A importância da motivação

Você já se viu conversando com um amigo sobre sua motivação no ambiente de seu trabalho? E você acredita que ela é importante para seu desempenho? Mas de quem é a responsabilidade? Da empresa ou do funcionário?

A motivação tema muito "conhecido" e sempre na boca de funcionários e gestores, porém pouco compreendido por ambos, e suas teorias quase sempre deixadas de lado no dia-a-dia. Podemos aqui abordar a teoria da pirâmide das necessidades de Maslow, teoria X e Y e a teoria dos dois fatores de Herzbert entre muitos outros estudos sobre motivação, mas a verdade que nenhuma delas encontra-se nas atitudes e nas decisões de nossos gestores e colaboradores.

Vemos muitos funcionários com potenciais incríveis, porém sem incentivo e reconhecimento por parte de seus gestores e achando que estão sempre para escanteio dentro de suas empresas, funcionários estes que chegam com todo "gás" e aos poucos vão ficando frustrados, e mesmo sem perceber que com o passar do tempo criam um clima organizacional de desânimo e desmotivação total para si e para outros colegas no ambiente de trabalho. Entretanto, estes mesmos funcionários possuem metade de culpa neste cenário, saber o que nos motiva é um importante dado para o alcance de nosso sucesso profissional, com esta informação podemos atuar em busca de nossos objetivos pessoais e alinhá-los com os objetivos organizacionais, melhorando nosso desempenho pessoal.

Fazer auto-avaliação é o primeiro passo, perguntar o que é importante para mim? (ganhar bem, trabalhar próximo de casa, ter um alto cargo) Qual meu objetivo para este ano? (carro novo, sair do aluguel, estar mais com a família, uma graduação) Qual minha meta para os próximos cinco anos? (ser reconhecido pela empresa, ser empresário, aposentadoria, ser diretor). Após fazer estas perguntas a si, veja se a empresa para qual você atua hoje ou está à procura lhe proporcionará alcançar estes objetivos, irá perceber que sua motivação será renovada a cada dia, porque saberá que todo o esforço será recompensado com seu objetivo concluído.

No outro lado da balança, os gestores que detém a outra metade de culpa por não conhecerem as teorias motivacionais ou por mera displicência de não utilizá-las em seu cotidiano fazem com que a rotatividade (turnover) oscile de tempos em tempos dentro das empresas, ficando as mesmas estagnadas no tempo e fadadas ao fracasso organizacional. Assim é papel do gestor descobrir como os objetivos organizacionais podem ser alinhados com os objetivos pessoais, motivando seus funcionários a desempenharem seus potenciais ao máximo. Sou da defesa que não podemos motivar ninguém, apenas incentivá-los a tomarem uma atitude de fazer determinada atividade/ação, desde que estes incentivos estejam de acordo com os objetivos motivacionais de seus subordinados.

Portanto, temos que dar a devida importância que a motivação merece em nosso dia-a-dia, sempre que for possível ter diálogos com nossos subordinados, procurando descobrir seus interesses e necessidades para que assim possamos sempre mantê-los motivados em prol dos objetivos organizacionais e manter um clima organizacional favorável ao bom desempenho de todos.

ExibirMinimizar
aci baixe o app