Como levantar capital para abrir seu próprio negócio

Vamos centrar nosso trabalho no desafio de conseguir recursos para abertura de pequenos negócios, uma vez que o momento marcado pela crise que assola o Brasil, vem exigindo que muitas pessoas busquem soluções para suas dificuldades de renda, na criação de negócios de pequeno e médio porte

Para quem está nesse momento passando pela experiência de dar vida ao seu próprio negócio, ou está pensando em começar, vamos fazer uma viagem pelo caminho das possibilidades e verificar diversas linhas de atuação para esse tão importante momento de vida.

O sonho ou a necessidade de abrir o próprio negócio muitas vezes esbarra na dificuldade de conseguir o dinheiro para custear o projeto. Vivemos num país onde a maioria dos novos empreendimentos acontece por necessidade das pessoas que perdem o emprego, ou então, recebem salários insuficientes para fazer frente às suas despesas pessoais ou familiares.

Nesta oportunidade, vamos centrar nosso trabalho no desafio de conseguir recursos para abertura de pequenos negócios, uma vez que o momento marcado pela crise que assola o Brasil, vem exigindo que muitas pessoas busquem soluções para suas dificuldades de renda, na criação de negócios de pequeno e médio porte.

Ao pensar em abrir um negócio, as pessoas que não possuem o montante necessário para a instalação pensam logo em empréstimo. E empréstimo lembra banco. Quantas pessoas se depararam com a decepção de sentar diante de um gerente de agência bancária, pedir informações sobre empréstimo para novos empreendimentos e saíram de lá com um sentimento muito ruim. Sem ver saída para a sua necessidade.

Tenha a certeza que existem outras possibilidades para você conseguir levantar capital para abrir seu próprio negócio.

Eu sei que você está ansioso para conhecer essas alternativas, mas não seria aconselhável entrarmos no assunto antes de falarmos da necessidade de criar a imagem e a estrutura daquilo que você está pensando empreender. É de fundamental importância que você organize seu pensamento e crie um modelo de negócio. Não se assuste, porque vou indicar para você um modo extremamente fácil de transformar a sua ideia em uma estrutura básica daquilo que está na sua cabeça. Você não terá que usar metodologia sofisticada e nem se apropriar de sistemas complexos para isso. Agora, se você acredita que pode começar tudo sem nenhum tipo de planejamento, aí esse material não foi preparado para você, porque não acreditamos e não incentivamos a criação de negócios que já começam de forma desorganizada e sem nenhum preparo.

CRIANDO A ESTRUTURA DO SEU NOVO NEGÓCIO

A ferramenta que vamos indicar permite que você trabalhe sem a ajuda de um consultor, por ser um instrumento de fácil entendimento. Chama-se Canvas de Modelo de Negócio. Você pode encontrar o Canvas de Modelo de Negócio nesse site do Sebrae: www.sebraecanvas.com. Esse modelo é composto por 9 componentes que você utilizará para definir e organizar sua ideia de negócio que está ainda meio confusa na cabeça. Veja tutorial e apostila disponíveis para orientação de utilização do instrumento.

Você vai estruturar sua empresa com base nos componentes descritos a seguir:

1. Segmento de clientes – aqui você vai definir para quem está criando produtos e oferecendo benefícios – quem serão seus clientes;

2. Proposta de valor – você irá descrever quais serão seus produtos e que soluções eles oferecem para os futuros clientes;

3. Canais – você vai pensar e decidir qual é forma de levar seus produtos até os potenciais clientes – loja, entrega expressa, venda pela internet; distribuidor, revendedor, venda porta a porta e etc.;

4. Relacionamento com clientes – deve refletir o tipo de atendimento que você dispensará aos seus clientes e como fará para mantê-los comprando da sua empresa;

5. Fontes de receita – deve demonstrar de onde virão as receitas da empresa e qual as perspectivas de lucro;

6. Recursos principais – aqui você descreverá todos os recursos necessários para o funcionamento da empresa – dinheiro, instalações, móveis, máquinas, automóveis, pessoas e etc.;

7. Atividades-chave – descreve as principais atividades que serão necessárias para o funcionamento da empresa – comprar, produzir, vender, receber, pagar, gerenciar e etc.;

8. Parcerias principais – deve descrever todas as parcerias que a empresa poderá realizar para produzir seus resultados – fornecedores, compartilhamento de espaços, transportes, vendas coletivas, compras coletivas e etc.;

9. Estrutura de custos – prever os principais custos que a empresa terá que administrar, os quais serão deduzidos das receitas, gerando o lucro – aluguel, salários, matéria-prima, produtos para venda e outros.

Essa ferramenta tem a vantagem de permitir a você ser simples ou sofisticado. Ela serve para estruturar pequenos, médios ou grandes negócios. Não deixe de conhecer.

Se você fez o seu Canvas de Modelo de Negócio, parabéns. Está pronto para entrar para o mundo dos empresários com maior possibilidade de sucesso. Com isso você já pode demonstrar o potencial do seu negócio para pessoas, gerentes de banco, investidores, possíveis sócios e outros. Você tem nas mãos algo tangível que demonstra que você sabe para onde está indo. E mais, de posse desses dados poderá avaliar as possibilidades de sucesso e tomar decisões para ajustar e/ou adaptar a ideia inicial, promovendo melhorias antes de começar.

Você poderá até abandonar o projeto e isso será melhor do que ter que recuar depois de já estar instalado e perceber que não deu resultado. Porém, se decidir ir em frente é porque tem futuro.

Mas, ao estabelecer contato com pessoas, instituições financeiras e outros órgãos, você poderá ser convidado a elaborar um Plano de Negócio, que é uma ferramenta de planejamento de novos negócios, bem mais completa. Com ela você descreverá de forma completa o que será, como vai operar e que resultados produzirá seu negócio. Para negociar com bancos de investimento, investidor anjo, ou outros órgãos financiadores é muito provável que você precise fazer isso.

Mas, vamos lá. Agora já podemos falar das possibilidades que se apresentam no mercado e que você poderá ir atrás.

Mas, não esqueça que antes de sair em busca de recursos no mercado você deve saber o montante que irá precisar e a destinação desses valores, ou seja, quanto precisará para colocar a empresa em funcionamento e quanto será necessário para capital de giro, para suportar as operações nos primeiros meses, quando ela ainda não produz resultados suficientes para cobrir os custos e despesas. Esses dados são muito importantes e devem estar minuciosamente descritos em seu plano de negócio, ou no seu planejamento a partir do Canvas.

Levante todos os valores que você vai precisar investir em mercadorias, móveis máquinas, computadores, ferramentas, veículos e etc. e atribua um percentual de 20% a 30% desse montante para o capital de giro. Veja se o valor destinado a capital de giro será suficiente para realizar a programação de vendas e de despesas, que você estabeleceu para os meses futuros. Cada caso tem suas particularidades e você deverá levar em consideração para não calcular abaixo ou acima da necessidade.

ALTERNATIVAS PARA LEVANTAR RECURSOS

Recursos próprios

Utilizar seu próprio dinheiro para abrir um novo negócio é o melhor dos mundos. Assim você não começa com dívidas e fica com fôlego para, se for o caso, fazer empréstimo somente para capital de giro, se precisar, dependendo do tipo de negócio que vai abrir. Uma posição excelente é iniciar com tudo pago e ainda ter uma reserva para cobrir possíveis necessidades de capital de giro, nos primeiros meses do empreendimento. Isso não dispensa a necessidade de um bom planejamento inicial e um gerenciamento adequado do negócio, depois da instalação. Mais de 60% das pequenas empresas que fecham as portas em até 2 anos, o fazem por problemas de gestão, seja por despreparo ou por decisões destemperadas.

Empréstimos de familiares e/ou amigos

Sempre existe a possibilidade de se levantar dinheiro entre os membros da família ou com os amigos. Essa modalidade é bastante favorável porque torna o processo simples e descomplicado, sem a necessidade de cadastro, garantias, aval, taxas de concessão de crédito e etc., tornando tudo mais rápido e sem dúvida, mas barato.

Encontrar sócios ou investidores pessoas físicas

Existem muitas pessoas que podem estar com dinheiro disponível, querendo aplicar, mas não se dispõem a implantar um negócio. Elas podem se tornar sócias e participarem da gestão do negócio, ou não, dependendo da situação de cada um. Em alguns casos um sócio poderá complementar alguma deficiência sua. Você pode ser muito bom em determinadas áreas, mas ter deficiência em outras. Isso é comum. Veja a situação de um excelente mecânico que trabalhava em uma concessionária de veículos e foi dispensado pela empregadora. Ele sabe tudo de mecânica de automóveis, mas muito provavelmente não terá habilidade para administrar uma oficina própria. Se encontrar um sócio que faça a gestão administrativa, tudo poderá dar muito certo e o resultado será excelente para ambos. Histórias dessa natureza povoam o meio em que vivemos. Por isso é muito importante a rede de relacionamento que temos. Mas, se não conhecemos ninguém que possa somar conosco num projeto de negócio, vamos conversar com nossos amigos e pessoas próximas, falando da nossa intenção. Vale tentar e insistir na ideia.

Investidores anjos

São pessoas ou grupos que dispõem de grandes somas de recursos e estão dispostas a investir em projetos que tragam melhores possibilidades de rendimentos. São pessoas acostumadas a riscos nos seus investimentos, porque possuem estrutura e informação suficientes para realizarem operações dessa natureza. Essa modalidade é bastante comum na Europa, Estados Unidos e outros países mais desenvolvidos, mas o Brasil já está atraindo um bom número desses recursos. Ocorrem muitos eventos pelo Brasil, nas principais cidades, com o objetivo de ofertar possibilidades de financiamento de projetos empresariais, aproximando investidores e empreendedores.

Fique atento e pesquise na internet, que você vai se surpreender com a quantidade de sites a respeito do assunto. No entanto, essas possibilidades exigem Projetos e Planos bem elaborados. Normalmente esses investimentos ocorrem após a instalação da empresa, quando ela já demonstra potencial real no mercado em que atua, mas isso não é regra. Se a sua ideia for muito boa e tiver potencial, poderá conseguir o financiamento do projeto. Você vai entender porque insistimos tanto na organização e consistência do seu planejamento. E se você sair por fora, com a sensação de que burlou alguma regra, ou enganou um bobo na casca do ovo, vai sentir a dor lá na frente, quando ver os organizados correndo na frente e deixando a poeira para quem não se profissionalizou. Pense nisso!

Empréstimo bancário

Existem bancos oficiais e até bancos privados que se dedicam a fomentar as pequenas empresas, porém, essas operações são mais destinadas a empresas já existentes no mercado e que já tenham histórico de movimentação com o banco. Para a abertura de novos negócios poderá ser mais fácil o financiamento de máquinas e equipamentos junto a bancos oficiais e depois buscar empréstimo para capital de giro.

Através de empréstimo bancário você poderá encontrar mais facilidade para financiar franquias, porque essa modalidade de negócio já possui modelo de gestão bem estruturado, sem contar que a franqueadora negocia com determinados bancos o financiamento dos futuros empreendedores. Tome muito cuidado com as taxas de juros cobradas pelos bancos, apesar de não considerarmos abusivas, sabemos que qualquer empresa terá dificuldade de produzir resultados capazes de cobrir custos de financiamentos com taxas elevadas. Você poderá receber oferta de empréstimo para pessoa física, levantando o recurso em seu nome e transferindo para a empresa. Avalie com cuidado e via de regra essa não é uma saída interessante, pois os juros, certamente, não são razoáveis.

Incubadoras de empresas

Você poderá conseguir colocar seu projeto em uma incubadora de empresas e receber apoio para instalação e gerenciamento durante um período, até a graduação, como é chamado o período de desligamento da empresa, quando ela já está consolidada e andando com as próprias pernas. Essa modalidade de apoio é ofertada pelas incubadoras de universidades ou de centros de desenvolvimento tecnológico. Você precisa ter um projeto inovador, com perspectiva de satisfazer uma grande necessidade de um segmento específico da sociedade, ou do mundo das organizações em geral. Se tiver interesse, você deve pesquisar na internet e estabelecer contato com as incubadoras existentes na sua região.

Agências de fomento

Considere, também a possibilidade de levantar recursos através das agências de fomento. Essas instituições têm o objetivo de financiar capital fixo e de giro para empreendimentos previstos em programas de desenvolvimento e você pode verificar em órgãos nacionais ou estaduais, como: CNPQ, Finep e Fundações de Apoio a Pesquisa nos estados da Federação. São mais direcionadas para projetos que promovem a melhoria e o desenvolvimento de produtos, processos ou serviços. Os recursos podem ser levantados a juros baixíssimos ou a fundo perdido. Pesquise na internet e você encontrará um vasto material sobre o assunto.

BNDES

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, é uma empresa pública que oferece financiamentos de longo prazo para projetos de micro, pequenas e médias empresas. Seu objetivo é fortalecer a estrutura de capital das empresas privadas e, consequentemente, estimular o desenvolvimento do país. Atua em todos os segmentos da economia: agricultura, indústria, comércio, serviços e infraestrutura. Financia a aquisição de equipamentos, fortalecimento da estrutura de capital de empresas e direciona financiamentos não reembolsáveis para projetos que proporcionem o desenvolvimento social, tecnológico ou cultural.

Oferece condições especiais para micro e pequenas empresas e dessa forma ameniza as dificuldades que os pequenos têm de conseguir recursos em bancos comerciais da rede do Sistema Financeiro Nacional. As operações são realizadas através de instituições credenciadas, como: bancos comerciais públicos e privados, agências de fomento e cooperativas, possibilitando atendimento em todo o país. Consulte o site: bndes.gov.br e amplie seu conhecimento sobre o BNDES. Essas são as alternativas que consideramos mais viáveis para quem precisa de recursos para abrir um novo negócio. O Brasil não dispõe de condições que realmente favoreçam a vida de quem quer empreender. Tudo esbarra nas altas taxas de juros, que torna financiamentos e empréstimos quase proibitivos, além da carga tributária que dificulta a sobrevivência das empresas.

Considerações finais

Cada projeto guarda em si um conjunto de características próprias e você deverá dar a ele tratamento de acordo com essas particularidades. Encontraremos projetos de novos negócios ousados e outros mais acanhados, de maior vulto ou de menor alcance. Não há uma receita única para todos. Você deverá buscar muitas informações e ouvir pessoas antes de instalar seu negócio. Mas não demore muito, porque barco parado não ganha frete. Construa o seu planejamento de forma cuidadosa e coloque mãos à obra. Você terá que fazer muitos ajustes ao longo do tempo, portanto, quando tiver um bom nível de certeza comece a trabalhar.

Se o seu projeto e as suas possibilidades estão abaixo dessa linha de negócios que tratamos, ou seja, se você se enquadra na faixa que está batalhando como MEI – Micro Empreendedor Individual e suas possibilidades de levantar dinheiro próprio são nulas, bem como, suas chances de conseguir recursos em bancos são restritas, dedique -se a conhecer um pouco mais sobre Economia Solidária. Comece pelo site cirandas.net/fbes/o-que-e-economia-solidaria, e aprofunde seus conhecimentos com pesquisas na internet. Se achar interessante, procure algumas instituições que lhe pareçam sérias e consistentes. Procure, também, o Sebrae da sua região e participe de eventos direcionados para MEI - Micro Empreendedores Individuais. Existem muitas alternativas para quem quer realmente empreender.

Não deixe de considerar o que falamos sobre gestão de negócios, pois não há mais espaço para empresas incompetentes e mal administradas. Tenha sempre em mente que o seu cliente representa o seu maior patrimônio. Especialize-se em conquistar novos clientes e em manter aqueles que já compram de você. Cuide para que não vão comprar da concorrência. Ofereça bons produtos, com preços competitivos. Relacione-se com a clientela e prepare seus colaboradores para prestarem um atendimento de qualidade. Administre as finanças com o maior cuidado e mantenha a saúde da sua empresa. Procure sempre crescer e se desenvolver. Faça treinamentos e procure estar sempre bem sintonizado com o mercado onde atua. Não fique parado, corra atrás e faça acontecer seu sonho.

Sucesso a todos!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento