aprender e nem desenvolver a sua função.

A coragem traz confiança. Como na minha conversa, em um determinado momento, eu disse para o meu cliente que prefiro trabalhar com os profissionais que têm coragem, pois serão claros em tudo. Nada será tratado de forma obscura porque isso só faz sentido para quem tem ausência de audácia e, portanto, pouca confiança em si e nos outros, agindo, às vezes, de forma dúbia, pouco clara ou até efetivamente obscuramente, pois teme ser avaliado e está o tempo todo comparando-se ao outro, sem considerar que o melhor comparativo é você hoje com você ontem.

E como item fundamental para alavancar a carreira, a coragem é uma competência que faz o profissional mais feliz pois ativa a humildade, outra competência que falarei em nossa próxima reflexão, que também faz parte do repertório dos profissionais felizes com sucesso!

A coragem ativa a humildade. E com isto, é possível considerar que nosso melhor pode ser aprimorado todos os dias, para nos atender e assim beneficiar quem se relaciona conosco!

Lógico que acredito que todo profissional, se desejar, pode desenvolver sua coragem e ser feliz profissionalmente e na sua vida. Afinal, estamos aqui para alcançar nossos sonhos com a nossa determinação, aquela que vem do coração!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento