6 atitudes para enfrentar o medo

O medo é uma energia que sufoca as melhores intenções humanas. Seu viés invisível encobre lares, empresas, empreendedores, pais, filhos, entre outros. O medo, afeta diariamente quem exerce tarefas com dedicação e excelência

O medo é uma energia que sufoca as melhores intenções humanas. Seu viés invisível encobre lares, empresas, empreendedores, pais, filhos, entre outros. O medo, afeta diariamente quem exerce tarefas com dedicação e excelência. Apesar do esforço, os resultados nem sempre são satisfatórios, por isso ele é o sabotador da realização efetiva. Há vários medos que rodeiam as pessoas. Todos com um veneno letal. Vejamos alguns deles:

Medo do fracasso, de ser impossível, de não ser capaz, do desconhecido, do abandono, de não dar conta das exigências, de ficar sozinho, de perder, de ganhar demais, de desviar da essência, ser cobrado, stress excessivo, adoecer. É claro que existem muitos outros tipos de medo. Como podemos enfrentar o medo?

1. Anulando o 100% certo: É preciso aprender que o planejamento detalhado e cuidadosamente estudado não impede que a ação do tempo e as intempéries do movimento externo ao ser humano interfiram no realinhamento do projeto. Também entender que o medo pode ser substituído pela expressão: Nada é 100% certo e ponto!

2. Estou em movimento, que venha a surpresa! Abrir as cortinas para o inesperado é um fator de inibição do medo. Tememos o que não conhecemos, porém, ao estarmos abertos as surpresas, despertamos o poderoso recurso da criatividade.

3. Sobrepor à história pessoal: Temos a tendência de fazer longas novelas mentais. Somos iguais aos autores de roteiros tensos, que escolhem uma matéria prima emaranhada pelas dificuldades. Esse gênero de escrita funciona muito bem, atraindo telespectadores vorazes por fugas instantâneas da sua própria vida, onde o prazer está na construção de teias mentais negativas e exageradamente caóticas. Como resultado, contamos enredos semelhantes para nós mesmos, por meio de pensamentos recorrentes.

É hora de desligar-se de histórias que elevam o medo e diminuem o poder pessoal. Conte-se histórias surpreendentes, do tipo: “sou única”; “sempre vou em frente”; “tenho força para enfrentar”; “é só confiar”; “jamais estou só”; “estou sempre na minha inteligente companhia”; “posso mais do que imagino”; “o inesperado irá revelar o meu poder pessoal”. Assuma o cenário e inspire-se a contar o melhor para você e de você!

4. Recupere a varinha de condão: A magia está no ar. O medo não suporta o encantamento do improviso e a beleza do palco. Reserve um tempo para ensaiar com sua varinha de condão as mais belas intenções. Faça-o sorrindo. Imagine encantamento e um mudo de possibilidades atraentes. Faça sua magia acontecer. Após lançá-la ao universo, sonhe livre sem a sombra do medo e inicie a dedicação ao trabalho. Invista tempo, energia, motivação e uma forte crença no poder da magia. Entenda que está aura de poesia e facilidade afasta o que assusta e aproxima o que é possível.

5. Diminua e aumente o volume: Ouça a voz do coração. Ela é uma comunicação pura, como a nascente de um rio. Lá o cristalino revela fluidez e certeza no absoluto. À medida que as águas vão percorrendo seu curso, são surpreendidas pelas impurezas alheias. Se dependesse da fonte, a água se apresentaria sempre na mais exuberante forma. Mas a influência externa abafa a grandiosidade da sua glória. Assim também acontece conosco. Somos poluídos constantemente. Ouvimos absurdos que nos colocam em prontidão. Instantaneamente o medo se instala, fazendo-nos companhia. Assuma a intenção de ser fonte e não poluição! 6. Reduza o ritmo: Assumir muitas tarefas aumenta o medo de não cumpri-las. Reduza o que puder e experimente mais leveza e competência pessoal.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento