Como uma empresa deve inserir a ética e a sustentabilidade em seu ambiente interno e externo

Hoje o ambiente das empresas deve ser trabalhado como sendo uma estratégia empresarial. O paradigma precisa ser quebrado e as empresas passarem a obter vantagens competitivas pelo meio de uma gestão sustentável

Ética e sustentabilidade andam juntas. Porém ética busca o bem dos seres humanos, já a sustentabilidade visa o bem do planeta e das espécies como um todo. Uma nova forma de definir esses termos seria ética planetária. O tema vem ganhando cada vez mais destaque, há algum tempo a bola da vez são as empresas. Pois estas impactam diretamente e com mais intensidade o meio ambiente e a sociedade em que estão inseridas, devido sua geração, seu tratamento e seu descarte de resíduos. Esse problema não será revertido de imediato, é necessário entendermos o atual cenário, olhar com serenidade, dar o primeiro passo rumo a mudanças e a quebra de paradigma, só fazer o máximo já não é o suficiente.

O paradigma atual de crescimento tem os moldes voltados para o capitalismo, visando o lucro. O desenvolvimento econômico gera vários benefícios para a sociedade, enquanto os recursos naturais são tratados como meros insumos para produção de bens, é preciso encontrar uma forma de balancear esses fatores. Este modelo de negócio não é sustentável ao longo do tempo. As empresas precisam respeitar os ciclos do meio ambiente e cuidar para que eles aconteçam de forma natural e não forçada como acontece em vários lugares. Não adianta tornam as empresas mais eficientes, esse fator pode ter o resultado contrário e negativo, ao invés de diminuir o consumo, fazer com o mesmo aumente. O que deve ser feito é trabalhar em busca do equilíbrio sustentável, consumo x reabastecimento. Trabalhar de forma sincronizada e racional de forma que até os stakeholders sejam envolvidos e se conscientizem do que precisa ser feito e de como deve ser feito.

É preciso agir enquanto ainda é tempo, unir as nossas forças e traçar estratégias que irão trazer resultados em curto prazo. Sair da nossa zona de conforto e atentar as pessoas a nossa volta. Nesse momento não podemos ter vaidade, devemos pensar no bem comum, o planeta pede socorro. Para que o primeiro passo seja dado, a sociedade precisa de conscientizar que será preciso o envolvimento de todos para viver uma mesma ética planetária e com responsabilidade social e ambiental.

Sendo assim, para uma empresa inserir ética e sustentabilidade em seu ambiente interno e externo, é indispensável que ela busque por colaboradores que enquadrem em seus princípios éticos e ambientais, que a empresa e seus funcionários propaguem estes valores de forma assídua na sociedade, que a empresa possua posturas éticas e morais em sua filosofia, de forma que os stakeholders sejam inseridos nesse contexto e ainda desenvolver políticas de desenvolvimento sustentável em benefício próprio e da sociedade em geral.

Hoje o ambiente das empresas deve ser trabalhado como sendo uma estratégia empresarial. O paradigma precisa ser quebrado e as empresas passarem a obter vantagens competitivas pelo meio de uma gestão sustentável. A responsabilidade socioambiental virou necessidade básica no meio empresarial, não se pode afirmar que todas as empresas estão engajadas em ter juma gestão sustentável dos recursos naturais. A empresa que não se adequar a estes novos parâmetros de crescimento sustentável está correndo grande risco de continuidade e competitividade. A questão socioambiental vem ganhando força quanto ao enquadramento das empresas nesses novos caminhos e exigências do mercado, direcionando suas ações em todos os níveis em prol de uma nova realidade de mercado que visa o comércio global e corretamente ecológico. Além disso, as organizações estão sendo mais cobradas em todos os âmbitos, pois além de terem que dar retorno aos seus investidores, elas ainda precisam atender as exigências sociais e ambientais.

O mercado está cada vez mais criterioso, empresas e pessoas mais exigentes em busca de parceiros e produtos que tratam com seriedade e responsabilidade os recursos naturais. Isso não é modismo, mais sim uma nova tendência no mercado empresarial e no meio social. Uma vez que as atividades das empresas impactam diretamente a todos em sua volta, os stakeholders são peça chave nesse novo cenário que se forma, pois são detentores de interesses e vão ou não contribuir para a continuidade das atividades da empresa a médio e longo prazo. As empresas devem se adequar as essas exigências, de forma que fiquem claro seus objetivos no que diz respeito a medidas preventivas na área socioambiental.

Exemplo desse novo cenário são as empresas de prestação de serviço em injeção e comercialização de solados para calçados que adequaram alguns de seus processos com intuito de contribuir com o meio ambiente e ainda reduzirem seus custos operacionais, no processo atual eles tratam e reaproveitam a água que é utilizada para resfriamento das injetoras (máquinas) e ainda reaproveitam sobras de matérias primas que por sua vez são misturadas a novas matérias primas virgens, não ficando prejudicada a qualidade e durabilidade do produto final. Outra ação que poderia ser feita, era a instalação de placas que captariam energia solar para funcionamento das máquinas, ou para funcionamento de lâmpadas e outros equipamentos necessários. Outra alternativa seria a captação de água da chuva e seu tratamento para ser utilizada no processo de resfriamento das injetoras citadas no primeiro exemplo.

As empresas precisam ser estratégicas e encontrar o equilíbrio no desenvolvimento de suas atividades, ser eficiente em seu consumo e no desempenho de suas tarefas, buscar um cenário onde se propicie produzir mais com menos. Esse é o novo desafio empresarial.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento