10 dicas preciosas para criar uma equipe de alto rendimento
10 dicas preciosas para criar uma equipe de alto rendimento

10 dicas preciosas para criar uma equipe de alto rendimento

Fortaleça seus cooperadores e faça-os render além das expectativas por meio da maximização de suas competências e qualidades profissionais

Quando decidi me tornar um administrador, deixei que brotasse em meu coração uma vontade enorme de ajudar as pessoas. Eu não buscava nada além de capacitar e desenvolver aqueles que estavam a minha volta, dando a eles instrução, pensamento e propósito para que eles pudessem crescer e alcançar suas idealizações. Propósito para que eles encontrassem um caminho, trilhando suas existências focados nessa trilha, pensamento para eles construírem suas próprias ideias e convicções e instrução para eles edificarem suas habilidades interiores e elevarem transcendentalmente suas consciências.

O curioso e estarrecedor é que nessa decisão de transformar o roteiro de meus pares acabei por descobrir um fato motivador e extremamente fabuloso que mudara para sempre a minha maneira apequenada de enxergar as coisas: a medida em que eu praticava a generosidade e a abnegação (sem interesses envolvidos), minha torre de criação sofria metamorfoses intelectuais e overdoses espirituais, fazendo com que minha mente ascendesse sua âncora de entendimento para além de suas forças convencionais. Em outras palavras, se aproximar dos meus semelhantes e se interessar verdadeiramente por eles me fortalecia poderosamente, de forma que eu colecionava novos atributos a cada dia simplesmente por receber multiplicadamente todas essas boas e nobres ações executadas.

Pode parecer coisa de empreendedor apaixonado, mas darei um exemplo verídico para ilustrar essa importante questão e consequentemente provar de uma vez por todas como o nosso planeta é justo com aqueles que ouvem ludicamente sua voz: no ano retrasado, tive o imenso privilégio de participar de um treinamento de equipes em um maravilhoso workshop sobre liderança e gestão estratégica de pessoas. O mestre do lugar, muito sereno e exultado, nos propôs uma tarefa individual e muito avexado nos prometeu o seguinte: o integrante que mais se destacasse na mesma sairia como vencedor (simples e objetivo, não?). Contudo, no final do “combate”, percebemos que a única forma de vencer era unindo nossas pujanças para duplicarmos nossas competências, porque o desafio consistia em conexões sociais e em sinergias estratégicas. Todavia, o individualismo da “classe” não permitiu que tal ação fosse executada, fazendo com que todo o time perecesse pifiamente diante de um desafio que privilegiava o conjunto e não as partes isoladas.

Seguramente, assim como percebemos didaticamente no exemplo acima, muitas oportunidades são desperdiçadas em nossas carreiras quando agimos com egoísmo e auto-sustentabilidade, porquanto o segredo para qualquer empreendimento humano prosperar se encontra na união e na servidão - onde o referido ninho passa a se mover titanicamente para que todos se integrem na excelsa busca por um determinado objetivo específico. Certamente, no mercado hodierno, essa qualidade aflora-se ainda mais: obrigando os gestores a investirem pesado na qualificação de seus profissionais para transformarem suas equipes em um amontoado de seres criativos, versáteis e peculiarmente especializados. Foi pensando justamente sob essa ótica que Peter Drucker astutamente disse: “Para sobreviver e ter sucesso, cada organização tem de se tornar um agente da mudança. A forma mais eficaz de gerenciar a mudança é cria-la.”

Em linhas gerais, o príncipe da administração corrente compreendeu que nunca em eras longínquas as pessoas foram tão primordiais para o sucesso das suas organizações como são hoje, porquanto a fusão de mentes homogêneas é uma forma especialmente única de responder eficazmente aos estímulos negativos do ambiente, causados por inúmeras crises, turbulências e oscilações - fatores inerentes ao refratário mercado atual. Porém, para que essas coisas aconteçam fatidicamente, é imprescindível que exista alguém capaz de dar esperança a essas almas: acreditando nas mesmas para impulsionar suas potencialidades e fortalecer a base empresarial por intermédio de uma gestão direcionada para a construção de singulares brilhantismos pessoais, com o intuito de dar vazão a antecipação e a pró-atividade humana – valores que Drucker tanto teimava em defender e, principalmente, executar -.

Destarte, um líder é muito mais do alguém que ostenta técnica, agilidade, experiência e sagacidade, ele é um perpétuo doutrinador e seu sucesso depende de sua habilidade em conhecer a melhor forma de absorver o néctar mor dos talentos a sua volta, transformando tais indivíduos em braços fortes da sua gestão para que eles subam as escadas da sublimidade mercadológica por via de seus naturais e transcendentais recursos interiores.

Sabendo da importância dessas questões na vida de qualquer profissional contemporâneo, resolvi elencar 10 lições para que uma equipe tenha resultados de grau elevado por meio do talento enraizado no coração de cada integrante dessa significativa e rochosa teia. Confira:

1 – Fomente a troca de presentes: incentive a sinergia do grupo e a conexão mágica de interações, pois é absolutamente fundamental que as pessoas criem um laço singular para a troca de conhecimentos e informações, gerando por ilação um aumento expressivo no capital intelectual da instituição por meio dessa relação didática e inteligente. Usando letras heterogêneas, é fundamental que a trupe troque a vaidade pelo altruísmo, o egocentrismo pela amizade e o interesse pela alteridade, fazendo com que o clima organizacional seja harmônico e pacificador para que todos permaneçam intimamente alinhados com a proposta gerada pela cúpula empresarial, dando ao líder o máximo de suas forças e o limite pleno de suas variadas competências.

2 – Apoie a diversidade: é extremamente chato viver em um lugar monótono, onde nada de diferente acontece: o tédio passa a dominar o ambiente e o espírito da criatividade falece malignamente, esmorecendo os corações inovadores e aniquilando os espíritos regeneradores. Por isso, é importante dar valor ao debate sadio de ideias, aos pensamentos antagônicos, as culturas diversificadas e as condutas variadas para que o terreno seja fértil e propenso ao ineditismo. Desgraçadamente, muitos líderes destroem a principal qualidade de seus colaboradores: que é a esplêndida capacidade de pensar, afetando a autoestima de seus pares e contribuindo para o vasto decréscimo de suas habilidades intrínsecas. Indubitavelmente, essas ações têm poder para transformar seres competentes em criaturas deficientes, causando um terremoto mental que culminará na deterioração geral da esfera inteligível da empresa, fazendo cada participante do globo interromper sua ascensão cerebral, estagnar sua âncora racional e aniquilar sua qualidade conceitual.

Por conseguinte, é necessário dar liberdade às pessoas: objetivando fazê-las serem mais ousadas e versadas na eterna busca por soluções inteligentes e reflexões proeminentes para que a empresa seja um amontoado de forças técnicas e táticas com ênfase na excelência absoluta, e não para que a organização se transforme (erroneamente) em um ajuntamento ínfimo de coercitivas escravidões com ênfase na ditadura centralizadora e anarquizadora criada para beneficiar chefes demoníacos de alma puramente envenenada e tipicamente destrambelhada.

3 – Destrua as toxinas vislumbradas: o que mais desmotiva um bom funcionário são as influências negativas que ele recebe no decorrer de suas atividades profissionais: fofocas, injustiças, mentiras, críticas infundadas, julgamentos precipitados, inveja, indolência e toda a sorte de condutas antiéticas e imorais. À vista disso, cabe ao gestor confrontar titanicamente essas perniciosidades, destruí-las e gerar um clima pacífico, equitativo e jubiloso para os colaboradores se manterem engajados e entusiasmados nas tarefas do dia a dia, evitando tóxicas desmotivações.

Decerto, sem a existência dessas importantes ações, os indivíduos destacadamente produtivos ficarão entristecidos, desinteressados e revoltados. E essa postura certamente se refletirá nos produtos, no atendimento ao cliente, nas interações com os fornecedores, nas comunicações internas, nos eventos publicitários, enfim em todos os processos que envolvem a organização como um todo. Em razão dessas embromações, uma atmosfera regozijante e amena é extremamente imprescindível para uma gestão se perpetuar no poder, propiciando aos seus cooperadores desfrutar de um ambiente assertivo e auspicioso: de onde brotarão apenas vantagens, alegrias, contentamentos e satisfações.

4 – Crie uma cultura de conhecimento ímpar: o time precisa entrar em um estado de evolução contínua na busca pelo conhecimento e pela informação. Desta forma, o gestor deve realizar treinamentos e capacitações regulares, incitar uma casta de total apoio e entrosamento entre as pessoas, exigir diplomas e certificações específicas, fomentar reuniões estratégicas para impulsionar habilidades e aptidões, acompanhar o progresso de cada profissional e prover métodos para diminuir/eliminar seus pontos fracos e otimizar seus pontos fortes, aprimorar a comunicação da teia sistêmica presente, disseminar as novidades intelectuais por todos os níveis hierárquicos e, principalmente, fazer com que todos tenham reflexões críticas e ponderações sensatas para que o diálogo social tenha um nível elevado e largamente diferenciado.

Através dessas eruditas condutas, a empresa herdará uma potencialidade que a concorrência jamais poderá copiar, dado que a equipe criará atributos únicos e excentricamente perfeitos. É somente dessa forma que uma instituição pode se consolidar verdadeiramente no mercado: encantando seu público através da excelência de seus processos para dar as pessoas o melhor que o mundo dos negócios pode oferecer.

5 – Recompense as estrelas reluzentes: seguramente, alguns cooperadores terão que ser incentivados através de promoções, aumentos e condecorações para que possam manter sua energia motivacional sempre ativa. Lamentavelmente, muitos gestores são miseráveis e não querem dividir suas glórias e aclamações, sugando todas as evidências para si e perdendo gradativamente o respeito do grupo. Portanto, compartilhar é o segredo para ter o elenco nas mãos, demonstrando para as pessoas que os resultados são divididos entre todos, equitativamente, de acordo com a peculiar contribuição de cada um.

E lembre-se: ao entregar uma semente verdadeira ao universo, ele automaticamente plantará uma árvore em seu coração que germinará ramos capazes de edificar colossalmente uma imponente floresta nas profundezas infinitas da sua essência, tornando seu princípio vital um aquário de recifes gloriosos que culminará na intensificação de suas potencialidades inventivas e na aceleração plena de suas genialidades criativas. Á vista disso, ajude o maior número de criaturas possível em seu círculo social sem exigir nada em troca por isso – praticando a caridade por puro prazer e a caridade por legitima vontade.

6 – Desafie o orgulho das pessoas: o líder precisa criar um painel estratégico com alvos a serem atingidos, conjecturando fazer seus parceiros se entusiasmarem em persegui-los continuamente. Isso dará aos profissionais uma mentalidade competitiva que alavancará seus talentos adormecidos e aguçará seus dotes não estimulados, fazendo a empresa elevar sua energia criativa por intermédio dessa poderosa ação. Mas lembre-se: sobrecarregar uma pessoa, recheando-a de atividades complexas e utópicas é atrair inúmeras desconfianças e complicações para a mesa, tendo em vista que nenhum trabalhador aceitará ser instigado sob aspectos duvidosos. Portanto, saiba pressionar seu cooperador sem transformar sua rotina de trabalho em um flamejante inferno, usando sempre o bom senso e a prudência para delegar com sensatez e inteligência as demasiadas tarefas a serem realizadas.

Aliás, é fundamental também que as âncoras gerem uma competição sadia entre o time para que cada componente seja desafiado a se superar diariamente na proeminente busca por resultados maiores e por posições mais elevadas, fomentando um duelo salutar que multiplicará o progresso sistêmico da organização por conta da existência dessa confrontação interna que impulsionará as propriedades intelectuais e conceberá um núcleo de rendimento expressivo e piamente demolidor. Certamente, essa materialização permitirá a empresa ser mais forte gradativamente, ampliando sua cadeia de saberes pela rigidez de um conjunto que não cessa de avançar e ascender.

7 – Faça benchmarking esporadicamente: com absoluta certeza, seus concorrentes possuem atributos excepcionais que podem ser assimilados, o que transforma essas “positividades alheias” em raríssimas oportunidades de crescimento para o seu plantel. Em razão disso, procure fazer seus liderados aprenderem com as outras empresas: mapeando os pontos destacados para posteriormente aplicá-los na própria rotina empresarial, como uma espécie de colheita ocular - onde os indivíduos ceifam as sementes adversárias e aplicam em seus terrenos até que elas estejam prontas para germinar e render lúdicos frutos.

Sem dúvida alguma, essa conduta estratégica fará com que a corporação se antecipe as inovações do concorrente (conhecendo-as e combatendo-as inteligentemente), se sobressaia vastamente por contar com um mix de variáveis dinâmicas e versadas (polivalência/multifuncionalidade) e se fortaleça poderosamente por intermédio da otimização de seus procedimentos internos (elevação do Q.I do grupo).

8 – Agilize o raciocínio das peças do tabuleiro: uma equipe de rendimento acima da média é aquela que consegue gerar soluções extraordinárias com rapidez e eficácia, transformando problemas refratários em ideias metamórficas em um curso de tempo limitado por meio de sua sempar capacidade inovadora e reestruturadora. Em outros termos, o time precisa ter um discernimento sapiente e treinado para poder responder assertivamente as variáveis negativas do ambiente – usando suas astutas sabedorias para positivar tabuleiros imprecisos.

Exatamente por esse motivo, o líder precisa excitar os talentos de cada colaborador de seu ninho para que essas criaturas encontrem poderes invisíveis: entregando para a organização engajamento, visão clarificada, compromisso e total eficiência. Além disso, cabe a tal paladino atuar como um sublime facilitador, removendo todas as barreiras para que seu elenco possa se movimentar com mais tranquilidade e passividade pelo espaço, porquanto uma das maiores missões de um comandante de tropa é saber materializar um terreno vantajoso e rijo para seus comandados transitarem, dando a eles a colossal oportunidade de apalparem a perfeita glória.

9 – Dê liberdade vasta ao conjunto: um exímio líder não tem medo de dar autonomia e poder para seus liderados, delegando responsabilidade e autoridade em todos os níveis hierárquicos para que a empresa tenha numerosas vantagens por contar com um portfólio extenso de mentes elevadas: capazes de gerenciar eficazmente os inúmeros procedimentos existentes por meio de suas extraordinárias e originais qualificações. Infelizmente, muitos gestores pensam que podem resolver todos os problemas organizacionais sozinhos (ou boa parte deles), contudo eles esquecem que o mercado globalizado exige coletividade total, porque a circulação de informações é altamente veloz e as mudanças são constantes e ininterruptas – o que faz com que a união das estrelas seja impreterível para responder efetivamente a esse núcleo largamente enigmático e imponderável (estrambolicamente complexo).

10 – Seja um líder de fibra moral incorruptível: de nada adiantarão todas as lições expostas até agora se elas não forem externadas por uma pessoa de decência, equidade, candura e absoluta integridade, tendo em conta queo ser humano somente adere a uma visão diferente da sua quando possui plena convicção na torre que edificou tal ideologia, fazendo com que sua servidão só atinja seres de comprovada confiança, transparência e ética em todas as instâncias vislumbradas. Em outras palavras, um ajuntamento humano é influenciado tão somente por alguém de caráter e notável honradez, haja vista que os indivíduos que rodeiam tal aldeia precisam acreditar fielmente na ideia propagada pela boca do referido líder em questão – que necessita ostentar em sua fronte a verdade e a justiça em todos os aspectos que regem o seu estimado ser.

Por consequência disso, tal trono precisa ser especialmente sincero e leal em suas abordagens, cumprir seus acordos sem titubeio – ter palavra -, agir com imparcialidade e hombridade, valorizar as ideias fundamentadas e acolher as manifestações explanadas, inserir a dignidade humana no posto supremo de suas variadas intensões, privilegiar a moral em detrimento do lucro, e, principalmente, ser democrático o suficiente para fazer cada alma se sentir fundamentalmente gigantesca em sua essência, ativando o poder de suas consciências e ascendendo a aura infinita de seus glorificados corações.

Cada vez mais os gestores estão percebendo que o ambiente globalizado exige um plantel de alto nível: volúvel, inovador e multifacetado. Decerto, aqueles que não tiverem essa importante interpretação tendem a fracassar pifiamente diante desse mercado volátil e imprevisível em que estamos inseridos, esmorecendo vergonhosamente pela falta de sapiência perante tais embromações e perigos.

Isto posto, que saibamos fortalecer nossos companheiros, enxergando a empresa como uma sempar oportunidade de aprender e ensinar, gerando uma atmosfera de evolução contínua e progressiva na incansável busca pela excelência em todas os âmbitos que envolvem a referida oca.

ExibirMinimizar
aci institute 15 anos compartilhando conhecimento