A Inteligência Emocional nos negócios e carreira profissional

Cada vez mais a inteligência emocional é aceita como um fator importante para o nosso sucesso e felicidade, não apenas no trabalho, mas em nossos relacionamentos e todas as áreas de nossa vida

Segundo o especialista Rodrigo Fonseca, percebemos que nos dias atuais as qualidades emocionais estão sendo cada vez mais exigidas. Mais exigido que o QI (quociente de inteligência), agora o QE (quociente emocional) que está sendo o pré-requisito cada vez mais solicitado em diversas empresas.

Goleman definiu inteligência emocional como:

"...capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos." (Daniel Goleman, 1998)

Para ele, a inteligência emocional é a maior responsável pelo sucesso ou insucesso dos indivíduos. Como exemplo, recorda que a maioria das situações de trabalho é envolvida por relacionamentos entre as pessoas e, desse modo, pessoas com qualidades de relacionamento humano, como afabilidade, compreensão e gentileza têm mais chances de obter o sucesso. (Celso Lago, no artigo Inteligência Emocional - http://www.celso.lago.nom.br/Intelig%C3%AAncia%20Emocional.html)

De acordo com André Bartholomeu Fernandes, é sabido que profissionais com inteligência emocional se dão melhor quando o assunto é trabalho. Então, aprenda com os hábitos deles.

"A psicologia define a Inteligência Emocional como o poder de identificar as suas emoções e as alheias, bem como o dom de trabalhar cada uma delas. O sujeito emocionalmente inteligente tem condições de incentivar a si próprio e de seguir em frente mesmo diante das desilusões; detém a aptidão de conter estímulos, transferir sentimentos para contextos adequados; exercitar a gratidão dilatada; encorajar os outros, induzindo-os a despertar em seu íntimo as maiores propensões e a participar de esforços coletivos". (Por Ana Lucia Santana, no artigo Inteligência Emocional, publicado no site Infoescola)

Ainda de acordo com Fernandes, cada vez mais a inteligência emocional é aceita como um fator importante para o nosso sucesso e felicidade, não apenas no trabalho, mas em nossos relacionamentos e todas as áreas de nossa vida.

O Dr. Neil Hamilton Negrelli afirma que os maiores especialistas do mundo em análise comportamental alertam que o mais importante nos nossos dias não é o quanto se sabe, mas sim como se relacionar melhor consigo mesmo e consequentemente com as pessoas que conosco convivem. Para melhorarmos o nosso QE é necessário expandirmos nossa inteligência emocional.

Assim, será preciso em seu dia a dia, utilizar conceitos modernos sobre equilíbrio interno e emoções, porque de nada vale formação técnica sem equilíbrio.

  • Exemplo de jogadores de futebol (Fulano, bom de bola, rico, porém não tem uma estrutura emocional que o ajude no dia-a-dia em suas decisões, está sempre envolvido com problemas, escândalos, ambiguidades, etc.

Muitas vezes, no momento maior de uma partida de futebol, o gol, ao comemorar, explode com chutes na bandeirinha do córner, palavrões para torcida e/ou na frente da câmera de televisão, para o mundo inteiro ver e ouvir – que exemplo!

  • Exemplo de empresários com pouca habilidade técnica, mas persistente - apesar de às vezes uma pessoa ter pouca capacitação técnica nas coisas que faz, persiste e acaba alcançando o sucesso. Procura outros caminhos e se de alguma forma não consegue, busca aprender com quem sabe mais. Dá outro jeito, mas nunca desiste do seu objetivo. Pois algo dentro de si faz com que nunca desista.

Qual será essa qualidade? Como algumas coisas que para uns são tão difíceis, tão pesadas, e o outro parece ter mais energia para superar.

Tecnicamente perfeito, mas sem equilíbrio - por que o empresário com sólida formação técnica às vezes frente à primeira adversidade pára e reclama por não ter aprendido na faculdade enquanto outro parece simplesmente adorar desafios?

"Não adianta: por mais que o mundo corporativo cultive a fantasia de que um bom profissional deve ser 100% racional, emoções são um ingrediente presente em qualquer situação de trabalho" (Artigo Como impedir que as suas emoções atrapalhe a sua produtividade, por Claudia Gasparine, de Exame.com).

Para o Dr. Neil, "tentamos ao máximo não sentir raiva, tristeza ou medo. Buscamos alegria todos os dias. Estamos errados? Não. Claro que não".

E não adianta dizer que não gosta de sentir emoções, que tem total autocontrole.

“Não gostar de emoções negativas é tão útil quanto não gostar do inverno. O inverno virá você querendo ou não, assim como as emoções. Melhor do que gostar ou não gostar é saber lidar com elas”. (Dr. Neil Hamilton Negrelli Jr. no artigo a Revolução das Emoções)

Então, como utilizar a Inteligência Emocional em seu dia a dia, seja nas relações profissionais, seja nas relações pessoais.

Segundo o psicólogo americano Peter Salovey, "há quatro habilidades chave que permitem acessar as informações contidas nas emoções. Essas quatro habilidades são:

- Percepção: É preciso estar atento ao “mood” das pessoas com quem se relaciona.

- Compreensão: Tente entender por que o seu colega que é geralmente calmo e equilibrado está gritando com os colegas de trabalho.

- Mantenha o controle: Aprenda a manter o equilíbrio quando as emoções fogem do controle.

- Use as emoções a seu favor: Se você é capaz de captar o estado emocional dos colegas, entende o que se passa com os que estão a sua volta e não se deixa abalar por isso, sem ficar indiferente, tem grandes chances de se tornar um mediador ou interlocutor do grupo".

“A emoção é a base da decisão e da nossa reação ao futuro”, disse o psicólogo português Fernando Rodrigues, no Neurobusiness Expo Fórum, em São Paulo (maio de 2014).

"Ou seja, se as suas emoções não têm poder para determinar os solavancos do mercado de trabalho, elas têm capacidade de comandar as suas reações diante de adversidades conflitos, negociações e decisões importantes na carreira ou nos negócios", afirma Camila Pati.

Veja como funciona as pessoas que possuem inteligência emocional:

"1 – Focam no positivo, evitando que crises extrapolem a outros domínios da vida

2 – São empáticas e se cercam de pessoas positivas

3 – Estabelecem limites para serem assertivos quando necessário

4 – Pensam no futuro, mas trabalham o presente

5 – Procuram maneiras de tornar a vida mais divertida, feliz e interessante

6 – Escolhem a maneira de gastar energia com sabedoria, sabem o que querem e para onde vão

7 – Buscam o autoconhecimento para terem consciência de suas habilidades, pontos fracos e fortes, e se tornam eficientes.

8 – São autoconfiantes, acreditam em sua capacidade de realização e fazem acontecer.

9 - Aprendem continuamente para darem a si mesmo um novo significado à vida."

(Adaptado do Artigo Os 7 hábitos de quem tem inteligência emocional, em http://www.jornaldoempreendedor.com.br/destaques/gestao-empreendedorismo/os-7-habitos-de-quem-tem-inteligencia-emocional#.VaP9nflVhBd, e do artigo 9 situações para utilizar a inteligência emocional a seu favor, publicado em http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/9-situacoes-para-usar-a-inteligencia-emocional-a-seu-favor)

O grande desafio é entender que não existe razão sem emoção, diz psicólogo português Fernando Rodrigues, é saber observar as expressões emocionais de outras pessoas aumentando nossa capacidade de negociação e melhorar a tomada de decisão. Assim, nos relacionamos de maneira calibrada nas emoções do outro. Este é o “pulo do gato” para usar a gestão emocional a seu favor.

Pense nisso!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento