Como uma ideia de sucesso deve ser descrita?

Veja 3 dicas para descrever melhor a sua ideia

Quem já pensou que teve a ideia mais criativa e revolucionária sabe que, após o período da Eureka e da euforia de compartilhar com alguém, logo vem a expectativa do feedback. Muitas vezes a resposta sai: "Eu não entendi aonde você quer chegar com isso!!!".

Há um assomo de frustração por parte do criador da ideia, e um constante questionamento do que saiu errado inicia a rondar a sua mente.

Listei 3 possíveis fatores que levam à falta de entendimento de sua ideia.

1# A maldição do Conhecimento

Em 1990, Elizabeth Newton, de Stanford, conduziu o experimento "Os ritmistas e os ouvintes" que demonstrou como o domínio do conhecimento sobre algo pode atrapalhar sua forma de transmissão. Os ritmistas eram convidados a batucar sobre uma mesa uma canção bastante conhecida (ex: "Parabéns a você") para os ouvintes. Os ouvintes tinham que adivinhar a canção.

Das 120 canções que foram batucadas pelos ritmistas, apenas 2,5% foram adivinhadas pelos ouvintes. Antes da tentativa, era perguntado ao ritmista qual era probabilidade de que o outro adivinhasse. A média tinha sido de 50% de chance de sucesso. Mas apenas 1 a cada 40 tentativas que ocorria um acerto e não 1 a cada 2, como previsto.

A suposição de que algo tão fácil possa ser depreendido pelo receptor é uma falsa premissa de quem origina algo. O excesso de conhecimento pode turvar a capacidade de entender como o outro compreende. Para o mundo das ideias é o cadafalso.

2# A paralisia da Decisão

O pressuposto de que muita variedade de produtos é bom foi derrubado por um simples experimento. Dra. Iyengar e Dr. Lepper, Columbia e Stanford, respectivamente, reproduziram dois expositores de geleias em um mercadinho de maior requinte na Califórnia. Por um período de 5 horas, colocaram à disposição dos consumidores no primeiro expositor 24 tipos de geleias. E no segundo expositor, uma oferta mais limitada de 6 geleias.

Os consumidores podiam experimentar quantas geleias quisessem e recebiam um cupom de 1 dólar de desconto quando passassem pelo caixa da loja. No primeiro expositor passaram 242 consumidores de 386 presentes na loja, mas apenas 145 pararam (60%), e no segundo expositor, de oferta mais limitada, passaram 260 consumidores de 368 presentes na loja, mas apenas 104 pararam (40%). Mais consumidores pararam no expositor que tinha mais ofertas de geleias. No entanto, os resultados mostraram que em ambos a média de tipos experimentados foi de 1,5 geleia. Na consequente compra de geleia no caixa, com o estímulo do cupom, 31 consumidores que pararam no expositor com oferta mais limitada adquiriram geleia, ou seja, 30%. Já no caso do expositor com maior oferta, apenas 3% dos consumidores adquiriram geleia.

A conclusão do estudo mostra que muita variedade pode levar à paralisia de quem está envolvido com o consumo ou uso da ideia.

3# A distorção da Mensagem

A mensagem transmitida por mais de 5 pessoas tende a perder os detalhes e a consistência da ideia. Um experimento foi conduzido por Leo Postman e Gordon Allport, na década de 40, onde era solicitado aos participantes que descrevessem uma foto de forma mais acurada possível ao próximo participante. Após uma cadeia de participantes receberem a descrição da foto, os pesquisadores concluíram que:

  1. ocorre uma diminuição progressiva da acuracidade da descrição
  2. aumento da simplificação da descrição
  3. a descrição se conforma aos desejos e crenças prévias dos participantes

Uma ideia pode perder força pela falta de clareza de sua descrição.

Considerando esses 3 fatores, algumas lições são importantes a tomar quando se está descrevendo uma ideia:

I) Clareza: descreva a ideia de forma mais clara possível, colocando a mensagem na faixa de compreensão da sua audiência, dosando a oferta e sua variedade no limite da necessidade de quem usa ou consumirá.

II) Simplificação: reduza a complexidade de sua ideia a elementos simples, ou elimine elementos onde a complexidade pode atrapalhar o conceito e o projeto. Exerça a arte da simplificação.

"Precisamos fazer as coisas o mais simples que puder, mas não as mais simples" - Albert Einstein

A figura, a seguir, mostra a dose certa de simplificação da ideia. Nem tão complexa, nem tão simplista, com perda em ambos extremos. Encontrar a dose certa exige um grande esforço do criador.

III) Execute com paixão: para que a ideia influencie o grupo de projeto e o desejo de comprar do consumidor, a paixão na ideia por parte do criador deve ser transmitida em dose suficiente para que estabeleça um cuidado, uma atenção e uma preocupação com a ideia.

O vídeo, abaixo, mostra a teoria do Golden Circle que explica como a paixão de criadores, como Steve Jobs, embutem nos produtos, que angariam a atenção permanente dos consumidores pelos benefícios das ideias geradas.

O treino nessas 3 lições podem aumentar bastante as chances de sucesso de suas ideias.

ExibirMinimizar
Digital