7 qualidades áureas de líderes poderosamente equilibrados

A verdadeira liderança acontece do lado de dentro, onde o líder trabalha a si mesmo e fortalece seus atributos relacionais por meio de ações inteligentes e tipicamente sábias

Antes de liderar os outros, o líder precisa liderar a si mesmo. Essa indiscutível verdade é responsável por separar meros homens de mentores extraordinários, fazendo existir uma diferença abismal entre aqueles que se conhecem e entre aqueles que fingem se conhecer. Usando letras diferentes para explicar a mesma ideia, existe uma linha interplanetária entre um homem que não se domina e entre um que conhece cada traço de sua complexa e estrambólica galáxia.

Você duvida? Então faça uma pesquisa em sua cidade e identifique os melhores comandantes. Rapidamente você chegará à conclusão óbvia de que eles são pontualmente os mais resilientes, isto é, os que melhor se adaptam ao caos e as perniciosas esferas da turbulência. Certamente, o segredo dessas entidades está na inteligência emocional, na maturidade, de sorte que os mesmos sabem administrar os momentos bons e ruins sem que tais atmosferas os perturbem e, principalmente, os destruam mentalmente.

Decerto, não é fácil gerenciar pensamentos, adversidades, energias negativas, pressões externas e barreiras inesperadas, contudo é exatamente para isso que o líder existe: para apanhar esse mapa desorganizado e agrupá-lo novamente, juntando as partes estrategicamente até que elas estejam definitivamente aglutinadas.

Estranhamente, muitas pessoas acham que liderar é uma atividade gloriosa, cheia de momentos glamorosos e “purpurinados”. Oh raios, elas não sabem que se trata de um ofício duríssimo, pesado e absolutamente laborioso. Não se engane: é preciso muito suor e lágrimas para manter uma organização de pé (estável), visto que os problemas são infinitos e extremamente desafiadores. Por isso, muitos aventureiros desistem rapidamente dessa aguilhoada ocupação, preferindo optar por algo mais simples e descomplicado no curso de suas lúdicas existências.

Peter Drucker - a referência das referências em administração - astutamente propagou: “Como gerente você é pago para estar desconfortável. Se você está confortável, é um sinal seguro de que você está fazendo as coisas erradas.” Assim, para os “corajosos do destino” resta muita preparação, determinação e foco, de modo a serem meticulosamente preparados para apalparem tamanhas responsabilidades e incumbências em suas valorosas corporações.

Resumindo todas as reflexões externadas até agora o que você precisa compreender é o seguinte: um mestre de traços esplêndidos é que trabalhou sua alma de forma disciplinada e metódica, fazendo suas forças intrínsecas alcançarem um nível solidificado e rochoso: eclodindo em uma competência intrapessoal muito acima dos demais, ou seja, em ações poderosamente transformadoras e regeneradoras.

Em razão desse irrefutável e irrebatível fato, resolvi elencar algumas virtudes de pessoas emocionalmente inteligentes, com o intuito de ampliar seu portfólio de talentos e potencializar vastamente sua casta de qualificações, confira:

1 – Cultivar pensamentos assertivos: conservar uma consciência positiva, entusiasmada e limpa é fundamental para que uma pessoa consiga praticar ações inteligentes, herdando paz de espírito e serenidade no coração. Em um cargo de liderança, essa atitude é demasiadamente importante, pois o líder sofrerá inúmeras pressões, retaliações e objeções, tendo que reagir de maneira sábia e prudente perante essas refratárias situações se quiser manter sua organização em um estado equacionado e poderosamente solidificado.

Por conseguinte, deixe que suas ideias sejam otimistas, esperançosas euforicamente incontroláveis, de modo que seu cérebro seja um reprodutor ferrenho de energias assertórias e tipicamente motivadoras.

2 – Fazer de seu orgulho a singular espada da resiliência: para um líder de verdade, saber vender é tão importante quanto respirar, comer e descansar. Obviamente, em uma estimulante negociação, muitos são os desafios a serem enfrentados, mas esses cenários provocadores demonstram algo peculiar e inerente à raça humana: o inoxidável ego.

Sim, a preocupação do homem com seu brio, sua vaidade e sua “honra” afeta demais os campos da administração, onde vemos (inacreditavelmente) muitos gestores desperdiçarem numerosas oportunidades para satisfazerem seus caprichos e tendências cobiçosas. Ora, se você quer fechar negócio com alguém deve estar disposto a servir e a aceitar certos sacrifícios (e não exigir que a outra parte lhe entregue tais vantagens e deleitamentos). Em outras palavras, esse é o momento de se doar em prol de um objetivo maior no futuro (herdando recompensas incalculáveis), de sorte que perder algumas preciosidades no presente irão lhe proporcionar infinitos tesouros no porvir, fazendo o perdedor do HOJE ser o lúdico vencedor do AMANHÃ.

Desta forma, seja resiliente: amplie sua torre de absorção de negatividades para manter sua flecha apontada ao alvo mesmo com incontáveis forças contrárias a sua volta, de modo a transformar as adversidades não nos ninhos da angústia, do desconsolo e do dissabor, mas nos verdadeiros caminhos da glória, da alegria e do contentamento.

3 – Domar os julgamentos e as críticas: há um provérbio chinês que diz: “Há três coisas que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida.” Essa pequenina e estarrecedora reflexão nos ensina uma lição regeneradora: o cuidado que devemos ter em nossas análises e interpretações cotidianas. Pense comigo: ás vezes, temos tanto apreço pela sinceridade e pela autenticidade que machucamos pessoas de valor pela maneira errada e insensata de nos comunicarmos, prejudicando amizades maravilhosas pela ignorância de externarmos letras absolutamente equivocadas e ardilosamente desnecessárias.

À vista disso, refreie sua língua e faça com que ela seja sua grande aliada: adoçando a vida alheia por meio de ações respeitosas, honrosas e pontualmente decorosas. E no fim do percurso, você poderá se alegrar por ter tido a coragem de PENSAR ANTES DE FALAR, concebendo coerência e coesão aos seus proeminentes e equilibrados discursos.

4 – Esvaziar a mente para preservá-la intacta em momentos oportunos: no budismo, encontramos a extraordinária natureza da não-mente, que consiste em expirar completamente os pensamentos e as emoções, entrando em um estado de concentração total para que as influencias exteriores percam suas forças e originalidades.

Certamente, um mentor carrega muitas preocupações em sua consciência, como por exemplo: metas a serem atingidas, exigências feitas por clientes satisfeitos e insatisfeitos, pressões familiares, conflitos e divergências com fornecedores e órgãos reguladores, desmotivação de colaboradores, opressões por parte de concorrentes e similares, enfim muitas inquietudes que são naturais ao referido cargo. Exatamente por essa razão, é impreterivelmente necessário construir esse esplêndido atributo para que essas atmosferas percam suas vitalidades e possam ser dirimidas gradativamente.

Destarte, trabalhe seu domínio próprio no sentido de liquidar os fluxos que insistem em lhe desconcentrar, fazendo suas atitudes serem blindadas dessas perniciosas e nefastas embromações.

5 – Fazer com que a natureza embrionária jamais seja transmudada: o meio social tem poder de afetar de forma considerável nossos desejos, escolhas, atitudes, comportamentos e sentimentos. Em outros termos, sua comunidade têm muita influência em seu caráter, dado que as pessoas que vivem a sua volta tem moldado colossalmente suas decisões (ainda que de forma não proposital e instintiva).

Ao tempo em que isso representa uma estrondosa vantagem (porque você irá aprender coisas importantes em um curtíssimo espaço de tempo) também evidencia um grande malefício, a saber: as mudanças em seu recinto interior. Sim, quando o ambiente trabalha a seu favor é extremamente conveniente, porém vejo que muitos líderes têm deixado esses ventos mudarem aquilo que eles possuem de mais sublime e valoroso nesta vida: suas singulares e inefáveis essências.

Permita-me explicar melhor: como comandante, você terá muitas tentações, ou melhor, oportunidades de passar por atalhos que o farão alcançar resultados rápidos e expressivos. Contudo, você só poderá aproveitar esses privilégios se eles não ferirem sua maculada insígnia moral, isto é, sua casta de princípios, valores e convicções. Lamentavelmente, vejo muitos gestores aceitando TUDO para conquistarem seus objetivos, vendendo suas maiores preciosidades por um amontoado de objetos sem significado e representatividade.

Não faça isso: percorra o mapa sem deixar que nada e ninguém mude sua natureza primitiva, realizando as obras com o coração na mão e com a coragem na ponta dos dedos.

6 – Amar a diversão e as atividades estupidamente jubilosas: muitas atividades empresariais são estressantes, repetitivas, monótonas e maçantes. Aqueles que vivem apenas para os seus trabalhos correm o risco de serem infelizes para sempre, pois se deixarão ser consumidos por um espírito de responsabilidade e incumbência eterna (acho que o inferno é parecido com isso). Oh raios, é evidente que devemos cumprir nossas obrigações com seriedade e comprometimento, mas isso não quer dizer que devemos ser como robôs inanimados.

Assim, aproveite seus dias ao máximo e nunca se esqueça de reservar alguns minutos para a diversão e o entretenimento, realizando atividades que lhe dê prazer e vasta alegria.

7 – Conviver com pessoas bem humoradas e otimistas: se cercar de gente motivada é a melhor maneira de fazer bem a si mesmo. No mercado de trabalho, nem sempre podemos escolher as melhores pessoas para estarem ao nosso lado, porém podemos ignorar aquelas que não agregam nada e valorizar aquelas que enriquecem o nosso dia.

Esse é o melhor caminho para extirparmos as pessoas negativas do nosso núcleo, ou seja, essas que veem apenas o lado ruim das coisas. Em contrapartida, devemos trazer para perto das nossas almas essas criaturas formosas, que amam e apreciam a positividade.

Deste modo, busque engrandecer esses seres que animam a sua semana, fazendo com que eles tenham a sua admiração, estima e reconhecimento. E lembre-se: gente de baixa autoestima carrega o vírus da mediocridade, isto é, um sentimento tóxico e demoníaco que contamina essas auras com um espirito derrotista, apequenado e tipicamente enfraquecido.

Um líder nada mais é do que aquilo que os pensamentos fazem dele. De nada adianta ter títulos, bagagem profissional, vivências específicas e patente alta se tal entidade não ostentar ideias assertivas e piamente transformadoras. Aprendi com Fernando Pessoa que um aliado inigualável para as reflexões é a paixão. Por isso, sempre pense com o coração, realizando seus ofícios com sabedoria, inteligência e uma leve pitada de romantismo.

Faça isso e além de fazer bem a sua organização, você terá tido a oportunidade de satisfazer suas volições e desejos pessoais, agindo com liberdade e valentia para materializar seus ideais e concretizar cabalmente suas lúdicas posições.

ExibirMinimizar
aci baixe o app