Alta performance em períodos de crise
Alta performance em períodos de crise

Alta performance em períodos de crise

O artigo aborda oito lições inspiradoras para melhorar o desempenho em períodos de crise e maximizar oportunidades

Períodos de crise são desafiadores. Provocam tensão, medo e sentimentos intensos. Exigem coragem e determinação. São momentos propícios para desafiar a criatividade, experimentar o inusitado, desenvolver a autoconsciência e a resiliência. Mesmo quando os elementos externos impactam diretamente seus negócios e sua carreira, como o atual momento político/econômico que atravessamos no país, é possível atravessar as crises de forma mais consciente e construtiva. Compartilho reflexões e insights que fazem parte da minha proposta de desenvolvimento de competências e alta performance e têm contribuído de forma significativa para melhorar o desempenho de empreendedores, gestores e profissionais de diversas gerações. Afinal as crises passam, as competências pessoais permanecem.

DESENVOLVA O AUTOCONTROLE

De acordo com Daniel Goleman o autocontrole é a capacidade de administrar os sentimentos perturbadores, ignorar os caprichos e manter-se focado em um objetivo. Aprendi que crises são verdadeiros testes para o autocontrole.

Imagine uma equipe de médicos em um centro cirúrgico: há alguma chance da cirurgia ser bem sucedida se perderem o autocontrole? Imagine um avião em pane, como conduzir o vôo para um pouso de emergência sem autocontrole? Da mesma forma empresários precisam de autocontrole para conduzir suas empresas, gestores precisam de autocontrole para gerir suas equipes/projetos e todas as pessoas precisam dominar seus caprichos para administrar bem a própria vida. O autocontrole tem impacto direto na gestão financeira, na comunicação e nas relações interpessoais e na capacidade de permanecer focado em metas e resultados. Desenvolver esse domínio pessoal contribui de forma significativa para uma atitude equilibrada e sensata.

APRENDA A ENCARAR OS FATOS E AS LIMITAÇÕES

Lembram-se da crise da Varig? Muitos aviadores não aceitavam que a empresa (considerada “mãe” Varig) poderia chegar ao fundo do poço. Aconteceu. Foi uma crise sem precedentes na história da aviação no país. Conheço profissionais que encararam a realidade e entraram no plano de demissão voluntária bem no início da crise. Outros focaram no mercado internacional e conseguiram emprego em Dubai e na Índia. Foram profissionais que sofreram muito, mas encararam os fatos e investiram em possíveis soluções, foram proativos e assim tiveram vantagem competitiva. Quando a crise se agravou o desemprego foi enorme. O time restrito que não ficou no mundo das ilusões superou a crise mais rápido.

Encarar as limitações não significa aceitar as condições e acomodar-se. Significa colocar esforços onde produzirão resultados. É preciso ter em mente que a solução não vai cair do céu! É nesse sentido que momentos de crise podem promover um grande amadurecimento. Não se iluda e mãos à obra!

ADOTE UMA POSTURA QUE VOCÊ SE ORGULHE

Como você decide lidar com a crise? Esta é uma decisão que terá impacto em longo prazo. Crises são oportunidades para resgatar valores e princípios como cooperação, amizade, coragem e credibilidade. Mas isso dá trabalho, requer dedicação. Provoco os clientes com a seguinte questão: qual postura você deve adotar nesse momento? O que você considera admirável em outras pessoas que vivem situações semelhantes? Pense nas decisões que farão diferença nos próximos cinco, dez anos. As consequências de atitudes pouco conscientes podem ser mais sérias que a própria crise! Quando proponho pensar em uma postura significa um conjunto de atitudes e escolhas que precisam ser bem pensadas.

Adotar uma postura alinhada com os próprios valores preserva a saúde, a consciência, a autoestima. Preservar esse leme interno é importante, pois são questões íntimas de valores pessoais que devem nortear a conduta. Faça uma autorreflexão e procure preservar a sua integridade. Procure pensar sobre qual a melhor maneira de conduzir as situações.

APRENDA A COLOCAR O “PEIXE NA MESA”

O que acontece quando escondemos o peixe? O cheiro fica insuportável, certo? Gosto da ideia que problemas são como peixes! Todas as vezes que problemas são omitidos a situação pode agravar-se ainda mais. Trazer a situação de forma clara, desenvolver o diálogo franco, aberto, encarar os fatos, talvez sejam características raras. Quantas reuniões são desperdiçadas pois o problema real não foi colocado “na mesa”? Acompanho muitos gestores que se sentem extremamente desconfortáveis ao abordar certos assuntos com seus colaboradores, o que dificulta as boas práticas de gestão. É recomendável encontrar alguma maneira para abordar o assunto, a ideia é enfrentar o problema e não as pessoas.
Meu maior aprendizado nesse sentido foi uma experiência empresarial durante cinco anos na gestão de um restaurante. Abordar temas delicados tais como atritos entre a equipe da cozinha e do salão faziam parte do dia-a-dia do negócio. Aprendi que quanto mais rápidas eram as soluções mais motivada a equipe trabalhava. Uma equipe alinhada e motivada criava uma sinergia incrível e esse era nosso diferencial. A postura de colocar os problemas na mesa fazia parte da nossa gestão. Em um restaurante tudo é muito dinâmico, precisávamos ser dinâmicos também na gestão de problemas.

EXPLORE POSSIBILIDADES E SOLUÇÕES AINDA NÃO EXPLORADAS

Em momentos de crises é necessário explorar novos caminhos: novos mercados, clientes, produtos, contatos, parcerias, possibilidades ainda não exploradas. Mas em momentos tensos, isso não é tarefa fácil! Geralmente a percepção fica restrita, limitada e consumida (absorvida) pelas preocupações. Para explorar as possibilidades é necessário ter uma mente aberta e desapegar. Aprendi que introduzir novidades na rotina possibilita criar novas conexões e sinapses no cérebro, o que contribui para ampliar a percepção. A ideia é experimentar novos sabores, caminhos, músicas, filmes, leituras, lugares, trocar ideias com pessoas diferentes e preparar a sua mente para o novo. Em apenas uma ou duas semanas o efeito de “quebrar a rotina” pode alterar a percepção.

Uma cliente introduziu essas recomendações na rotina e após quinze dias relatou que pensou em uma possibilidade na sua área de atuação bem promissora. O interessante é que a sensação, segundo a mesma, foi de enxergar o óbvio. Esta atitude simples traz um oxigênio novo, ajuda a visualizar o cenário de forma diferente para explorar ou criar novas possibilidades.

ECONOMIZE DE FORMA CONSCIENTE

Encarar as limitações e ter autocontrole (abordados anteriormente) contribuem para adotar medidas de economia de forma consciente. Vários gestores sabem interpretar as condições do mercado e adotam uma postura mais prudente tanto na vida pessoal quanto na vida empresarial em momentos de crise. Há empresas por exemplo que adotam medidas de economia que não vão impactar a qualidade da entrega para os clientes, preservando a reputação conquistada no mercado. Uma medida viável em situações mais críticas, é reduzir o valor do pró-labore dos sócios. É uma decisão estratégica necessária adotada por algumas empresas por um período temporário.

Da mesma forma, um profissional que esteja em uma pós graduação que pode agregar valor à sua carreira, em meio à crise, decide cortar gastos extras mas não abre mão do curso pois compreende que trata-se de um investimento. Descartar os excessos é uma estratégia de sobrevivência fundamental nas crises. No entanto muitas pessoas resistem e acabam sendo obrigadas a fazer cortes em situações extremas. São pessoas que se apegam a um estilo de vida e desta forma se prejudicam. Entre sócios quando há divergência de mentalidade nesse sentido além de comprometer o sucesso dos negócios há muito desgaste. Pela minha experiência aprendi que não adianta identificar uma oportunidade promissora por exemplo sem conjugar com uma medida consciente de economia. Esse tipo de postura pode inviabilizar qualquer tentativa de sucesso em períodos de crise.

Um estilo de vida mais simples na sociedade que vivemos que valoriza a ostentação e o status é um grande desafio para muitos brasileiros. No entanto são valores que precisam ser repensados, independente da crise.

BUSQUE FONTES DE INSPIRAÇÃO

Em períodos de crise, inspiração é como água no deserto. Como diz Ferreira Goulart “A arte é necessária por que a vida não basta”. A arte, a natureza, a beleza, o bom humor suavizam a vida especialmente em momentos difíceis. Encarar crises é uma tarefa árdua! Tenha em mente que quanto mais dura a tarefa, maior a necessidade de buscar elementos estimulantes. Pessoas inspiradas são capazes de vencer grandes superações. A inspiração e o entusiasmo são formas de compensar a lucidez e sustentar fases difíceis. Aprendi que uma boa fonte de inspiração pode iluminar momentos críticos. Da mesma forma que artistas buscam renovar o olhar como combustível para suas criações é importante buscar de forma consciente estímulos inspiradores em momentos de grandes desafios... Pesquise histórias reais de superação, cerque-se de pessoas que te fazem bem e são admiráveis: amigos, parceiros, mentores. Leia livros e veja filmes que te tocam. Procure qual é o seu combustível e reabasteça a alma para se fortalecer.

SEJA CONSTRUTIVO

Nossa cultura explora muito a ideia de ser “positivo” ou “negativo”, certo? Há aquele ditado que pessoas positivas enxergam o copo meio cheio e pessoas negativas enxergam o copo meio vazio. Pessoas negativas de fato podem agir de forma destrutiva e atrapalhar aqueles que estão se empenhando na busca de soluções. São pessoas que geralmente se acomodam, caem nas armadilhas das reclamações, não aceitam os fatos e acabam prejudicando e piorando o cenário (fique distante de pessoas assim)! Mas por outro lado pessoas muito otimistas e pouco lúcidas podem cair no mundo das ilusões. Sempre tive em mente que positividade sem ação é uma ilusão. Observando o meu próprio comportamento e das pessoas ao meu redor - colaboradores, clientes, amigos, familiares e profissionais de todas as gerações - aprendi que pessoas determinadas a progredir desenvolvem uma atitude construtiva. Minha proposta sobre atitude construtiva engloba três habilidades - 3 Ps: uma postura positiva, proativa e prática. Pessoas práticas são mais voltadas para a ação e apresentam um bom senso se realidade. Pessoas proativas não se acomodam e têm iniciativa. Vamos integrar esses elementos à positividade e concentrar os esforços no que precisa ser feito. Crises podem ser superadas com trabalho, criatividade e determinação. Uma postura construtiva contribui para colocar em prática todos os outros itens abordados nesse artigo. Há profissionais que em períodos de crise constroem uma boa reputação, outros constroem uma carreira paralela, empresas criam novos produtos e serviços. Enfrentar crises de forma construtiva contribui para extrair as melhores lições e construir uma nova história. Afinal para superar crises é preciso se superar!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento