Consumo excessivo, status, poder e endividamento

A busca constante por uma falsa sensação de felicidade, status e poder algumas vezes acabam desencadeando consequências muito prejudiciais à nossa vida financeira e trazendo diversos problemas para o nosso bolso

É fato que nunca fomos orientados de forma efetiva a lidar conscientemente e com planejamento no que diz respeito ao controle do nosso dinheiro fora de nossas casas, e muitas vezes nossos pais também não tiveram o conhecimento necessário para nos educar de forma correta, financeiramente falando. Pesquisas feitas corriqueiramente para nos apresentar números do endividamento da população brasileira, nos provam que a grande maioria das pessoas mesmo na idade adulta, não se dão muito bem com o controle do seu dinheiro. Agindo como potencializador, o fato das tendências do consumo não estarem mais restritas às vitrines das lojas, mas expostas nas pessoas, nos lugares, nos carros e na mídia, juntamente com a imensa variedade de produtos e serviços que nos são ofertados massivamente em todos esses meios de comunicação, muitas vezes colaboram diretamente para que acabemos por consumir mais do que realmente temos capacidade para pagar.

O consumo excessivo pode ser muito prejudicial à nossa saúde financeira, principalmente quando é relacionado diretamente aos fatores STATUS e PODER. A falsa satisfação trazida pelo dinheiro, parece vir não do fato de simplesmente possuí-Io, mas sim de possuir mais do que os outros. Numa sociedade de consumo, ter dinheiro significa poder consumir e é também sinônimo de busca de felicidade e status. A compra de um produto tido como importante pelo grupo social ao qual o consumidor pertence produz uma imediata sensação de prazer e realização, geralmente conferindo status e reconhecimento a seu proprietário.

A crescente divulgação pelos meios de comunicação, sites e redes sociais dessa “falsa verdade” onde tenta-se estimular a ideia de que é mais legal, mais descolado ou mais poderoso quem tem os últimos lançamentos da tecnologia, o carro mais moderno, a roupa mais legal, frequenta os melhores lugares é fator primordial para que muitas vezes, este falso status acabe desequilibrando e levando muitas pessoas a cair nos juros do cheque especial, se endividando com cartões de crédito onde os juros são geralmente muito altos e além disso, utlilizando uma prática que está se tornando comum e de fácil acesso, a aquisição de empréstimos, ou seja, adquire-se uma nova dívida para pagar dívidas antigas e assim por diante. Isso na maioria das vezes, para ostentar um padrão de vida que não condiz com sua realidade.

Não existe uma fórmula mágica para evitarmos essas “armadilhas” que se tornam cada vez mais frequente na nossa realidade, o que podemos fazer é ter a consciência que o importante é que sejamos honestos, educados e solidários com as pessoas ao nosso redor, importante mesmo é sentir-se bem no nosso convívio diário, importante mesmo é termos nossa consciência tranquila. Isso sim é o que nos dá um status admirável, que faz com que tenhamos uma vida equilibrada.

Focando numa vida financeira saudável, é extremamente importante que nossas despesas e dívidas sejam baseadas na nossa renda fixa de todo o mês; com calma, equilíbrio e aceitação dos nossos limites financeiros, torna-se muito mais fácil balancear e medir até onde podemos gastar nosso dinheiro de forma saudável.

Busque informações pertinentes ao dinheiro, busque conhecer como são feitos os cálculos dos juros quando for adquirir algo a prazo, avalie com calma e pense se realmente vale a pena adquirir uma dívida ou se o melhor é economizar para comprar a vista, informe-se das possíveis formas de investimento e tudo mais que tenha relação direta com o dinheiro. A melhor forma de levar uma vida equilibrada é baseando-se em conhecimento e não no consumo excessivo, status ou poder. Com o conhecimento levado em primeiro plano as demais coisas que podemos julgar como importantes acabam vindo até nós naturalmente, inclusive status e poder se esses forem seus planos.

Muito obrigado e até a próxima! Empreenda-se!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento