Café com ADM
#

A sustentabilidade e o problema do lixo

Constitucionalmente falando, o lixo no Brasil é de responsabilidade das prefeituras, que oferece um serviço próprio, como o caso da Comlurb no Rio de Janeiro, ou contrata terceiros através de licitação. E isso é um problema, pois muitas vezes isso vira instrumento de barganha política, sendo alvo de corrupção descarada. Sabiam que o atual chefe da Casa Civil, quando prefeito de Ribeirão Preto, foi investigado por problemas na contratação de empresas para fazerem a coleta de lixo da cidade?

Na verdade o objetivo não é falar de questões políticas, mas uma notícia nos jornais de hoje que me causou espanto: a quantidade de lixo gerado no Carnaval. Segundo informação da Comlurb, no carnaval do Rio, apenas na Marquês de Sapucaí, a quantidade de lixo removido em quatro dias passou das 400 toneladas. Isso sem contar nas ruas repletas de blocos e de gente mal educada.


Acontece que lixo é um lixo. Segundo a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Urbana (ABRELPE), em dados referentes a 2008, 45% do lixo coletado no país vão parar em aterros controlados ou lixões. Isto equivale dizer que, diariamente, mais de 100 mil toneladas de lixo não recebem tratamento minimamente adequado.

O custo dessa gestão é altíssimo. Para se ter ideia, a manutenção de um aterro sanitário pode chegar a 300 mil reais por dia. No Rio de Janeiro, o investimento anual chega a 850 milhões de reais. Em São Paulo passa de um bilhão. E esse valor poderia ser mais baixo se não fosse uma única questão: a postura das pessoas. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, 37% do que é coletado pela Comlurb, é lixo retirado das ruas. Segundo a empresa, esse tipo de coleta custa três vezes mais do que as coletas de porta em porta.

O grande problema é que a maior parte da população brasileira não tem iniciativa para a sustentabilidade. Vai de um mero jogar papel na rua até a falta conhecimento sobre como lidar com o lixo doméstico, passando pela falta cultura de preservação do meio ambiente e, muitas vezes, pela simples falta vontade de se fazer o que é certo. Assim, juntando à escassez de projetos da iniciativa pública voltados para a coleta seletiva, é possível imaginar o tamanho da dor de cabeça que isso causa.

O irônico da história, ao menos em minha visão pragmática da vida, é que esse um problema relativamente simples de ser resolvido. Educação. Daquelas bem básicas. E isso independe de classe social, cor ou credo. Rico e pobre, branco ou preto, católico, evangélico, macumbeiro ou ateu. A prática do desenvolvimento sustentável em muito tem início em uma família que ensina cidadania, direito, deveres e respeito a suas crianças.


Sou jornalista (com diploma), corredora de alto rendimento físico e baixo rendimento financeiro e diretora da Agência de Sustentabilidade, consultoria que trabalha a sustentabilidade na gestão de processos e tem foco em três segmentos: empresas, esporte e políticas públicas.


E-mail para contato: sustentabilidade@sustentabilidadecorporativa.com

Site: www.agenciadesustentabilidade.com.br

Blog: www.sustentabilidadecorporativa.com

Twitter: @sustentabilizar

ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.