COMPETÊNCIA X AUDÁCIA

O QUE É COMPETÊNCIA? No dicionário, é a capacidade de mobilizar conhecimentos, habilidades, poder de decisão, para ações de modo pertinente em determinadas situações, fazendo uso da idoneidade, aptidão, poder e concorrência. O QUE É AUDÁCIA? No dicionário, é ter força de vontade e coragem para transpor todos os obstáculos, fazendo uso do atrevimento, do denodo, da ousadia e dos valores. Todo o Brasil assistiu na última quinta-feira, 14 de Julho, o jogo [São Paulo X Atlético Paranaense], pela copa libertadora da América, da qual qualificou o clube paulista como o grande campeão desta competição interclubes no hemisfério sul, garantindo o direito de representar o país em torneio mundial que acontecerá no Japão em Dezembro próximo da qual pode vir a ser o campeão mundial de clubes. A inserção deste pequeno comentário tem o objetivo, de trazer ao cotidiano das corporações, o muito que se aprende com as equipes esportivas nas diversas modalidades sobre, treinamento, valorização do ser humano, liderança, motivação, superação, competências e outros jargões que visam elevar as qualidades e estima de determinados grupos, neste jogo tivemos uma grande contribuição neste sentido. Especialmente neste jogo, [São Paulo X Atlético Paranaense], foi possível tirar muitos e proveitosos ensinamentos sobre o que acima titulamos, ou seja: COMPETÊNCIA X AUDÁCIA. A equipe paranaense foi competentíssima até aquele jogo final, más foi sistêmico, seu coaching, ANTONIO LOPES, tinha nas mãos um grupo aguerrido, voluntarioso e sedento por vitórias, más quando o adversário chamou a responsabilidade para si, já era sabido pelo coaching adversário, PAULO AUTUORI, até onde poderiam chegar. O clube paranaense tinha [três] atletas no seu grupo que poderiam definir o resultado do jogo. Fabrício, Lima e Aloísio, o primeiro não conseguiu definir uma bola parada sequer, um escanteio para melhor aproveitamento dos companheiros, e para culminar com sua negra jornada, perdeu a penalidade máxima, na melhor hora para mudar a história da sua vida, e do clube que defende, ele não é culpado, isso acontece com todos os grandes craques da posição, más seu líder lhe confiou á tarefa. Os outros dois quase nada puderam fazer, pois dependiam total e exclusivamente de um bom desempenho do primeiro, eram as suas tarefas segundo seu líder. O clube paulista, como seu adversário, também foi competentíssimo, más foi também audacioso (detalhe), seu líder tinha no grupo nada menos que [nove] atletas, com possibilidades de definir o resultado do jogo. O goleiro Rogério um dos artilheiros da equipe, Cicinho, Junior, Mineiro, Danilo, Luizão, Amoroso, Diego Tardeli e Souza, comandados pelo seu coaching, em nenhum momento foram sistêmicos, devido ao grande número de variações de jogadas treinadas, que se apresentou durante a partida. E nas empresas. Resumindo para o objetivo em questão, [o cotidiano corporativo], podemos tirar como lição de aprendizado naquele cenário, [uma partida de futebol] que nas corporações modernas o coaching enfrenta essas mesmas batalhas diariamente, em relação á concorrência, cumprimento de metas, objetivo de aportes financeiros, produtividade e qualidade _ No cotidiano corporativo não são possíveis ser-mos apenas competitivo, é imprescindível ser competente e audacioso, todo líder moderno, certamente deseja ter no grupo de trabalho, todos potencialmente aptos, para desenvolver todas as tarefas que se apresentam no decorrer de uma jornada de trabalho. Nas empresas de hoje é mensurável os dois exemplos citados neste conteúdo. Temos empresas competentes que faz da jornada de um dia de trabalho, varias tarefas, más no final do expediente, um colega olha para o outro dentro do grupo, fazendo a pergunta que nunca quer calar: Porque não foi um bom dia de trabalho hoje? Onde, erramos? O que faltou? O que foi que o líder falou mesmo? Trabalhamos tanto e o resultado? E porque estamos tão exaustos? Muito bem, temos amanhã para recuperar este fracasso no desempenho. Aqui existe demonstração de que houve perdedores. E temos empresas, competentes más aliam-se aí a audácia do líder e do grupo, que faz da jornada de um dia de trabalho, varias tarefas, e no final do expediente, um colega olha para o outro se perguntando, onde vamos comemorar o brilhante desempenho de hoje? Estamos exaustos, más felizes pelo dever cumprido, amanhã é outro dia, uma nova batalha teremos pela frente, com certeza melhorando o sucesso de hoje, porque em time que ganha se mexe [SIM], parabéns ao grupo, todos pegaram juntos hoje é assim que faremos á empresa de amanhã, avisem ao líder que estamos saindo para o merecido descanso. Esta é a diferença, não houve perdedores, más, ganhadores. Todos. Observamos então, que a diferença de comando de um coaching, numa partida de futebol entre, [São Paulo e Atlético Paranaense] e as empresas modernas, foi o comprometimento com o objetivo, ambos queriam ser campeões e levantar o troféu, más somente um poderia ser e o fez pelo caminho mais curto, usando a competência aliado a audácia, de seu líder junto aos comandados. Nas empresas, todas querem ser, as melhores do mercado do cenário corporativo, as mais atuante nas questões sociais e ambientais, as que melhores investimentos fazem na mídia, desejam ver a sua marca constantemente lembrada pelo consumidor, sabemos que isso é possível desde que aliamos a competência e audácia de nossos titulares, coaching e colaboradores, sem este tripé de sustentação não haverá vitórias. Muito sucesso nesta semana a todos os internautas, não sou torcedor das equipes citadas nos exemplos, sou vascaíno, más, do ótimo jogo que assisti, selecionei este [detalhe] que resolvi compartilhar com todos. VALTER ERNESTO DA SILVA _é Consultor de R/Humanos.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    VALTER SILVA

    VALTER SILVA

    Consultor de Recursos Humanos, Coordenador de Treinamento General Motors do Brasil,
    Formando em Administração de empresas
    e Sociologia,
    Casado(esposa e 1 filho).
    café com admMinimizar