Administração – A busca incessante pelo conhecimento.

É surpreendente a maneira de fazer administração nos dias atuais, pois necessariamente não existe um manual para nortear os rumos a ser seguido, para o alcance do êxito no exercício da profissão. O que mais cresce no mercado são publicações e atividades contendo roteiros voltados para administrar pessoas. Acontece, porém, que no universo dos seres humanos, os acontecimentos não seguem uma ordem previsível. O profissional da Administração não possui uma bola de cristal, com porções e mágicas para a resolução dos problemas de cada novidade que surge no cotidiano da sua vida executiva. As pessoas pela sua essência e características peculiares, têm uma natureza que o faz diferente e único. Não é fácil prever suas reações nem estabelecer uma cadeia de atividades a ser seguida como um autômato. Mesmo as atividades rotineiras, adquirem as peculiaridades de quem às realiza. Portanto essencialmente o administrador (a), deve buscar a atualização constante e inovações na sua forma de gerenciar processos e liderar pessoas. Dentro de um ambiente de aprendizagem, a função primordial do administrador (a) é alimentar constantemente esta atmosfera, gerando posturas de autodesenvolvimento e aceitação de desafios como oportunidades de crescimento. A diferença estará no próprio exemplo e no incentivo que deve dar a sua equipe. Conduzindo seus colaboradores para o sucesso e possibilitando o crescimento dos talentos desta equipe. Usando suporte literário referencio Alvin Toffler, que, analisando as mudanças do poder no mundo moderno, aponta para três fontes de poder: o capital (desse ninguém vai fugir mesmo); a lei (que o Brasil tem que começar a discutir com mais profundidade); e o conhecimento, a informação. O conhecimento dentro da área da administração tem que ser atualizado constantemente, sendo fator determinante do poder de decisão do administrador (a) que deve: “pensar global e agir local”. Não se pode fugir dos fatores externos que influenciarão constantemente os fatores internos. Uma empresa surge da necessidade ou motivo de uma ou mais pessoas, que são empreendedoras, que identificaram as necessidades sociais. Então decidem criar e manter os empreendimentos que irão produzir bens ou serviços para atendimentos das necessidades sociais. Fazendo uso da literatura de James W. Halloran, consultor americano, conhecedor das reais necessidades das empresas, faz uma lista de 20(vinte) armadilhas que levam os empreendedores a falharem nos seus empreendimentos: 1. Escolhendo um negócio incompatível; 2. Expectativas não-realistas; 3. Empregando um Planejamento Estratégico que não foi feito especialmente para sua Empresa; 4. Utilizando previsões de vendas imprecisas; 5. Localização no lado errado da rua; 6. Contratos de Aluguel que podem prejudicá-lo; 7. Arranjos inadequados de financiamentos; 8. Optando por uma estrutura de organização errada; 9. Perdendo seu mercado – alvo; 10. Projetando um layout que desencoraja a compra pelo cliente; 11. Fazendo Propaganda cara e ineficiente; 12. Usando técnicas inadequadas de vendas; 13. Estabelecendo preços que mantenham o lucro; 14. Gerenciamento inadequado; 15. Vivendo do fluxo de caixa e não dos lucros; 16. Deixando que seu contador administre os negócios; 17. Planejamento ineficiente de estoque; 18. Gerenciamento caótico; 19. Expandindo pelas razões erradas; 20. Acreditar que você vai trabalhar para sempre. Diante deste contexto entende-se que os princípios básicos da administração são válidos para todos os negócios, onde: Planejar – significa preparar-se para o futuro; A Organização - exige a atribuição de tarefas (processo de delegação uso do empowerment); Dirigir – é supervisionar diariamente as operações, ou seja, os processos. O Controle – é o instrumento utilizado para verificar se o desempenho está dentro dos padrões determinados. O Administrador (a) não administra sozinho, precisa formar uma equipe – que é ter a certeza da disponibilidade de pessoas, capacitadas, qualificadas e competentes para a realização de suas atividades profissionais. A Administração ou gerência – não é um departamento, nem um cargo, administrar é uma ação que exige conhecimento científico e que existe em todos os departamentos e em todos os níveis organizacionais: (presidente, vice-presidente, superintendente, diretores, gerentes e chefes). A administração consiste, portanto na atualização constante das informações, para a tomada de decisões do gestor, sendo o conhecimento um instrumento fundamental para a sobrevivência, crescimento e continuidade das empresas, sendo cada vez mais dependente do “recurso informação”. Profª Adm. Rose Mary Santos de Amorim - Consultora Empresarial.
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.