Avaliação de desempenho: uma ferramenta para descobrir talentos e engajar equipes

Uma das características predominantes de um líder admirável é a capacidade de liderar de acordo com cada perfil existente na organização. Conhecer as habilidades e limitações de cada colaborador torna mais fácil o trabalho de desenvolvimento de talentos, facilitando, assim, as ações de engajamento da equipe como um todo.

Porém, identificar cada perfil faz parte de um trabalho minucioso, que exige do líder atenção e compreensão, principalmente quando se fala em limitação. Mapear as principais competências e os pontos a desenvolver é o primeiro passo deste trabalho. Saber identificar o que de melhor cada colaborador tem a oferecer, descobrindo e valorizando os talentos existentes, faz com que os mesmos se sintam à vontade para criar e se desenvolver dentro da organização.

Uma ferramenta de gestão fundamental neste mapeamento é a avaliação de desempenho, que possibilita um diagnóstico amplo de cada perfil comportamental, as habilidades na resolução de problemas, postura e a relação interpessoal. Além disso, possibilita a identificação de competências a serem aperfeiçoadas, necessidades de treinamento, promoções, reestrutura de cargos e salários, possibilidades de recrutamento interno, entre outros.

Para que esta avaliação seja eficaz, o gestor deve estar em contato constante com seus liderados, garantindo a veracidade das informações. Para tanto ele deve:

Fazer parte da equipe: Quando um líder se coloca como parte da equipe a visão sobre as habilidades de cada membro se torna mais ampla. Seja mais presente.

Conversar individualmente: Além de interagir com toda a equipe é importante a interação com cada colaborador para que se possa conhecer as dúvidas, críticas e sugestões de cada um, bem como orientar para se obter um melhor rendimento do mesmo. Nesta etapa é importante estar aberto às críticas.

Dar feedback: É essencial para a interação de ambas as partes e, principalmente, para desenvolver o colaborador. Diga a cada um, separadamente, como ele está e o que se espera dele. Faça críticas construtivas devidas, mas não se esqueça de elogiar os pontos em destaque. Escute o que ele tem a dizer e seja flexível às mudanças.

Estimular a autoavaliação: Parte importante no processo, esta etapa faz com que o colaborador analise seu comportamento, atitudes e resultados dentro da empresa, podendo, assim, estabelecer metas próprias e mudanças comportamentais.

Contudo, este trabalho se torna inválido quando não se executa mudanças. O conhecimento do perfil e o mapeamento das competências deve estar aliado à possibilidade de reestruturação das atividades e responsabilidades de cada um. Isto porque, a avaliação permite conhecer talentos e habilidades que podem estar sendo ofuscados por tarefas que não permitem ao colaborador dar o melhor de si.

A partir desta análise comportamental é possível montar ações como forma de motivação para que a equipe se sinta parte da empresa. Seja aumento salarial, promoção, premiação de destaque ou remanejamento, o reconhecimento ao colaborador é parte essencial, como a cereja do bolo. Quando não há satisfação ou motivação, não há produtividade.

O bom aproveitamento dos recursos humanos traz consigo uma série de vantagens. A empresa se torna mais competitiva, pois a produtividade será maior e o trabalho será feito com qualidade. Os colaboradores estarão motivados a criar e inovar, já que executam atividades que lhes permitem mostrar seus reais talentos. O ambiente de trabalho se torna mais harmônico, devido à satisfação de fazer o que realmente gostam e serem valorizados por isso.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento