A mentira tem perna curta.

"Podeis enganar toda a gente durante um certo tempo; podeis mesmo enganar algumas pessoas todo o tempo; mas não vos será possível enganar sempre toda a gente". (Abraham Lincoln)

Apesar de nascer no dia primeiro de Abril, eu detesto mentiras.
Mas quem nunca mentiu na vida que atire a primeira pedra, seja ela mentira pessoal ou profissional, afinal ninguém e santo.

Porém tudo na vida tem conseqüências e devemos assumir os riscos e erros que cometemos, mesmo porque a verdade normalmente sempre aparece um dia, não importanto o tempo.

Mas existem mentiras que não vale muito a pena , principalmente no currículo.Mentir no currículo para conseguir uma colocação profissional é um risco grande para a carreira. Já ouvi pessoas falarem que mentiram e saíram muito bem, porém até quando?

Ficaremos sempre com aquela sensação e receio de um dia a verdade vir a ser descoberta, e com isso perderemos o nosso crédito e a confiança das pessoas.

É semelhante a história do mentiroso que mente constantemente mas no dia que ele vier a falar uma grande verdade, ninguém irá acreditar.

No momento de elaborar um currículo, além de organizar as informações de forma correta, é importante que o candidato seja honesto para que o selecionador identifique os seus verdadeiros pontos fortes e fracos.

Caso contrário, durante uma entrevista, o candidato pode até parecer excelente para preencher a vaga em aberto, mas na prática se mostrará inadequado.

Segundo Walquiria Ferreira, consultora de Recursos Humanos da Luandre, idealizar ou exagerar competências pode prejudicar a carreira de um profissional. Já a honestidade e verdade abrem portas.

"Mentir para conseguir uma colocação profissional é um risco muito grande para a carreira, pois se descobertas, as mentiras podem causar um novo desemprego ou mesmo impactar em propostas futuras", diz a consultora.

No ambiente corporativo a mentira tornou-se algo mais freqüente. Os profissionais a utilizam como meio de autopromoção sem pensar nas conseqüências que isso acarretará a curto ou longo prazo.

Segundo Walquiria, a situação de uma entrevista de emprego causa no candidato medos e inseguranças e como um mecanismo de proteção muitos deles criam mentiras sobre suas experiências e qualificações que, quando descobertas, podem resultar na exclusão do processo seletivo.

"O ideal é que o candidato sempre fale a verdade sobre seus conhecimentos e habilidades sem omitir eventos importantes, pois a confiança é a base de qualquer relação, inclusive profissional", explica a especialista.

Walquiria elaborou uma lista com as dez mentiras mais utilizadas pelos candidatos no momento de elaborar um currículo. Veja:

1 – Idioma
É aqui que aquele inglês do verbo to be - aprendido na escola durante o ensino médio - se torna intermediário ou aquele estudado por alguns meses em uma escola de idiomas vira um inglês avançado. O risco de mentir sobre o idioma é o de o candidato ficar em uma situação constrangedora, caso o selecionador decida conduzir a entrevista em inglês.

2 - Formação acadêmica
Ao citar que possui curso superior incompleto deve-se deixar claro se está cursando ou se foi trancado, pois a mentira não poderá ser mantida por muito tempo caso o selecionador exija um comprovante da universidade. Vale ressaltar que cursos de pequena duração e profissionalizantes não devem ser considerados MBA.

3 – Idade
Esta é uma questão que causa muita insegurança. Apesar de muitas empresas não fazerem restrições com relação a isso, muitos candidatos com medo de serem reprovados omitem a idade. "Presenciei casos de candidatos que mentiram a idade no currículo e na entrevista mencionaram uma idade diferente. Resultado: foram excluídos do processo seletivo não pela idade que tinham, mas pela mentira que contaram", conta Walquiria.

4 - Cargos e funções
O cargo citado no currículo deve ser o mesmo da carteira de trabalho ou contrato. Não se deve criar um cargo. Um estagiário não deve colocar no currículo que foi assistente, por exemplo. Assim como não se deve exagerar nas funções realizadas mencionando mais atribuições do que realmente tinha. Aqui o ponto chave é a franqueza.

5 – Endereço
Nestes casos há muita omissão e muitas vezes mentira. O endereço de residência deve ser colocado no currículo mesmo que esteja concorrendo a uma oportunidade longe de sua residência O ideal é deixar clara a disponibilidade de mudança, mas nunca mentir sobre onde mora.

6 - Datas de entrada e saída
É muito comum vermos nos currículos candidatos mencionando "três anos de experiência em determinada empresa". O ideal é colocar data de entrada e saída das empresas com dia, mês e ano. Isso é importante para saber quanto tempo o candidato está desempregado e qual foi à última empresa em que trabalhou.

7 - Participação em projetos
Dependendo do cargo e profissão, há pessoas que mentem sobre vários projetos que supostamente tenha feito parte, apesar de este ser algo mais difícil de descobrir, pois nem sempre é possível encontrar membros que tenham participado deste projeto. Ainda assim, se descoberto, deixará o candidato em uma situação complicada, pois o empregador perderá a confiança.

8 - Motivo do desligamento de empresas anteriores
Existem questões que são muito delicadas e pessoais que levam ao desligamento e nem sempre o candidato se sente confortável para falar sobre o assunto. Mas nestes casos, o ideal é falar que não estava sendo bom para a empresa e nem para o profissional. É comum o candidato citar em entrevista que saiu por corte, ou extinção do cargo. Neste caso, se o selecionador investigar poderá descobrir a mentira.

9 - Atribuições
Há casos de profissionais que são assistentes e na ausência de um gestor era ele quem respondia por algumas pendências, mas não é por isso que ele pode dizer que uma de suas atribuições era gerir uma equipe. Não se deve exagerar nas atribuições, pois mesmo que você consiga ser aprovado para a vaga, ao exercer a função, você poderá ser descoberto.

10 - Estado civil
Há alguns candidatos que acreditam que dependendo da função devem omitir o estado civil por acreditarem que isso irá refletir na aprovação do processo seletivo, assim como alguns dizem ser casados formalmente com a intenção de incluir o parceiro (a) como dependente. Isto não é necessário nos dias atuais, visto que se pode fazer um documento que comprove a união estável.

Logicamente que existem outros tipos de mentira, mas mentira é sempre mentira.

"Nem todas as verdades são para todos os ouvidos. Nem todas as mentiras podem ser suportadas".(Umberto Eco)

Caros amigos leitores;
"Cuidado com a sua proxima mentira, pois a vítima poderá ser você."

Até o próximo artigo e tenham um ótimo final de semana, com muita saúde,paz e proteção à todos os seus familiares.

Antônio

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento