A felicidade mora perto, mas nós que insistimos em adiá-la
A felicidade mora perto, mas nós que insistimos em adiá-la

A felicidade mora perto, mas nós que insistimos em adiá-la

“Em 2016 será diferente”, frase clássica dita na noite da virada. E as velhas metas e sonhos se acrescentam aos novos anseios e desejos

O ano novo não é novo. O que muda é o calendário, é o relógio. A vida segue o seu remanso de sempre. Porém o ano novo oferece a esperança de que o próximo ano será diferente, perfeito, sem erros. O maior erro é este, achar que não iremos errar. Mas perfeição não existe e não deve existir. Não existe pois todo aprendizado passa pelo erro. Aprendemos a caminhar, caindo. E perfeição não deve existir porque sugere que tudo esta ótimo e não há mais necessidade de aprimoramento. Nesta vida, quem acha que já esta bom o suficiente e decidi ficar parado, já fica para trás, pois todo o restante esta avançando.

Além disto, percebo que muitos sonhos morrem por não serem transcritos num papel. Muitos outros perecem por ficarem na folha escrita e não virarem atitudes. E tantas atitudes findam-se no caminho por não virarem hábitos. E aí, ao invés de persistirmos, começamos a criar boas desculpas para justificar o porque da desistência. O ano passa, a esperança de que no próximo ano será diferente se renova e lá vamos nós com os mesmos sonhos para 2017, 2018, 2019…

Note que a felicidade mora perto, contudo insistimos em adiá-la.

Confira abaixo a mensagem em vídeo que nos auxilia a fazer de 2016 um ano novo, novo, de fato:

ExibirMinimizar
Digital