Campanha da Amil contra obesidade cria polêmica com fãs de videogames

Empresa de planos de saúde cria estratégia de divulgação de informações sobre saúde e provoca comentários negativos dos usuários de jogos eletrônicos nas redes sociais

Foi lançado em 26 de janeiro deste ano, o Movimento Saúde 360, uma campanha da empresa de planos de saúde Amil que descreve um conjunto de medidas visando uma conscientização sobre a obesidade infantil, seus riscos e prevenção. Com ações voltadas aos pais, escolas, profissionais e instituições médicas, a iniciativa tem um grande valor, visto que a obesidade em crianças realmente é um problema global, e poderá afetar o futuro da sociedade: crianças obesas desenvolvem problemas de saúde de curto e longo prazo, alguns com consequências para toda a vida.

Porém o grande erro da campanha midiática para divulgação do movimento, foi o texto veiculado no anúncio em jornal impresso de grande circulação, em página inteira; a mensagem é clara: "Hoje uma em cada três crianças brasileiras está acima do peso. Parece que a nossa garotada está comendo de forma errada. E também se mexendo menos. Afinal, com os videogames e as redes sociais a diversão que antes era na rua ou no playground foi para o sofá. Foi assim que a epidemia mundial de obesidade infantil chegou ao nosso país. Roubando não apenas a plenitude da infância, mas também a chance das crianças se tornarem adultos saudáveis."

O texto pareceu ofensivo a alguns dos usuários de jogos eletrônicos, pois claramente associa os videogames a uma diversão sedentária, "ladra da plenitude da infância, de um futuro com saúde". Fato oriundo de um pensamento um tanto retrógrado, de um tempo onde não existiam controles com sensor de movimento, como os do Nintendo Wii, Playstation Move ou Kinect, nem acessórios como Wii Balance Board, ou jogos como Dance Dance Revolution, Wii Sports e tantos outros, que se utilizam da tecnologia para desenvolver a habilidade motora em crianças, jovens e até idosos,
tendo aplicabilidade tanto na própria área médica, quanto na educacional, como é possível comprovar em inúmeros artigos e pesquisas acadêmicas sobre jogos eletrônicos e sua utilização eficaz em diversas áreas do conhecimento.

Em uma leitura rápida e sem maior conhecimento do movimento da Amil ou do uso das tecnologias para habilidade motora, o estranho foco do texto no videogame como possível responsável pelo problema pode induzir o leitor a ter uma ideia equivocada sobre as reais causas da obesidade infantil: a falta de educação alimentar, disciplina e vida regrada, com incentivo à atividade física; Cria a necessidade de uma leitura mais aprofundada no assunto (inclusive no site do Movimento) para gerar uma opinião mais imparcial sobre o tema. Mas, será que as pessoas mais críticas e preconceituosas com relação a videogames não poderiam se apoiar na abordagem superficial utilizada nesta propaganda para depreciar a imagem da diversão eletrônica, em uma generalização dos games como vilão do desenvolvimento infantil?

E, antes de publicar uma ideia como essa, que poderia ser entendida como uma espécie de "ataque" ao comportamento de um público específico, seria interessante que as empresas envolvidas na campanha midiática realizassem pesquisa mercadológica e testes com o aparente público alvo (no caso, os gamers), visando compreender os impactos de tal afirmação perante a audiência pretendida. Uma simples consulta sobre o tema já teria garantido mais informações atuais e relevantes para alguns ajustes no discurso, que ficaria mais atual e coerente, e por consequência, melhor aceito.

Uma dica retirada do site da Amil: segundo a Academia Americana de Pediatria, uma criança não deve passar mais de duas horas sentada na frente da TV, videogame ou computador.

Atualizado: A Amil, através de sua assessoria, entrou em contato em 13/05/2014, e afirma ter revisado e retirado as campanhas com frases sobre videogame. Também ressaltam que em nenhum momento tiveram o objetivo de criar polêmica com os fã de videogame, ou afirmar que os jogos fazem mal à saúde.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    Gisele Henriques

    Gisele Henriques

    Possui MBA em Administração e Marketing pela UNINTER (2013); Bacharelado em Administração pela Universidade do Tocantins (2008); Tecnologia em Marketing pela UNINTER; é Técnica em Contabilidade pelo SENAI; Graduanda em Licenciatura em Artes Visuais (UNIASSELVI) e Bacharelado em Jornalismo, pós graduanda em Jornalismo Esportivo.
    café com admMinimizar