3 dicas para começar a repensar seu modelo de negócio
3 dicas para começar a repensar seu modelo de negócio

3 dicas para começar a repensar seu modelo de negócio

“Parei de crescer, e agora? Preciso mudar meu modelo de negócio?”

Vocês, empreendedores de alto impacto, têm em mim um fã! Sabemos que empreender no Brasil não é fácil, o que vocês fazem e os desafios diários que superam merecem minha admiração. Mas ultimamente, nas minhas conversas como mentor, um tema recorrente tem aparecido: a desaceleração, ou até estagnação, do crescimento das empresas comandadas por vocês. E percebi que falar sobre isso traz uma certa angústia! Afinal, vocês vinham crescendo rapidamente ano após ano, ganhando confiança para investir em novos planos e distribuindo os benefícios desse crescimento aos colaboradores que os acompanham nessa caminhada!

Quando a velocidade se reduz ou para, fica claro o desconforto e a necessidade de saber o que fazer para retomar logo o bendito crescimento!

Por não estarem emocionalmente ligados ao problema, somando a experiência profissional adquirida, os mentores são interessantes fontes de insights sobre essa retomada da crescimento e revisão do modelo de negócio. Nos meus encontros, procuro seguir uma estrutura de pensamento e, junto com o empreendedor, ir preenchendo as lacunas. Depois de ouvir, perguntar bastante e procurar entender os pilares e alavancas específicas de cada negócio, coloco alguns pontos que agora compartilho com todos vocês.

1) Comemore o que já foi atingido! Fazemos uma retrospectiva da história pessoal e profissional de cada um. É bonito ver o quanto já foi percorrido e quantos obstáculos foram superados para que o patamar e faturamento de hoje tenha sido atingido. Esse é um passo importante, pois a energia muda e a consciência do quanto foi trilhado aumenta a motivação para o próxima etapa. Reforço também que vale a pena agradecer a todos os colaboradores da empresa, pois às vezes, na vontade de resolver, colocamos uma pressão desnecessária e pouco produtiva! Pense o que a empresa precisa reforçar, quais os pontos fortes e pessoas especiais que necessitam de mais investimento, apoio e incentivo para continuarem brilhando. Às vezes, na ânsia de mudar, esquecemos de considerar como mudança o reforço naquilo que temos de melhor e que nos trouxe até aqui.

2) Reflita que tudo na vida, inclusive na sua empresa, é feito de ciclos. E eles não são eternos. Partindo desse princípio, fica mais fácil entender em que fase desse ciclo cada empresa está e começar a procurar as respostas para o próximo ciclo de crescimento. Analise as projeções de crescimento e que competências que temos que adquirir de fora, pois pode ser que o tempo e o plano não permitam que elas sejam desenvolvidas internamente. Até a Apple fez isso recentemente, quando trouxe Angela Aherendts, que era CEO da Burberry, para a liderança da sua operação de varejo com a chegada do Apple Watch. Porque também não podemos reconhecer a necessidade de novas competências e fazer o mesmo quando necessário?

3) Reconheça o que é preciso deixar para trás. Desde comportamentos super hiper centralizadores não compatíveis com a ambição da empresa, até pessoas que foram importantes, mas não querem sair da zona de conforto e que acabam emperrando, assim, o crescimento. Esse é um exercício difícil, porém necessário e que exige muita coragem.

Por fim, você pode ter uma rede de mentores excepcional, minha estrutura sugerida pode até ajudar, mas não terceirize a sua responsabilidade! As perguntas e os estímulos vêm de fora, mas as respostas e, principalmente, as ações para um novo ciclo de crescimento seu, dos seus colaboradores e da sua empresa começam com você!

Assuma isso e vá em frente!

Artigo de Sérgio Chaia, publicado originalmente pela Endeavor Brasil e gentilmente cedido ao Administradores.com.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento