Basta: empreendedores “fogem” do Brasil! “Ame-o (o Brasil) ou deixe-o”?

Um novo fenômeno está ocorrendo no Brasil: a saída, cada vez mais acentuada de empreendedores, com elevada competência, para outros países; estamos perdendo empreendedores - cérebros e capital. Empreendedores, além de empresários e gestores, dos mais diferentes ramos de atividade econômica, buscam, no exterior, um melhor ambiente de negócios; em particular, em países como EUA, Canadá e Austrália. Como lidar com isso para evitar o início do fim do empreendedorismo no Brasil?

O que está acontecendo?

Um novo fenômeno está ocorrendo no Brasil: a saída, cada vez mais acentuada de empreendedores, com elevada competência, para outros países; estamos perdendo empreendedores - cérebros e capital.

Empreendedores, além de empresários e gestores, dos mais diferentes ramos de atividade econômica, buscam, no exterior, um melhor ambiente de negócios; em particular, em países como EUA, Canadá e Austrália.

Por que tudo isso?

Eles relatam, como razões:

  • Preocupação com a grave turbulência política, a retração econômica, a injustiça e a desigualdade.
  • Índices, como inflação ascendente e desemprego crescente.
  • Impostos altos, sem reversão em benefícios.
  • Juros elevados que desestimulam investimentos.

  • Preços sem respectivo valor, nos serviços básicos.
  • Indignação com os infindáveis escândalos de corrupção.
  • Cansaço de pagar propinas, para “sobreviverem”, e de conviver com fiscais corruptos e com políticos, batendo em suas portas, em vésperas de eleições.

  • Elevação da criminalidade.
  • Resignação, diante das “eternas” promessas de políticos de mudar as leis, para propiciar maior facilidade para os empreendedores.
  • Enfim, insatisfeitos com as condições, para empreender e fazer negócios, no Brasil - “Aqui se trabalha mais e se ganha menos”.
  • Pior: a certeza de que essa situação não mudará para melhor, a curto prazo; isso, num país que era considerado, até pouco tempo, um país de oportunidades ou do futuro.

Qual é o impacto da “fuga”?

A fuga de cérebros e capitais empreendedores significa a perda de gente que estudou e se formou aqui, que poderia investir e trabalhar no Brasil e usar sua competência, para fazer crescer empresas e negócios, ajudando, assim, a melhorar a competividade do país, gerar riqueza e ocupar pessoas em empregos qualificados - o que afeta, especialmente, os jovens profissionais.

Pior: estamos doando essa qualificação a outros países, criando empregos lá fora, ajudando-os a competir com o Brasil!

Em suma: estamos assistindo uma queima do nosso futuro!

Como outros países estão atraindo?

De olho nesse movimento, países, como Canadá e Austrália, têm investido em programas que estimulam a emigração de profissionais brasileiros.

O governo norteamericano tem um programa, para estimular investimento de empreendedores estrangeiros; eles garantem um green card e incentivos para quem investir em negócios, com boa capacidade de gerar empregos e renda, nos EUA.

O que fazer?

Para que estes empreendedores “amem o Brasil e não o deixem”, creio que um bom começo seriam duas iniciativas:

1 - Uma ação conjunta Estado – Setor Privado, para reduzir o Custo Brasil; desburocratização, redução de impostos e diminuição de juros seriam algumas medidas, para frear este verdadeiro êxodo.

2 - Criar mecanismos de atração, ou melhor, de retenção, semelhantes àqueles que os países, importadores de brasileiros, estão aplicando – basta aprender com eles!

Mais uma vez: para dar um “basta”, a solução parece ser, mais uma vez, uma questão de QUERER...

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento