Como a economia colaborativa pode moldar o futuro do capitalismo?

Fomos investigar no livro recém-saído do forno do professor da New York University, Arun Sundararajan, como o compartilhamento de bens e serviços está provocando uma descentralização de capital de grandes empresas e empoderando indivíduos como eu e você

Nós já falamos sobre economia colaborativa diversas vezes por aqui (até porque é um tema que adoramos!!!) Já enumeramos o quanto compartilhar bens e serviços é econômico, integrativo e sustentável. Levantamos números, exemplificamos e apontamos as vantagens, mas nunca discutimos sobre como tudo isso pode impactar no futuro do capitalismo. Até agora! O professor da New York University, Arun Sundararajan, levanta essa questão no livro recém-lançado The Sharing Economy: The End of Employment and the Rise of Crowd-Based Capitalism (em tradução literal A Economia Compartilhada: O Fim do Emprego e a Ascensão do Capitalismo Baseado em Multidões, sem previsão de lançamento no Brasil). Ele investigou a fundo as startups líderes no mercado P2P, tais como Airbnb, Lyft, Uber, Etsy, TaskRabbit, BlaBlaCar, entre outras, para mostrar como a interação de pessoas do mundo inteiro com essas plataformas está proporcionando uma descentralização de capital de grandes empresas e empoderando indivíduos como eu e você.

Uma das dimensões mais interessantes da economia colaborativa é que ela apaga as linhas das fronteiras entre o profissional e o pessoal. Qualquer um pode oferecer um produto ou serviço e ser remunerado por isso, o que faz com que a economia funcione de consumidor para consumidor. Um bom modelo desta transição de instituição para pessoas é a BlaBlaCar. A startup que nasceu na França opera em 22 países e conta com mais de 25 milhões de membros ao redor do globo. Seus usuários transportam mais pessoas diariamente que a Amtrak, empresa estatal federal de transporte ferroviário de passageiros dos Estados Unidos.

Além dos aplicativos gerarem renda para quem oferece seus serviços e facilitar a vida de quem adquire, também há muito dinheiro aplicado nessas startups. O Airbnb, por exemplo, tem mais valor que a maior cadeia de hotéis do mundo e a Uber vale mais de US$ 51 bilhões. Há um investimento massivo nessas empresas, que atrai bilhões de dólares para o setor.

A pergunta é: estamos realmente promovendo uma descentralização do poder econômico das mãos de grandes empresas ou simplesmente fazendo emergir novas instituições que vão controlar o mercado”?

Outra questão discutida no livro é a mudança na composição da força de trabalho, já que – segundo o autor – nas próximas duas décadas grande parte da população vai fazer parte da economia sob demanda. Isso envolve desafios regulatórios para o governo, que inclui delegar responsabilidades para proteger o trabalhador, assim como garantir a segurança do consumidor.

Se o inglês tiver tinindo, você pode comprar o livro na Amazon.

* artigo publicado originalmente em interualla.co

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento