Como se preparar para uma entrevista por competências

A partir das consultorias que faço em empresas de diferentes tamanhos e segmentos, tenho percebido a utilização cada vez maior da entrevista por competências nos processos de recrutamento e seleção

Em conjunto com dinâmicas de grupo e testes para identificação de valores e perfil comportamental, a entrevista por competências dá insumos muito importantes para que a empresa faça uma contratação mais assertiva. Para você compreender melhor como funciona esse tipo de entrevista, falarei brevemente sobre o conceito de competência. Apesar de ser um conceito bastante disseminado, não custa nada lembrar. A definição mais conhecida de competência tem por base o famoso CHA, sigla que significa:

Conhecimento, ou seja, o que você sabe. Exemplo: ler um livro e passar a conhecer como se comunicar melhor com as pessoas.

Habilidade, que significa o que você sabe fazer com o conhecimento que você tem. Indica também como você faz determinada atividade. Exemplo: comunicar-se de forma clara e objetiva. Aqui, o conhecimento “como se comunicar melhor com as pessoas” foi aplicado na prática e pode ser observado por todos. É, pois, uma habilidade.

Atitude, que corresponde às características pessoais, próprias ou desenvolvidas ao longo dos anos, que indicam uma pré-disposição em fazer bem alguma coisa, de forma espontânea. Exemplo: uma pessoa naturalmente com tranquilidade e empatia, tem uma pré-disposição a estabelecer uma boa comunicação.

Eu posso dizer para você que uma pessoa tem certa competência quando ela apresenta determinadas características pessoais + alguns conhecimentos e faz uso deles, demonstrando através de comportamentos. Considerando este conceito, as empresas buscam profissionais que apresentem as competências necessárias para cada cargo. Veja um exemplo: uma das competências exigidas para um Gerente de Recursos Humanos é a Liderança. Isso significa que o futuro gerente precisa apresentar alguns conhecimentos (como saber o conceito de feedback), habilidades (por exemplo, saber aplicar feedback com foco no desenvolvimento das pessoas) e atitudes (saber ouvir, ser tranquilo) para que seja identificada a existência dessa competência.

No processo de recrutamento e seleção, o conhecimento dos candidatos pode ser checado através de testes escritos e orais, ou também por meio da apresentação de certificados. Para o reconhecimento de atitudes, geralmente são utilizados testes para mapeamento de perfil e valores, bem como algumas dinâmicas em grupo. E, para entendimento das habilidades dos candidatos, além de estudos de caso e dinâmicas, a entrevista por competências vem sendo cada vez mais utilizada.

Quando se fala em entrevista por competências, parece até que é algo muito complexo, mas é bem mais simples do que você possa imaginar. Lembre-se que a empresa quer saber se você tem determinadas habilidades, ou seja, como você se comporta em determinado contexto. Para isso, serão feitas perguntas sobre situações que você já vivenciou. A resposta que você dá para cada pergunta é analisada de acordo com a seguinte estrutura:

Para que você entenda melhor, voltemos ao exemplo do Gerente de Recursos Humanos. O recrutador vai entrevistar um dos candidatos e precisa saber se ele sabe como aplicar feedback. Uma das perguntas pode ser assim: “Fulano... você pode me dar o exemplo de uma situação em que você tenha dado feedback assertivo para um colaborador?” para responder de forma clara esta pergunta, o candidato deverá, primeiramente, contextualizar a situação, ou seja, dizer o que o colaborador fez para que fosse necessário um feedback (positivo ou negativo). Depois, irá descrever exatamente como agiu na reunião de feedback: como começou a falar, o que disse, qual foi a reação do colaborador. Por fim, precisa indicar qual foi o resultado do feedback. Se foi um feedback sobre comportamento negativo, por exemplo, pode dizer se o colaborador mudou ou não o seu comportamento.

Certamente você precisa apresentar exemplos em que você tenha obtido êxito. No caso de o recrutador perguntar sobre uma situação em que você não obteve sucesso, é recomendável que você analise a situação, indicando o que considera ter gerado o insucesso e também qual foi o aprendizado com essa situação. Todos somos humanos e passíveis de erros. Não adianta vender-se como um profissional perfeito. Errar faz parte e aprender com o erro demonstra maturidade pessoal e profissional.

Considerando essa estrutura, você consegue se preparar para dar as informações de que o entrevistador precisa para identificar se você tem ou não as competências necessárias para a vaga em questão. Mas, quais são as competências que as empresas normalmente buscam? Isso varia muito conforme a empresa e a vaga, mas, em geral, algumas competências são requisitadas frequentemente pela maioria das empresas: liderança, automotivação, trabalho em equipe, criatividade, cuidado com as pessoas, capacidade de aprendizagem, comprometimento, flexibilidade, capacidade de negociação e resiliência. O ideal é que você consiga identificar as competências requeridas para o cargo no perfil da vaga. Porém, caso não esteja descrito, você poderá usar as que eu acabei de relacionar. Pense em situações que já tenha vivenciado e apresentado essas competências. Pense qual foi a situação, como você agiu e qual foi o resultado.

Algo importante a saber é que não existem respostas padrão. Cada empresa pode buscar profissionais com habilidades diferentes, de acordo com sua cultura, valores e também com o perfil da vaga. Portanto, esqueça frases prontas. Busque mostrar as suas experiências e como você lidou com elas. O mercado de trabalho exige hoje que os profissionais tenham diferenciais. Você é um profissional único, com experiências únicas. Apresentar de forma estruturada seus acertos e o que aprendeu com seus erros fará toda a diferença em um processo seletivo. E, se você não for escolhido para a vaga, não significa que seja um profissional ruim, apenas que não tinha o perfil procurado pela empresa para aquela vaga. Esse momento é válido para você buscar seu aprimoramento profissional não apenas em termos de conhecimentos, mas também no desenvolvimento de novas habilidades, preparando-se para outras oportunidades que venham a surgir. Mantenha o foco e boa sorte!

Artigo originalmente publicado em: http://www.coachmarianavidal.com/

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento