As incertezas do governo brasileiro

Mais do que nunca a nossa presidente, Dilma Roussef, precisa ser criteriosa e competente em suas decisões. Existem algumas variáveis que estão em suas mãos e, uma série de situações podem definir seu futuro como governante do País. Tanto o corte de gastos e aumento de impostos são itens que, podem ser capazes de restabelecer o diálogo dela com o Congresso e também a garantia de que está realmente comprometida com o ajuste fiscal

Mais do que nunca a nossa presidente, Dilma Roussef, precisa ser criteriosa e competente em suas decisões. Existem algumas variáveis que estão em suas mãos e, uma série de situações podem definir seu futuro como governante do País. Tanto o corte de gastos e aumento de impostos são itens que, podem ser capazes de restabelecer o diálogo dela com o Congresso e também a garantia de que está realmente comprometida com o ajuste fiscal.

Mas, as notícias vindas de Brasília não são as melhores: a fase dois do ajuste está parada em um Congresso que se mostra frio e sem parlamentares comprometidos em buscar um ponto de equilíbrio fiscal no Brasil. Além das dúvidas sobre a existência (ou não) da nova CPMF, a aprovação da Desvinculação das Receitas da União ainda nem chegou ao Congresso onde deveria ser apreciada e, sem ela, o governo não conseguira unir forças para abater a dívida pública. O governo precisa de uma união política que não existe, pois os movimentos estão cada vez mais longe de seu foco principal, e a base política está em constante conflito. Isso desafia um governo que já se mostra extremamente frágil, incompetente no quesito operacional.

Vivemos uma incerteza em relação a um governo machucado e, que não sabemos se irá perecer ou estabilizar.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento