As eras da inovação

Neste artigo será sintetizada a história da inovação com base no artigo de Carlomagno (2015), intitulado "O post de ouro da história da inovação". Serão retratadas quatro eras: a Era do Gênio Inventor; a Era dos Centros de P&D; a Era do Capital de Risco e de Startups; e a Era da Inovação Corporativa

A inovação está tão difundida, que se pode até chegar a enxergá-la como modismo. Mas, não é. A inovação não é algo da idade moderna. É praticada desde os primórdios da civilização.

Carlomagno (2015), para facilitar a compreensão da história de inovação, a dividiu em quatro Grandes Eras, períodos nos quais germinaram e consolidaram-se modelos de gestão da inovação, alguns deles até hoje executados.

As ideias dessas Eras foram, fortemente, influenciadas por Joseph Schumpeter, pioneiro da reflexão sobre inovação, desde o nível empresarial até o macroeconômico.

A primeira foi a Era do Gênio Inventor, que era o modelo do início do século passado. Alguns nomes desta época são bem conhecidos como Thomas Edison, Santos Dumont e Henry Ford. O primeiro, registrou 2.332 patentes, dentre elas a que mais ficou famosa foi a lâmpada elétrica incandescente. Ele é visto com um dos precursores da revolução tecnológica do século XX. A General Eletric, até hoje uma das maiores empresas do mundo, foi decorrência de seu perfil inovador.

A seguinte foi a Era dos Centros de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento). Nesse período saíram do PARC[1] da Xerox inovações como a interface gráfica, o computador pessoal, a impressão a laser e o protocolo Ethernet (arquitetura de interconexão para redes locais). Tão importante quanto, foi o Bells Labs[2], que desenvolveu cabos de telefone, transístores, LEDs, lasers, a linguagem de programação C e o sistema operativo Unix. O período foi repleto de estruturas organizadas de geração e desenvolvimento de invenções, equipes técnicas e desafios técnicos.

O modelo é baseado na busca de patentes como barreira para a imitação e para manutenção de monopólios de longo prazo.

"Essa alternativa foi adotada por empresas de tecnologia, indústrias farmacêuticas, químicas e outras que emergiram competitivas nessas circunstâncias. Ainda hoje, há indústrias e empresas que fazem pesados investimentos em P&D ainda que haja consenso de que não existe correlação direta entre o investimento em pesquisa e desenvolvimento e os resultados de inovação" (CARLOMAGNO, 2015).

A terceira foi a Era do Capital de Risco e de Startups, que combateu a estrutura estabelecida anteriormente através do fortalecimento dos capitalistas de risco e dos ecossistemas de inovação. A Univerdidade de Stanford atuou como hub importante do cluster de inovação do Vale do Silício, na Califórnia. Desse modelo, surgiram empresas como Intel, Apple e, atualmente, Google, Facebook, Linkedin e WhatsApp. Esse modelo de negócios conecta universidades-empresas-empreendedores-capital em um contexto de regras claras e estáveis. Algumas empresas conservadores chegaram a pensar que inovação era apenas “coisa de startup”.

A quarta ficou sendo a Era da Inovação Coorporativa, marcada pela ascensão de um novo formato, não mais dependente de um gênio inventor ou de uma estrutura de técnicos em uma unidade de pesquisa e desenvolvimento. Foi um período marcado por inovação aberta, co-criação, crowdsourcing, inovação além do produto, foco no modelo de negócio. Empresas como a Procter & Gamble, Natura, Nestlé, Tecnisa, Embraer e 3M simbolizam esse modelo.

"Grandes empresas que, a partir de uma noção ampliada da inovação, buscam além de suas fronteiras internas algo mais do que um novo produto. Empresas conectadas em redes de inovação colaborando com clientes, fornecedores, universidades, parceiros e até startups. A quarta Era da inovação também marca o surgimento de brokersde inovação como Innocentive e Nine-Sigma que aproximam grandes empresas (seekers) que buscam solucionar desafios técnicos e de negócios com pesquisadores autônomos (solvers) por meio de plataformas de colaboração via internet. A inovação volta a fazer parte da agenda de grandes corporações com novo enfoque" (CARLOMAGNO, 2015).

A história da humanidade é povoada de inovações e Eras apresentadas fazem parte dessa trajetória. Sem dúvida nenhuma, há aprendizados grandiosos que cada um desses períodos deixou para as novas mentes inovadoras. E a reflexão que outras eras ainda estão por vir.

Referência

CARLOMAGNO, M. S. O post de outro da história da inovação. 2015. Disponível em: <http://innoscience.com.br/o-post-de-ouro-da-historia-da-inovacao/>. Acessado em: 20 out. 2015.

[1] Palo Alto Research Center, foi uma importante divisão de pesquisa da Xerox Corporation, com sede em Palo Alto, Califórnia, Estados Unidos, fundada em 1970, berço de várias invenções voltadas à tecnologia.

[2] Bell Telephone Laboratories foi o braço de pesquisa da companhia americana de telecomunicações American Telephone and Telegraph (AT&T) responsável por desenvolver tecnologias consideradas revolucionárias para a telefonia e as comunicações.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento