A coerência do consumo

Se você está endividado, assuma o seu erro e não tenha vergonha de falar com os seus familiares para que cada um faça a sua parte e arregace as mangas para começar a economizar

Em diversas circunstâncias, as dívidas são causadas em virtude da decorrência do consumismo.

Se esse problema que vicia não for tratado no início, tende a tornar-se um tipo de oniomaina, uma vez que isso se deve ao fato de ser a doença que resulta em um tipo de compras compulsivas.

Se este for o seu caso, tome muito cuidado, pois, essa doença pode arruinar a sua vida, a sua saúde, o seu bem estar e principalmente a qualidade de vida sua e da sua família.

A intensidade da propaganda estimula o nosso desejo e aí surge o principal de todos os motivos que nos leva a efetuar uma compra por impulso.

O desejo de adquirir algo tende a anular na maioria das vezes a capacidade de racionalizar sobre a real necessidade de efetuar a compra.

Isso ocorre, porque, o desejo de adquirir algo nos faz esquecer que em algum momento o produto que foi adquirido deverá ser pago e nos fará comprometer uma dívida a ser paga e isso implica parte da nossa renda, pois, o dinheiro é uma moeda a ser trocada por algo de valor.

O imediatismo e a impulsividade fazem do passeio ao shopping ou da ida ao supermercado uma verdadeira ameaça ao orçamento, afinal esses são alguns dos hábitos que nos fazem gastar mais do que a quantidade que efetivamente pode ser gasta.

Esse imediatismo que une a necessidade de realização dos desejos reflete diretamente no bolso do consumidor.

A disponibilização do crédito do dinheiro fácil que custa caro é oferecida de maneira rápida, acessível e sem muita burocracia porque essa é a razão pela qual tudo o que é fácil e simples de conseguir esconde altos juros a serem pagos no futuro.

O principal fator que nos leva ao endividamento é o fato de que sempre estamos acostumados a ter aquele carnê com dívidas em prestações, para termos o carro zero mais moderno do momento, a televisão digital de plasma, o computador, o tablete e o smartphone da moda e se esse for o seu caso, saiba que é possível se livrar das dívidas que comprometem o seu orçamento, te deixam endividado e consequentemente sobrecarregado de contas a pagar.

Tudo começa com um bom planejamento para não contrariar mais dívidas e piorar a sua atual situação do momento.

Mas a verdade é que ao comprar sem poder você acaba comprometendo parte da sua renda, pois, o IOF, os juros das prestações que você paga e os demais fatores que compõe o Custo Efetivo Total tendem a ser ignorados no final das contas em relação ao preço à vista.

Se você ouvir algum fornecedor dizendo que o preço à vista é o mesmo do preço financiado, desconfie porque o preço à vista jamais será o mesmo do preço parcelado.

O objetivo dos juros e dos demais fatores que compõe o CET (Custo Efetivo Total) é cobrir os encargos financeiros que incidem sobre aquele determinado financiamento, e pela lógica, quando o pagamento é efetuado à vista não tem incidência de encargos financeiros, pois, não houve parcelamento.

Precisamos mudar os padrões psicológicos dos nossos hábitos de consumo que nos leva ao consumismo exagerado, mas sem comprometer o nosso padrão de vida e a nossa qualidade de vida, pois, o consumismo em excesso tende a acabar resultando no endividamento e como consequência gerar certas preocupações que afetam e prejudicam o equilíbrio emocional do seu bem estar.

Esses dados nos assustam e por isso existem muitas explicações para o esclarecimento deste endividamento que é indiscriminado no Brasil.

Talvez a principal razão que justifica o fato de o Brasil ter juros exorbitantes em relação às demais nações desenvolvidas e em desenvolvimento, é o histórico de inflações altas que o país vem passando nas últimas décadas.

Por isso, parece uma contradição absurda dizer que os juros estão baixos, uma vez que o que acontece na prática é que na verdade esses juros estão mais baixos não em relação aos juros das demais federações, mas sim em relação às anteriores taxas de juros que eram cobradas.

Isso se deve à razão de que se forem comparadas com as taxas de juros de 20 anos atrás, por exemplo, nossas taxas de juros hoje em dia estão mais baixas em relação àquelas que eram cobradas antes.

O Brasil tem hoje uma das mais altas cargas tributárias do mundo e infelizmente é lamentável dizer que muitos brasileiros estão seguindo o mau exemplo do governo porque se endividaram e comprometeram-se com juros de vários financiamentos.

A consequência que está por trás de tudo isso é a má qualidade de vida e o péssimo exemplo de optar pela escolha errada, por causa dos maus conselhos que vêm sendo ensinados à população.

A qualidade de vida não está associada a sua renda, mas sim ao fato de como que você administra a quantia que você ganha porque a riqueza não é medida em ganhos reais, e é por isso que você tem que aprender a proteger o seu dinheiro da maneira correta.

Se você não tem uma boa educação financeira, as instituições financeiras vão te passar para trás e tomar o seu dinheiro porque o negócio deles é usufruir de um grande império capitalista que nos escravizam.

Instituição financeira quer é dinheiro e isso todos entendem, pois, a verdade é que elas estão de olho no seu dinheiro e essa é a razão pela qual os fornecedores querem te passar para trás para te explorar.

O serviço de crédito que eles nos oferecem é um excelente negócio para eles, mas tende a deitar e rolar sobre nós.

Por isso, se você não caminhar nos trilhos, do jeito certo e não estiver caminhando direito, no final das contas esse fato vai sair custando caro e consequentemente resultando no endividamento.

No final das contas você vai sair perdendo porque com isso as suas dívidas só tendem a aumentar cada vez mais, uma vez que esse estilo de vida é contrário ao dos que sabem jogar o jogo da maneira correta para fazer as apostas certas na hora certa, com o objetivo de construir riqueza e acumular fortuna para alavancar o seu dinheiro e aos poucos engordar o bolo.

A educação tradicional que é ensinada nas instituições de ensino só serve para nos educar em uma cultura consumista, e por essa razão, nos dá maus conselhos e não é suficiente para nos educar financeiramente, pois, tende a nos educar em uma cultura consumista.

A verdade que está por trás de tudo isso é que nós somos vítimas de um plano estratégico de gasto que foi elaborado nesse jogo pelas indústrias, pelo comércio e pelas demais instituições financeiras.

Mas devido ao fato de que atualmente o desenvolvimento do nosso sistema econômico e capitalista tende a armazenar o acúmulo do desenvolvimento de uma busca pela qual nós somos incentivados na acomodação da oferta, a tendência é que no final das contas a oferta acabe gerando o resultado de uma alta execução de demanda.

Isso ocorre porque o consumismo não ocorre por acaso, tudo foi planejado após a segunda guerra mundial com o objetivo de aumentar cada vez mais a expectativa que nos leva ao consumo desenfreado para estarmos na moda, e com isso incentivar o crescimento do consumismo e o aquecimento da economia.

Desta forma, a estratégia das indústrias é sempre concentrar nas pesquisas de novos produtos para descobrir e desenvolver novas necessidades de consumo que são consideradas essenciais por serem de fundamental importância para a utilização da população.

Entretanto, devido ao fato de a atual economia produtiva exigir que o consumo satisfaça as nossas necessidades, é por isso que em pouco tempo os produtos que foram desenvolvidos tornam-se defasados, e com isso, ficam obsoletos, ultrapassados e exigindo que novas compras sejam feitas.

As indústrias praticam a tática do método de obsolência da defasagem planejada para desenvolver com frequência novos produtos mais avançados, e com mais recursos do que a atual geração.

Esta constante desvalorização tende a nos incentivar a adquirir cada vez mais a nova geração do produto que atualmente está na moda, pois, apresenta mais funcionalidades e recursos mais avançados.

Por isso, quase tudo aquilo que compramos tende a ficar ultrapassado e se desvalorizar em pouco tempo, essa é a razão que nos leva a ser bombardeados pelas mídias de divulgação para aumentar o nosso consumo e sermos escravizados pelos fornecedores.

Eu não quero que você seja vítima desse sistema capitalista e, por isso, não tenha vergonha de encarar o seu problema pelo qual você está passando atualmente e assumir os seus erros, pois, você que está endividado é capaz de conseguir sair do déficit.

Mas, na prática, a verdade é que por trás disso existe um segredo para você conseguir sair do endividamento e equilibrar o balanço das suas contas.

A dívida é muito ruim e consequentemente gera preocupações e, acima de tudo isso, causa um mal danado que prejudica a nossa saúde.

A regra é controlar o quanto você ganha e o quanto você gasta para não entrar no déficit que nos leva a ter um saldo negativo no final do mês.

Portanto, se você está endividado, tenha humildade para reconhecer que você não pode mais continuar vivendo na comodidade do jeito que até então você estava vivendo até aqui, por isso mude o seu padrão de vida e passe viver de forma mais simples.

Talvez esse seja o seu caso, e se isso estiver acontecendo evite comprar a prazo e cancele o seu cartão de crédito para se livrar daqueles juros preocupantes que vem comprometendo parte da sua renda.

Faça isso até que você consiga normalizar a sua situação financeira, com o objetivo de conseguir livrar-se das dívidas de uma vez por todas.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento