A Pessoa Certa no Lugar Certo!!!!

O tempo passou e não foi percebido. Em vez de ter reclamado que ainda eram 10h, você lamentou que já eram 17h. Ao longo do dia de trabalho, por vários momentos, você não sentiu onde estava sentado, deixando de ter consciência do ambiente onde estava, se transportando para o mundo de suas tarefas. E quando alguém, de repente, chamou você, num susto, subitamente a sua consciência voltou ao mundo temporal. As oito horas de trabalho passaram e você nem notou. Parece que trabalhou só a metade do tempo decorrido. Aliás, nem ficou cansado e ainda ficou um gostinho de quero mais. Não se espante! Se você nunca se viu enquadrado nessa situação, acredite, é possível. Isso acontece quando você faz algo que lhe dá a sensação de estar sendo útil. Quando, independente das obrigatoriedades empresariais, as mesmas tarefas, quando consumadas, lhe massageiam o ego. Que o digam os workaholics. Maldita frase: Se você não faz o que gosta, procure gostar do que faz. Não! Procure fazer o que gosta, o que o realiza, o que o faz feliz, o que faz com que se sinta íntimo e dominador, o que faz você se sentir um ser humano útil para a sociedade ou parte dela. Porque, se você faz o que gosta, 80% do seu sucesso está garantido. O resto é tempo. Está totalmente caduca a idéia de que o jovem escolhia a profissão antes de entrar para a faculdade ou até mesmo para o segundo grau profissionalizante e existia um compromisso de fidelidade a ela para o resto da vida. Tem de existir uma reformulação geral nos conceitos de qualificação dos testes vocacionais. Para complicar um pouco mais, as atividades humanas aumentaram não só em número, mas na complexidade e adversidade, aumentando o universo de escolha para a realização pessoal (profissional e particular). Em função de tudo isso, ao longo do tempo, a pessoa fica cada vez mais exposta e vulnerável às mudanças em sua vocação. Temos muitos exemplos por aí como engenheiros que são gerentes de marketing. O ideal é fazer o que gosta e, por conseqüência natural, ganhar dinheiro com isso. Você pode gostar de fazer várias coisas. Seja especialista no que faz, mas generalista nas idéias, independente da área em que elas possam surgir. Quantos cursos de desenvolvimento pessoal, programas motivacionais e tempo do departamento pessoal estão sendo gastos sem necessidade ou com pessoas erradas? É como se quisesse alimentar peixe de aquário com alpiste. Vai ser difícil comer e se comer não vai ser digerido, muito menos apreciado. Pior, o dono nem percebe que está jogando dinheiro fora com alimento errado para o animal errado (sem falar no aumento da taxa de turnover). Existem muitos profissionais que estão em seus empregos por conveniência financeira, estabilidade empregatícia e status. Claro que essas são, muitas vezes, fortes causas motivacionais, mas são causas exógenas. A mais forte, autêntica, natural e perene é o regozijo do espírito, que é uma causa endógena. Quando a causa motivacional não norteia a vocação profissional, com raras exceções, o profissional será sempre mediano. Portanto, siga a vocação sugerida pelo seu instinto humano, e seja feliz
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.