A competencia dos faladores e a incompetencia dos contratantes

Existem ladrões de carga porque existem receptadores, traficantes de drogas porque existem usuários, existem os que comercializam o próprio corpo porque existem clientes, corruptos porque existem corruptores, políticos safados porque existe sociedade permissiva e faladores que vendem fumaça porque existem contratantes incompetentes.





A competência dos faladores e a incompetência dos contratantes




Existem ladrões de carga porque existem receptadores, traficantes de drogas porque existem usuários, existem os que comercializam o próprio corpo porque existem clientes, corruptos porque existem corruptores, políticos safados porque existe sociedade permissiva e faladores que vendem fumaça porque existem contratantes incompetentes.



Reconheço nos faladores uma enorme competência e extraordinária habilidade de comercialização e encantamento dos incautos, autonomeados de profissionais de recursos humanos, treinamento, vendas e marketing e de empresários de nomeada notoriedade que os agraciam com placa de reconhecimento pela grande contribuição que trouxeram à sua organização. Reforçando assim a incompetência de seus profissionais que recomendaram, ou não tiveram competência para argumentar tecnicamente contra a solicitação do patrão para a contratação dos serviços dos faladores-vendedores-de-fumaça e desperdiçadores do recurso mais precioso que os homens e a organização têm: o tempo.



A incompetência é epidêmica. Contagia! Se um empresário ou um profissional, de qualquer área do conhecimento, de grande sucesso, de projeção, formador de opinião recomenda ou contrata ou agracia o fulando de tal, ele deve ser muito bom, vamos contratá-lo também, porque se a nossa equipe e, principalmente, o chefe não gostar, podemos justificar a escolha dizendo: estamos em boa companhia. Na realidade, imitaram como papagaios, sem nenhuma análise criteriosa, o erro do notório empresário ou profissional. Empresário e profissional são rótulos, cuja essência é Ser Humano, que tem como característica básica a possibilidade de errar.

Primeiramente, os profissionais de recursos humanos, vendas e marketing devem contribuir para o desenvolvimento de uma cultura na qual haja espaço para respeitar-se o próprio tempo, o tempo dos colegas e da organização. Tempo é mais que dinheiro. É vida!!! Assim como avaliamos as prioridades de uma organização, seja ela pública ou privada, em função do quanto destina de recursos financeiros para cada uma de suas atividades. Podemos avaliar as prioridades individuais ou organizacionais em função da distribuição do uso do tempo.

Os profissionais que têm a responsabilidade pela decisão ou pela recomendação da contração de palestra, treinamento, mentoring ou consultoria devem alinhar os objetivos desses eventos com a estratégia e com as necessidades da organização. Ter coragem de inovar, incluindo no processo, prestadores de serviços que não sejam os da moda, que tenham conteúdo, preço condizente com a realidade da empresa e vocacionados para resultados. Se o escopo for: descontração e animação, não dêem a isso uma máscara de evento motivacional ninguém motiva ninguém, muito menos uma palestra de 120 minutos, que trata igualmente os desiguais. Contrate um verdadeiro comediante, um bom cantor, ou uma boa banda, que não lhes passarão a falsa impressão de que estão participando de um evento técnico ou motivacional. Não terão o auto-engano de que as dicas oferecidas no auge da empolgação poderão ser utilizadas no dia seguinte, no cotidiano, dia-a-dia. No evento, um porre de entusiasmo e, no dia seguinte, uma ressaca de frustração. Quanta perda de tempo e de dinheiro!!!

As palestras dos faladores, vendedores de fútil-inútil, têm a vantagem de não gerarem compromisso com resultados e nem com operacionalização mensurável ou observável, da parte do profissional que os contratou ou recomendou a contração e nem do executivo que aprovou o evento. Mantendo-se ambos na zona de conforto, melhor dizendo da acomodação, da mesmice, uma vez que esse tipo de evento não produz estímulo e muito menos responsabilidade por buscarem novos conhecimentos, desenvolverem e praticarem conceitos tais como: Para que somos pagos? Qual a primeira e mais relevante responsabilidade social da empresa? O que é feedback e como operacionalizá-lo eficazmente? Quais são as variáveis essenciais das organizações produtivas? Como validar as estratégias e as decisões operacionais significativas? O que é controlar? O quê, efetivamente, pode-se fazer com a tal motivação? O conceito de poder praticado pela organização favorece a iniciativa, a criatividade e a relação de confiança? Como eu e a organização percebemos o Homem? Por que o profissional de RH precisa ter sólidos conhecimentos de psicologia aplicada às organizações, de teoria geral das organizações, de conhecimentos básicos de finanças, contabilidade e de matemática financeira? Ta achando muito? Lembras-se das listas que alguns autores de nomeada fazem das características do líder ou do executivo de sucesso? Descrevem o super-homem organizacional, que são repetidas em alguns anúncios de recrutamento de pessoal.

Tenho a esperança que essa situação seja uma fase muito efêmera do desenvolvimento profissional e organizacional e que não se eternizará como uma das relações de causa e feita citada no inicio do artigo.


Jansen de Queiroz Ferreira
Administrador e Economista
Diretor da Gestão Polifocal, Consultoria, Treinamento e Mentoring.
jansen@gestaopolifocal.com.br-www.gestaopolifocal.com.br telefax 11-3044-1019




ExibirMinimizar
CEO Outllok, A era da liderança resiliente. Confira os Resultados.