A era do associativismo.

Somos uma geração que tem enfrentado uma série de mudanças em relação a conceitos, tecnologia, educação, informação, etc. Os objetivos humanos têm se distanciado um do outro a cada dia, numa série de expectativas voltadas a satisfazer as insaciáveis e diferentes necessidades de consumo das camadas sociais. Tais anseios, não estão pura e simplesmente, ligados aos bens materiais, mas também, às prioridades inerentes da própria época em que vivemos, tais como, segurança, saúde, educação e diversão, que são primordiais para todo individuo e, portanto, para toda sociedade. Nenhum homem é uma ilha. Todo ser humano tem necessidades e objetivos individuais e imediatistas, porém, muitos deles são comuns, e é neste raciocínio, que começa o foco deste artigo, voltado para uma reflexão sobre a importância do associativismo para se alcançar alvos comuns. O associativismo consiste basicamente, na união de pessoas em prol das mesmas metas, de forma organizada. Não é assim em nossa família? Na escola? No grupo de amigos? Nas Associações patronais ou de empregados? Em Marília, temos exemplos muito claros de como o associativismo tem auxiliado no desenvolvimento da cidade e dos cidadãos. O Programa Empreender, que é uma iniciativa da Associação Comercial e Industrial de Marília, Facesp e SEBRAE, criou núcleos setoriais nos mais diversos segmentos, onde empresas e profissionais que atuam no mesmo ramo, se reúnem periodicamente, para analisar as oportunidades a serem exploradas, bem como as deficiências que devem ser sanadas. Sob esta visão, estes seguimentos evoluíram na cidade, gerando redes de compras como é o caso do núcleo de materiais de construção (CONSTRUNOVA) e as atividades dos mecânicos, cabeleireiros, etc. Você já parou para pensar que no passado era impossível empresas concorrentes convergirem seus interesses? Pois é, está claramente provado que a evolução e o crescimento das pessoas, bem como das empresas está ligado diretamente em visualizar o seu concorrente como um parceiro e não como um inimigo. O associativismo tem fortalecido inclusive a educação, pois é comum encontrar escolas constituídas de forma associativa por pais de alunos, que buscam maior qualidade e controle no ensino. Profissionais da área de saúde, objetivando redução de custos e melhoria na qualidade dos serviços prestados, têm optado pelo associativismo. O mesmo ocorre com a segurança, diversão, cultura, turismo, etc. Finalizando, está evidente que vivemos a era do associativismo, pois estamos aprendendo a cada dia que sozinhos somos presas fáceis e apenas mais um. A união faz a força.

Comentários

Participe da comunidade, deixe seu comentário:

Deixe sua opinião!  Clique aqui e faça seu login.
    José Augusto

    José Augusto

    Sou admnistrador de uma entidade sem fins lucrativos, mas que tem grande participação no desenvolvimento empresarial da cidade de Marília e as ciddaes vizinhas.
    café com admMinimizar