Cadê as oportunidades de emprego?

Analisando o mercado e as oportunidades apresentadas, parece que são bem mais reduzidas para quem possui potencial mais elevado, detentor de um currículo mais atraente. Vamos refletir com a leitura deste artigo

No acompanhamento diário que fazemos nos sites e redes sociais, que tratam sobre recolocação profissional e estratégias para melhor competir no mercado, não resta-nos outra coisa a dizer senão, que o cenário nacional passa por um momento turbulento e preocupante quanto ao aproveitamento de bons profissionais.

Em todo canto que andamos e em toda parte do país, não existe outro assunto a ser tratado, que não seja a crise que assola o país. Muitos creditam sua extensão às tantas especulações existentes, ou seja, estas que aparentam serem maiores do que de fato são, e que acabam se equiparando, fazendo com que o brasileiro venha a adotar uma postura extremamente cautelosa e defensiva, diante do medo de investir no crescimento.

Pensando assim, o empresário brasileiro começa a sentir seus reflexos, enxergando como única solução para lidar com as dificuldades, a redução de seu quadro de funcionários.

Assim acontece no comercio, na indústria e nos serviços, aliás, em todos os setores. Confirma-se a todo instante uma verdadeira avalanche de quebra de contratos de trabalho, decorrente de uma redução de lucros, aumento de impostos e estimativas não tão otimistas para um futuro incerto de um país, que parece mergulhar numa crise, que pode ter consequências ainda maiores.

Diante desse aumento de desempregados, lançados ao mercado, e com mais dificuldades de fazerem jus aos benefícios das leis que amparam o trabalhador brasileiro, logo, sem demora, serão profissionais apresentando à sociedade a face do sofrimento, da angústia e do desespero. Assim acontece com todos, em especial, com aqueles que jamais acreditavam que poderiam ser vítimas, ante a formação conquistada, e conhecimento e perfil elevados. O desemprego parece bem mais incompreensivo para com aqueles mais aparentemente preparados.

Abrimos classificados de emprego e meios em geral, e vemos vagas ofertadas. Não tantas como eram antes, mais aparecem. Exigências são feitas, contudo, parecem destinadas a uma determinada fatia da sociedade brasileira, com a prática salarial sem muitos atrativos e poucos ou mesmo reduzidos benefícios acompanhados. Mesmo nestas condições, atraem inúmeros candidatos, que, sem ter mais a quem recorrer, resta somente se sujeitar a reduzir seus padrões, a passar necessidades maiores do que já estão passando há algum tempo.

Na verdade, nem sempre possuir um currículo elevado, na concorrência por uma oportunidade sem tantas exigências, é sinal de vantagem. Muito pelo contrário, acontece muito de o candidato ser preterido, por possuir um currículo que assuste ao analista em relação a vaga pretendida. Dessa forma, acaba sendo preterido, e permanecendo um pouco mais de tempo disponível no mercado.

E o que resta a fazer diante de uma situação como esta? O que devemos fazer ou como nos postar perante a necessidade de honrar nossos compromissos e não ter de onde tirar, mesmo sabendo que temos um currículo atraente, interessante e muita competência profissional? Confesso que parece não existir respostas para indagações.

Olhamos para os todos os lados e não vemos saída. A luz do fim do túnel parece se apagar a cada dia que se passa e não recebe sequer um convite para participar de um processo seletivo. Torna uma situação vexatória, sobretudo, quando se trata de um pai de família, que sempre se dedicou a estudar, a capacitar-se, e a honrar as oportunidades dadas, mas que de uma hora para outra, o desemprego bateu à sua porta.

Infelizmente chegou. O desemprego bateu e entrou casa à dentro, no imenso desejo que não demore muito, até mesmo por tratar-se de uma visita desagradável.

Que vá logo embora; que surjam logo as oportunidades que tanto se apresentavam sem convite algum; e que não deixe tantas marcas na vida de quem a recebe a contragosto, pois muito não merecem um visitante como este.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento