Café com ADM
#

A EMPRESA NO DIVÃ!

A EMPRESA NO DIVÃ! Lauro Jorge Prado Série Gestão Empresarial O objetivo deste artigo é proporcionar ao leitor uma visão do comportamento das empresas, como elas deixam transparecer em suas ações os aspectos emocionais e de caráter administrativos e estratégicos, e, como o diagnóstico é parecido com os realizados em seres humanos. Para iniciarmos é necessário estabelecer a ligação. Para existir uma empresa é preciso que uma pessoa ou várias pessoas se reúna com o objetivo de compô-la. Nesse momento concluímos que uma empresa é objeto de uma ou várias pessoas. A empresa quando nasce traz no seu DNA todas as características do dono ou donos. Toda a complexidade e multiplicidade da análise de questões ligadas ao ser humano podem ser usadas para a análise do comportamento das empresas. É exatamente o que vamos discorrer neste artigo. A forma de gerir uma empresa está intrinsecamente ligada ao modo comportamental do dono ou gestor. Tudo o que ocorre na empresa tem o seu perfil. Até as pessoas que são contratadas para trabalhar na empresa são parecidas com o dono. Há quem diga que para conhecer o dono de uma empresa basta olhar o comportamento de seus funcionários. A partir deste raciocínio vamos analisar a empresa por quatro visões ou particularidades. Como a Empresa atua frente a situações de gestão? Como a Empresa trabalha? Como a Empresa comanda? Como a Empresa reage a mudanças? A forma como a empresa age e se comporta na gestão dos negócios leva-nos a definir o perfil psicológico. Vamos ver? ATUAÇÃO Resistência: É aquela empresa que se isola, não reage a solicitações do mercado, não explora as oportunidades. Negação: É aquela empresa que ignora os fatos do ambiente, negando as evidências, só conhece a sua ação. Exploração: É a empresa que percebe os fatos e enxerga a oportunidade e constrói o cenário futuro, porém não conseguem aplicação prática. Engajamento: A empresa inteira está em sintonia com movimentos internos e externos antecipando os fatos de forma preditiva. TRABALHO Anula: É o tipo de empresa onde a execução operacional inexiste, há desinteresse em apresentar resultados. Executa: É aquela empresa que passa o tempo inteiro correndo atrás dos eventos apagando incêndio. Age de forma reativa aos fatos. Sonha: É a empresa que vive pensando no futuro, olhando através da luneta, longe da realidade. Realiza: É a empresa que cria ambiente, onde as metas de longo prazo orientam a ação do dia-a-dia. O sonho pavimenta o caminho por onde a empresa irá pisar. COMANDO Ausência: Não há definição de linha de comando. Poder: O comando é exercido pelo poder do cargo. O estilo militar impera. Ideológico: O comando é exercido pela teoria, ficando somente no campo do discurso bonito. Autoridade: O comando vem do reconhecimento e da virtude das pessoas, a liderança é natural. REAÇÃO Cegueira: A empresa não consegue enxergar um palmo à frente do nariz. Ignorância: Mesmo que a mudança esteja explicita este tipo de empresa prefere ignorar os fatos e age por vias e estilo próprio. Iniciativa: Ao se defrontar com o movimento de mudança a empresa se antecipa e busca nos modismo uma forma de compor o futuro da empresa, mesmo que esteja sendo atropelado pela realidade. Domínio: Para este tipo de empresa a mudança é uma certeza. Trabalha o ambiente para mudar sempre. Com as definições acima vamos agora associá-los ao perfil psicológico como se a empresa fosse uma pessoa, devemos identificar suas raízes psicológicas e a adaptação do homem a administração do empreendimento seja num mundo real ou irreal. De forma simplificada vamos nos ater a quatro perfis: Empresa morta; neurótica, psicótica e a empresa ideal. Antes de definir o perfil da empresa vamos conceituar algumas características psicológicas: PSICOSE É o conflito entre aquilo que o individuo é com o que ele quer ser e o desfecho análogo de um distúrbio entre o Ego e Mundo. No caso correlato a empresa teria alguns tipos de psicose, tais como: . A empresa crê que é reconhecida no mercado pela sua superioridade; . Acha que é especial e que é fonte inesgotável de idéias; . Vigia seus empregados o tempo todo; . Acha que é vítima, que pode ser traído a qualquer momento; . Tem medo de espionagem; . Em alguns momentos acha que seus produtos não são perfeitos, falta-lhes alguma coisa; . Manipula o ambiente para atender suas necessidades; . Tem intolerância a frustrações e fracassos; . Coloca a responsabilidade de fracasso nos outros; . O êxito do produto não assegura que o negócio perdure, diante do primeiro obstáculo pode por tudo a perder; . Etc. O diagnóstico para estes comportamentos pode advir como mecanismos de defesa, causado pelo medo da realidade do mercado e suas implicações. Alguns sintomas: Depressão, confusão, perplexidade, idéia fixa, manias, obsessão, etc. NEUROSE É uma reação exagerada do sistema nervoso em relação a uma experiência vivida. Neurose é uma forma da pessoa ser e de reagir à vida. O neurótico conhece seus limites e algumas vezes, se sente impotente para mudá-los. No caso correlato a empresa teria alguns tipos de neurose, tais como: . Mau humor devido ações da concorrência; . Não tolera atrasos; . Medo de ser avaliada por outras empresas; . Medo de determinadas tecnologias; . É teatral; . Tem necessidade de atenção constante; . Requer manipulação emocional das pessoas ao seu redor; . A empresa neurótica ficar paralisada, e desempenha todo tipo de papel de doente; . É incapaz de controlar manias e rituais; . Etc. Alguns sintomas: Mau humor; Irritação; histeria; fobias; necessidade de atenção; etc. IDEAL Seguindo o mesmo procedimento ao diagnosticar pessoas, encontramos na empresa situação onde podemos definir uma empresa ideal, isto ocorre quando a empresa consegue harmonizar seus sonhos com a realidade em que vive, contrapondo desejos x necessidade; virtual x real; passado x futuro; operacional x estratégico; etc. . Algumas características da empresa ideal: . É uma empresa que verbaliza (Dizer-Pensar-Fazer-Sentir); . É pela experiência pro-ativa; . Líder de mercado; . Admirada; . Passa por ciclo de vida de vários produtos; . Não impõe soluções; . Quer mais do que lucro; . É um excelente lugar para trabalhar; . É focada na visão; . É uma empresa conectada; . É realçada pelos valores; . Etc; Faça o teste para ver o perfil da sua empresa, acesse a página abaixo: www.lauroprado.com/ezine/ed43.tml Conclusão Olhar para uma empresa é se confrontar com evidências de comportamento humano e toda sua complexidade e nuances. As observações e pontos acima é somente uma pequena amostragem do universo de análise que pode ser feita. Entender a empresa é parte do processo de sucesso que todos nós buscamos individualmente como profissionais, é o desejo que está no intimo de cada pessoa que perfaz a empresa, pois uma empresa não é um mero CNPJ, é muito mais, é um conjunto de CPFs. Autor: Lauro Jorge Prado - Contador, Pedagogo, Pós-Graduado em Controladoria e Finanças (FAPEI) e em Planejamento e Gestão de Negócios (FAE) e especialização em Gestão Empresarial (FGV), em Custos (FGV), em Educação Virtual (SENAC), Cursando Pós Graduação em Gestão Agro-Florestal (UFPR). Atuou por mais de 15 anos em empresas do ramo de Papel e Celulose. É proprietário e fundador da empresa SuGestão Consultoria e Assessoria e sócio da empresa TOPSIS Consultoria Empresarial Ltda. www.lauroprado.com
ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.