A construção da autoestima e dos resultados
A construção da autoestima e dos resultados

A construção da autoestima e dos resultados

A imagem e a opinião que você adota a respeito de si mesmo afetará profundamente seus esforços diários e a maneira pela qual você leva sua vida

Nossos pensamentos e crenças influenciam nossos sentimentos, comportamentos e hábitos, como reflexos, nossos resultados. Para o Coaching e para o Ph.D Paulo Vieira, “as crenças que você tem sobre si mesmo vão determinar desde o seu valor próprio até a sua autoimagem e todos os seus resultados e comportamentos”. Sobre essa perspectiva que se torna necessário desenvolver o “SER” (quem se deseja ser) para depois o indivíduo “FAZER” e “TER”. Então o que acha de SER um indivíduo com uma autoimagem positiva e autoestima elevada para FAZER o que realmente deseja e desenvolver seus reais talentos, e como conseqüência, TER muito mais do que você tem hoje? Ter mais paz, ter mais harmonia, ter mais saúde, ter melhores relacionamentos, ter mais dinheiro, ter mais tempo com a família...!

Seus resultados, que chamaremos de merecimento, é proporcional à qualidade de suas decisões e atitudes, entretanto, se a sua autoestima está baixa e você não tem uma crença positiva e fortalecedora da sua identidade pessoal, qual o ímpeto, energia e persistência dedicará ao fazer algo? Muito pouco, provavelmente!

Ainda para Paulo Viera, a autoestima envolve uma combinação de 3 crenças: “crença de identidade, que se refere ao ser (eu sou); a crença de capacidade, que se refere ao fazer (eu posso ou eu sou capaz); e finalmente a crença de merecimento, que se refere ao merecer (eu mereço)”(Vieira, 2015). Esses aspectos, para ele, vão determinar o quanto à pessoa se valoriza, sua autoimagem, o quanto acredita que pode aprender a fazer ou fazer algo, ainda, o quanto acredita que merece ser recompensada, elogiada ou merecer aquela vitória.

Posso perceber, juntos aos meus atendimentos como coach , o quanto essa relação entre identidade, capacidade e merecimento faz toda diferença para o progresso dos meus clientes (coachee), daí meu interesse pelo tema. Deparo com pessoas extremamente talentosas, mas que, no âmago dos seus pensamentos não “possuem crenças fortalecedoras a seu próprio respeito, não acreditam que podem ou que merecem algo melhor”. Há casos ainda mais críticos do quais é constituído uma equipe multidisciplinar envolvendo o coach e um psicólogo, por exemplo.

Outros especialistas em comportamento e coaches como Villela da Matta, Flora Victoria e Brian Tracy acrescentam e defendem o “autoconceito como o programa mestre da performance”, que ao meu ver é análogo aos princípios da inteligência emocional.

Autoconceito, para eles, é o conjunto de crenças, paradigmas e modelos mentais que você tem sobre si que refletem na sua percepção de mundo. “Ao longo dos anos, você absorveu uma complexa série de idéias, dúvidas, medos, opiniões, atitudes, valores, expectativas, esperanças, fobias, mitos e outras impressões entrelaçadas, incorporando-os na mente e os aceitando-os como verdadeiros. Essas são as instruções operacionais de seu computador subconsciente, as quais controlam tudo o que você diz, faz, pensa e sente. Na ausência de qualquer alteração deliberada de sua parte, você continuará a fazer, pensar, dizer e sentir quase as mesmas coisas indefinidamente”.

O autoconceito é dividido em 3 aspectos:

Eu ideal: parte do seu eu ideal são seus objetivos e quem você gostaria de ser, determinando assim, em grande medida, o rumo que vai tomar na sua vida. “Qual é o seu ideal da melhor pessoa que poderia se tornar? Como você se comportaria diariamente se fosse essa pessoa? Fazer a si mesmo essas perguntas e então viver a vida de acordo com as respostas é o primeiro passo para compor sua imagem ideal,” ressaltam os estudiosos citados.

Autoimagem: é o que você pensa, sente e vê sobre si mesmo, como um “espelho interno”. O que você pensa ao seu respeito gera comportamentos coerentes fazendo com que você se comporte de tal forma. Se você pensa que não é capaz é exatamente assim que agirá e se comportará. Assim sendo, se enxergue de forma diferente e terá comportamentos e atitudes diferentes, logo, seus resultados também serão diferentes.

Autoestima: pode ser definida como o quanto você gosta, aceita e respeita a si mesmo como uma pessoa de valor e digna. É ela que determina o seu grau de motivação, entusiasmo e energia direcionada à determinada ação. Quanto mais envolvido e concentrado com atividades diárias que te levem à “pessoa que gostaria de ser (eu ideal), maior será a sua autoestima.

Em outras palavras, “seu eu ideal é a pessoa que você mais quer ser, em algum momento no futuro. Ele determina a direção de sua vida, de seu crescimento e de sua evolução. Sua autoimagem, por outro lado, determina seu desempenho no presente, caracterizando a forma como se vê agora, hoje, neste momento. Sua autoestima é em grande parte determinada pelo relacionamento entre sua autoimagem e seu eu ideal, ou qual é seu desempenho nas atividades diárias em comparação com o desempenho se você fosse a melhor pessoa que poderia ser”. (Villela, Victoria, Tracy, 2014).

Para melhorar a autoimagem e a motivação, o psicólogo e Ph.D Hendrie Weisinger (1997) e o Ph.D Paulo Vieira sugerem algumas práticas. São elas:

  • Pense positivamente (crenças e valores);
  • Não tenha medo de errar e não tenha medo do "não";
  • Defina sua missão e propósito de vida;
  • Alimente constantemente o cérebro com informações positivas e inspiradoras;
  • Use afirmações motivadoras;
  • Pratique a "gratidão" diariamente;
  • Construa relacionamentos com pessoas positivas e maduras emocionalmente;
  • Construa diálogos internos (com você mesmo) positivos;
  • Desenvolva hábitos positivos por meio de treinamentos;
  • Use imagens mentais positivas;
  • Proponha-se metas importantes;
  • Divida as atividades em pequenas tarefas e comemore cada vitória;
  • Saia da situação de vítima e aja;
  • Peça ajuda se for preciso.

Agora reflita, qual a imagem você tem de você mesmo? Esses pensamentos têm te ajudado ou te impedido de buscar seus sonhos?

A Psicóloga Social Carol S. Dweck, fruto de seu trabalho de mais de 20 anos nos alerta em livro Por que algumas pessoas fazem sucesso e outras não: “a opinião que você adota a respeito de si mesmo afetará profundamente a maneira pela qual você leva sua vida. Ela pode decidir se você se tornará a pessoa que deseja ser e se realizará aquilo que é importante para você”. Não está satisfeito com o jeito que está levando a sua vida hoje? Então entre em ação e mude!

Cabe ressaltar que a habilidade e competência de promover mudanças internas significativas, como por exemplo, às relacionadas aos seus paradigmas e crenças sobre si mesmo são extremamente necessários e fundamentais para uma vida mais produtiva, próspera e saudável.

Por trás dos comportamentos e hábitos estão suas crenças, seus paradigmas, sua autoestima e autoimagem. Você pode estar repetindo comportamentos improdutivos e nem perceber o quanto isso está impactando seus resultados, seja no campo pessoal ou profissional. A questão que surge então é: como aumentar a consciência dessa necessidade de mudar os seus paradigmas e a imagem que você tem se si?

O Ph.D Daniel Goleman por meio das práticas de desenvolvimento da inteligência emocional (IE) lança luz à questão anterior. De forma complementar, o Coaching também possui técnicas e metodologias de mudanças comportamentais extremamente úteis, das quais envolvem 7 passos:

Identificação: definição de quais (ou qual) competências são necessárias para atingir determinado objetivo ou meta ou quais comportamentos estão te prejudicando de alguma forma.

Entendimento: aqui envolve o grau de motivação para desenvolver e praticar a competência desejada em detrimento do comportamento indesejado. Uma das perguntas que pode ser feitas é: “o quanto essa competência é importante para mim e qual é o meu nível de motivação para persegui-la?”

Assessment: envolve uma autoanálise, podendo ser informal ou formal. Este último é um conjunto de perguntas estruturadas por um profissional (ex: coaching) que permite saber o “grau que você tem, atualmente, de determinada competência”. Em outras palavras, “mede a distância entre a sua competência atual e a desejada”. Há livros e palestras que promovem esse tipo de abordagem.

Aquisição: nesta etapa espera-se que já tenha definido “o que”, o “quanto” e “por que” precisa desenvolver determinada competência, logo, aqui será definido “o como você vai desenvolver”.

Experimentação: é praticar, exercitar, demonstrar por meio de comportamentos a nova competência adquirida.

Prática: é o exercício consciente de modo a aperfeiçoar os comportamentos corretos e melhorar os outros continuamente, se aperfeiçoando constantemente na competência, bem como incorporando outros comportamentos fruto de crenças fortalecedoras.

Aplicação: depois dá prática consciente e intensa, é necessário identificar e aproveitar as oportunidades para aplicar as competências desenvolvidas, extraindo dessa forma, certa vantagem pessoal e ou profissional.

Cuidado com as palavras que são direcionada aos seus filhos. Cuidado com as palavras que direciona às pessoas, sobretudo, cuidado com as palavras que direciona a si mesmo se elas não forem para criar uma autoimagem e autoestima postivas. Caso não esteja satisfeito com a imagem que você construiu de si mesmo saiba que você pode mudar isso!

Saiba mais sobre o autor: www.facebook.com/leandro.zavam

Compartilhe esta ideia!

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento